Ajuste externo e credibilidade

Além da aceleração da inflação, o restabelecimento da confiança junto ao mercado financeiro internacional corresponde, também, a um dos grandes desafios para a próxima administração. Mesmo considerando-se um forte diminuição do déficit em conta corrente para 2003 (a estimativa do BC divulgada ontem gira em torno de US$ 8 bilhões), a necessidade bruta de financiamento externo da economia brasileira no ano que vem ronda a casa dos US$ 36 bilhões.
Isto porque no próximo ano vencerão US$ 28 bilhões em amortizações da dívida externa. Se entrarem uns US$ 12 bilhões em investimentos diretos, faltarão US$ 24 bilhões para bancar os pagamentos de principal da dívida externa. E para enfrentá-los o Brasil contará com um montante bem menor em termos de reservas livres: cerca de US$ 13 bilhões.
Nesta conta o dinheiro do FMI não entra pois o acordo firmado prevê a manutenção de um piso mínimo de reservas livres (reservas brutas menos o dinheiro do FMI) de US$ 5 bilhões. Assim, os recursos aportados pelo organismo internacional só poderiam ser utilizados para financiar as amortizações da dívida externa, basicamente do setor privado, se o FMI permitir o Brasil ter reservas líquidas negativas. O que seria um péssimo sinal para os investidores externos e uma clara demonstração de fragilidade.
E o problema não pára por aí. Em 2004 o volume de amortizações ainda é enorme (US$ 28 bilhões excluindo-se os recursos do FMI e de outras operações de regularização) e só a partir daí é que começaremos a ter um alívio (cai para US$ 20 bilhões em 2005 e US$ 16 bilhões em 2006).
Portanto, o restabelecimento da credibilidade no exterior é fundamental para que o crédito externo retorne e viabilize a rolagem da dívida externa brasileira, tanto do setor público quanto do setor privado. Do contrário o ajuste continuará sendo feito com dólar alto gerando mais superávit na balança comercial, fazendo a necessidade de recursos caber no tamanho da disposição dos agentes externos em financiá-la.

Luiz Rabi
Economista-chefe do BicBanco.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Bolsas globais sobem após movimento do BC chinês

Corte de juros na China é um sinal positivo para Brasil, de modo que a Bolsa local possa acompanhar o bom humor global.

Mercados dão continuidade a movimento negativo visto desde ontem

Bolsas e commodities cedem, enquanto as curvas de juros dão um alívio; moedas são a exceção e avançam contra o dólar.

Mercados recuam após discurso de Powell

Hoje é dia de agenda sem muitos dados.

Últimas Notícias

Bolsas globais sobem após movimento do BC chinês

Corte de juros na China é um sinal positivo para Brasil, de modo que a Bolsa local possa acompanhar o bom humor global.

Leega lança solução de inteligência de dados marketing das empresas

Marketing Analytics combina arquitetura Cloud, engenharia de dados e machine learning.

Qyon Tecnologia planeja crescer 65% em 2022

Marca deve fechar ano com cerca de 100 franquias.

XP amplia crescimento do PIB para este ano

Elevou a projeção de 0,8% para 1,6%

Perfil de risco visto pelas corretoras

Uso do Questionário de Perfil de Investidor, chamado de suitability, que tem como função identificar seu apetite de risco