AL: brasileiro é líder em compras virtuais e higiene do lar

Latino-americanos trabalham mais remotamente, comem menos comida saudável e compram menos pela internet que nos demais continentes.

De acordo com o mais recente estudo Barômetro Covid-19, realizado pela Kantar, os latino-americanos passam mais tempo com a família, trabalham mais remotamente e estão mais conectados virtualmente do que o resto do mundo. Eles também comem menos comida saudável (18%) contra a 22% da média global e fazem menos compras virtuais (24%) do que nos demais continentes (27%).

O estudo perguntou a 11 mil entrevistados de 21 países quais comportamentos estão adotando mais agora em comparação ao período anterior à pandemia.

Na América Latina, os brasileiros foram os que mais incrementaram suas medidas de higiene dentro do lar para combater o novo coronavírus, com 36% da população mudando seus hábitos de higiene, contra 25% dos mexicanos e colombianos.

A Colômbia foi o país em que as pessoas passaram maior tempo em casa com a família (33%), seguido de México (30%) e logo atrás, Brasil (29%) e Argentina (28%).

O trabalho remoto deve seguir sendo praticado por alguns. Por exemplo, 29% dos colombianos e 23% dos argentinos seguem trabalhando de casa.

Durante a pandemia os canais digitais ganharam relevância em toda a América Latina, uma tendência que deve se manter no futuro. O Brasil foi o país que registou maior aumento de compras virtuais na região, com 30% de incremento, enquanto a Argentina aparece em última posição, com 20%.

Ainda segundo a pesquisa, 28% dos colombianos levam uma vida mais saudável agora, se exercitando em casa, do que antes da pandemia, enquanto 23% dos mexicanos passaram a cuidar da alimentação e optaram por comer de forma mais saudável.

De acordo com a pesquisa da Kantar, o nível de consumo virtual que foi alcançado durante o isolamento será mantido e, diante desse novo normal, as marcas terão que desenvolver novas estratégias para satisfazer o novo consumidor pós-pandemia.

Já segundo levantamento “Social Commerce”, realizado pela All iN Social Miner, 74% dos brasileiros usam redes sociais para fazer compras, por isso, cada vez mais o comércio digital tem se reinventado para alcançar o maior número de usuários e aumentar suas vendas. Com o crescimento de 75% no setor de e-commerce desde o começo da pandemia, de acordo com levantamento da Mastercard SpendingPulse, as empresas precisaram se reestruturar para continuar vivas e as redes sociais vieram como uma das soluções para esse problema.

Além disso, os usuários estão cada vez mais dispostos a experimentar novidades no mundo digital e empreendedores estão acompanhando esse movimento. Desde o começo da pandemia, houve um aumento de 70% nas transmissões virtuais, com isso as lives commerces tem chegado no Brasil com muita força.

Artigos Relacionados

Proprietário de imóvel da União pode comprar o bem por aplicativo

SPUApp desenvolvido pelo Serpro permite remição de foro dos 17% do imóvel no Leme e em Copacabana.

CNC está otimista com Dia dos Pais e projeta R$ 6,03 bi na economia

Dia dos Pais de 2020 foi o pior em 13 anos.

Vende-se: ANP inclui 377 blocos exploratórios na Oferta Permanente

Novos blocos ficam no Amazonas, Ceará, Espírito Santo e Paraná

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Ações da ClearSale valorizam mais de 20% na estreia na B3

A ClearSale (ticker CLSA3) concluiu nesta sexta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão sendo que, apenas...

Edital da Oferta Permanente inclui 377 blocos

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) publicou nesta sexta-feira nova versão do edital da Oferta Permanente, com a inclusão de 377...

Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que...

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...