Alerj barra privatização da Cedae pela segunda vez

A privatização da Cedae já foi tentada pelo menos duas vezes nos últimos anos. E não é a primeira vez que a Alerj barra a venda da companhia. Em 1998, o então governador Marcello Alencar tentou privatizar a Cedae; os deputados, comandados à época por Sérgio Cabral, conseguiram impedir a transação. Em 1999, o governador Anthony Garotinho fez estudos para privatizar a Cedae, mas voltou atrás. Agora, projeto de lei assinado pelo presidente da Casa, deputado André Ceciliano (PT), condiciona a venda da Cedae à renovação do Regime de Recuperação Fiscal, que tem a venda da companhia como contrapartida. O Governo do Estado queria privatizar antes.

 

Venda de animais de estimação

Projeto de lei em tramitação na Alerj proíbe a comercialização de animais de estimação, cães e gatos, que não estejam esterilizados, microchipados, vermifugados e vacinados. Proíbe também a venda de animais com menos de 120 dias de vida. A proposta é do deputado Marcelo Dino (PSL).

Jair Bittencourt (foto Alerj)
Jair Bittencourt (foto Alerj)

Sob nova e temporária direção

Até a próxima quarta-feira (21), a Alerj estará sob o comando do deputado Jair Bittencourt (PP). Primeiro vice-presidente da Casa, ele assumiu interinamente a presidência, com a viagem de André Ceciliano (PT) ao exterior. Tudo oficializado através de comunicado no Diário Oficial.

 

Não adianta chorar

Não é a primeira vez que o Supremo determina a instalação de CPIs a pedido da oposição. No Governo Lula, o STF mandou que fosse instalada a CPI dos Bingos, em 2007, e do Apagão Aéreo, em 2014. Já na gestão Dilma, determinou a CPI da Petrobras. A Constituição determina que, para instalar uma CPI, sejam preenchidos três requisitos: assinatura de um terço dos senadores, indicação de fato determinado a ser apurado e definição de um prazo certo para duração.

 

Carregador para veículos elétricos

Os novos prédios residenciais e comerciais deverão incluir nos projetos preparação para a instalação de pontos de recarga de veículos elétricos. É o que determina projeto de lei do vereador Zico (REP), protocolado na Câmara Municipal do Rio. A partir da aprovação do projeto, quem não cumprir a determinação não receberá a Certidão de Habite-se.

Artigos Relacionados

A ‘revolução verde’ em pauta na Cúpula do Clima

Quatro dos dez maiores poluidores – EUA, China, União Europeia e Índia – estão avançando.

Deputado pede tombamento para evitar venda

Paes quer fim de escola na orla de Copacabana.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Estado do Rio registra 68,8 mil novos MEIs

Alimentação fora do lar foi o segmento com mais abertura de empresas, com 10,4 mil novos microempreendedores.

Volume de vendas do varejo restrito regrediu em março

'Recuo foi acima do esperado por nós (-3,4%) e pelo mercado (-5,1%)', diz Felipe Sichel.

Quase 80% não trabalham totalmente remoto na pandemia

Segundo levantamento sobre adaptação ao modelo de teletrabalho, 49,7% dos entrevistados estiveram na empresa semanalmente.

Tunísia pretende exportar 80 mil toneladas de frutas

País produz pêssegos, nectarinas, damasco, ameixa e estima aumento de 7% na safra de frutas em 2021; grandes importadores são Líbia, França e Itália.

Rio acaba com toque de recolher

Novas medidas têm validade até o dia 20 de maio; medidas podem ser revistas.