AL e Caribe crescerão em 2021, mas não recuperam nível pré-pandemia

Cepal prevê contração média de -7,7% para 2020 - a maior em 120 anos - e uma recuperação de 3,7% em 2021.

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) divulgou, nesta quarta-feira, novo relatório, que revela que a região da América Latina e Caribe terá queda de -7,7% em 2020, porém terá uma taxa de crescimento positiva de 3,7% em 2021, devido principalmente a um arraste estatístico. O crescimento não será suficiente para recuperar os níveis de atividade econômica pré-pandemia do coronavírus (em 2019).

O relatório chamado Balanço Preliminar das Economias da América Latina e do Caribe 2020, um dos principais relatórios anuais da Comissão das Nações Unidas, foi apresentado virtualmente pela secretária-executiva, Alicia Bárcena.

De acordo com o documento, em um contexto de contração global, América Latina e Caribe é a região mais atingida do mundo em desenvolvimento pela crise derivada da Covid-19. Na década anterior à pandemia, a região apresentava uma trajetória de baixo crescimento e em 2020 enfrenta uma combinação de choques negativos de oferta e demanda sem precedentes, o que se traduz na pior crise econômica dos últimos 120 anos.

Embora os importantes esforços fiscais e monetários realizados pelos países tenham permitido mitigar os efeitos da crise, as consequências econômicas e sociais da pandemia foram exacerbadas pelos problemas estruturais que a região arrasta historicamente. Para o ano de 2021 espera-se uma taxa de crescimento do PIB positiva que reflete fundamentalmente um arraste estatístico, mas, a recuperação do nível do produto interno bruto (PIB) pré-crise será lenta e só será alcançada por volta do ano de 2024.

“A dinâmica do crescimento em 2021 está sujeita a uma alta incerteza relacionada com o risco de surtos da pandemia, da agilidade para produzir e distribuir as vacinas e da capacidade para manter os estímulos fiscais e monetários para apoiar a demanda agregada e os setores produtivos. Avançar para um crescimento sustentável e inclusivo exige uma transformação produtiva para setores ambientalmente sustentáveis, que favoreçam a geração de emprego e a inovação tecnológica”, afirmou Alicia Bárcena.

Segundo a secretária, as fragilidades e brechas estruturais históricas da região, seu limitado espaço fiscal, a desigualdade, a escassa cobertura e acesso à proteção social, a elevada informalidade do trabalho, a heterogeneidade produtiva e a baixa produtividade são centrais para entender o alcance dos efeitos da pandemia nas economias da região, suas dificuldades para implementar políticas que mitiguem esses efeitos e os desafios na hora de empreender uma retomada econômica sustentável e inclusiva.

Antes da pandemia, a região já apresentava um baixo crescimento econômico: em média 0,3% no período de 2014-2019, e especificamente em 2019 uma taxa de 0,1%. Com a chegada da pandemia, foram somados a esse baixo crescimento econômico os choques externos negativos e a necessidade de implementar políticas de confinamento, distanciamento físico e fechamento das atividades produtivas, que fizeram com que a emergência sanitária se materializasse na pior crise econômica, social e produtiva vivida pela região. A contração da atividade econômica foi acompanhada por um aumento significativo da taxa de desocupação, que é prevista em torno de 10,7% em 2020, uma profunda queda da participação no mercado de trabalho e um aumento considerável da pobreza e da desigualdade.

De acordo com as projeções apresentadas pela Cepal, a América do Sul teria uma contração de -7,3% em 2020 e cresceria 3,7% em 2021; A América Central cairia -6,5% no período atual e se expandiria 3,8% no próximo ano. Já o Caribe registraria uma contração de -7,9% em 2020 e um crescimento de 4,2% em 2021.

O documento enfatiza que, para evitar que a região persista em sua dinâmica de baixo crescimento, são necessárias políticas fiscais e monetárias expansivas junto com políticas ambientais e industriais que permitam as transformações estruturais de que a região necessita e promovam um desenvolvimento sustentável.

Propõe a necessidade de priorizar o gasto para a reativação e a transformação econômica e social, mediante o fomento do investimento intensivo em emprego e ambientalmente sustentável em setores estratégicos; estender a renda básica às pessoas em situação de pobreza; conceder financiamento às micro, pequenas e médias empresas (MPMEs); fornecer incentivos para o desenvolvimento produtivo, revolução digital para a sustentabilidade e tecnologias limpas; e universalizar os sistemas de proteção social.

Argumenta-se que, além dos esforços nacionais, a reativação e a transformação econômica da região exigirão financiamento e cooperação internacional. Nesse âmbito, enfatiza a necessidade de utilizar instrumentos como a emissão e realocação dos Direitos Especiais de Saque (DES) do Fundo Monetário Internacional para fortalecer as reservas dos países da região e os acordos regionais; incluir os países de renda média vulneráveis na iniciativa de moratória da dívida do G-20 (DSSI, na sua sigla em inglês) e também implementar a troca da dívida para adaptação à mudança climática no caso do Caribe, juntamente com a criação de um fundo de resiliência; e capitalizar as instituições de crédito multilaterais, regionais e nacionais.

Laia mais:

Colégio Eleitoral dos EUA oficializa vitória de Biden

Reino Unido e UE conversam de novo para garantir acordo pós-Brexit

Campanha MakeAmazonPay cresce no mundo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Reduzir alíquota de ICMS não aliviará preço de combustíveis

Política equivocada do governo pode levar a falta de diesel.

Prévia da inflação mostra maior alta em quase 19 anos

Mercado financeiro destaca que núcleo do IPCA-15 atingiu maior valor da série histórica.

Venezuela conta com multis para produzir 2 milhões de barris por dia

País espera também volta de estatais sul-americanas.

Últimas Notícias

Solidus Aitech arrecadou mais de US$ 10,5 mi de fundos com tokens

Serviço de computação de alto desempenho (HPC) quer 'democratizar a IA'.

Pão pita tradicional poderá ser feito em escala industrial

Novo sistema é capaz de produzir até 1.000 quilos/hora de pita.

Policiamento reforçado em terreiros de umbanda e candomblé de Itaboraí

Terreiros foram ameaçados por pastor evangélico em show gospel.

Rodoviária do Rio inicia a 24ª Campanha do Agasalho

Desde a 1ª edição, em 1999, quase 1 milhão de peças já foram doadas.

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.