Álcool: brasileiros ficam bêbados em média 21 dias por ano

Pesquisa sobre drogas coloca bebidas no topo da lista, e escoceses e ingleses são os mais afetados.

A pesquisa Global Drug Survey (GDS) 2020 revela que os entrevistados relataram ter ficado bêbado em média 21 vezes por ano. O levantamento foi realizado com 90 ml pessoas em 32 países. Os brasileiros ficaram pouco acima da média, com 21,6 dias. No topo do ranking, escoceses e ingleses, com 33,8 e 33,7 dias, respectivamente.

A GDS define bêbado como “ter bebido tanto que suas faculdades físicas e mentais estão prejudicadas a ponto de seu equilíbrio/discurso foi afetado, você não conseguiu se concentrar claramente nas coisas e que sua conversa e os comportamentos eram obviamente diferentes para as pessoas que o conhecem”. Somente 16% dos participantes responderam nunca ter ficado bêbado.

O estudo foi realizado antes da pandemia, em novembro de dezembro de 2019. Uma edição especial de GDS sobre Covid-19 mostrou que 30% a 50% dos bebedores (especialmente os britânicos) relataram beber mais durante o confinamento, para muitos com efeitos negativos em sua saúde física e mental. O excesso de álcool também suprime o sistema imunológico e o torna mais vulnerável a infecções respiratórias.

O álcool é, de longe, a droga mais usada nos 32 países pesquisados, com 94% dos que responderam tendo usado nos 12 meses anteriores. Em seguida vem a maconha (64,5%) e o tabaco (60,8%). Excluindo álcool e tabaco, as 10 principais drogas usadas nos últimos 12 meses foram:

→ Cannabis contendo THC

→ MDMA

→ Produtos de cannabis apenas com CBD (não psicoativos)

→ Cocaína

→ Anfetamina

→ LSD

→ Benzodiazepínicos

→ cogumelos mágicos

→ Cetamina

→ Opioides prescritos

O LSD foi mais uma vez classificado como a droga de “melhor custo-benefício” do mundo. Além dos cogumelos mágicos, os dados mostram que as drogas sintéticas – que podem ser facilmente produzidas em larga escala – são consideradas de melhor custo-benefício do que medicamentos à base de plantas como cocaína ou cannabis.

A queda da cannabis para o penúltimo lugar, à frente apenas da cocaína, “é impressionante e pode refletir tanto a produção e comercialização de produtos de alta potência, o crescimento de um mercado regulado, bem como os muitos consumidores regulares refletindo em suas despesas semanais. O valor pelo dinheiro é uma métrica importante, especialmente quando consideramos como um mercado regulado pode exercer controle sobre os preços por meio da tributação. Com as drogas, incluindo o álcool, mais caras, as pessoas usam com menos frequência. Menos uso está associado a menos danos”, destaca o relatório.

Leia mais:

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Cachaça Magnífica promove concurso de vídeo coquetelaria

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Huawei investe US$ 60 mi em centros tecnológicos de Angola

Enquanto os Estados Unidos aumentam as sanções em relação a China, a empresa de tecnologia Huawei, que está no olho desse furacão, investiu US$...

Estação espacial chinesa em 2022

A China lançou nesta quinta-feira a nave espacial tripulada Shenzhou-12, enviando três astronautas ao módulo central da estação espacial Tianhe para uma missão de...

Gargalos na oferta manterão inflação em alta até o final de 2021

PIB real global pode crescer 5,5%; no Brasil, só 3,8%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Objetos do Coração ajuda o Pró Criança Cardíaca

E-commerce que vende objetos para casa e decoração exclusivamente em formato ou com estampa de coração vai doar 10% da venda de produtos selecionados...

Empresa Fácil oferece estudo de viabilidade a novos empreendedores  

Sistema permite a emissão do Alvará Provisório em 24h.

Fatores comportamentais podem influenciar nos acidentes de trabalho

Psicóloga e uma assistente social e também técnica de segurança do trabalho criaram o jogo Conversa Segura.

Reclamações sobre serviços de telecom caem 28,4% em maio

O número de reclamações de usuários dos serviços de telecomunicações caiu 28,4% em maio de 2021 na comparação com maio do ano passado, segundo...

EMS explica faturamento com o ‘kit Covid’

farmacêutica brasileira EMS informou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia que faturou R$ 142 milhões com medicamentos do kit Covid-19 em 2020,...