Alerj pode criar competição entre torcidas por doação de sangue

Deputados na Alerj propõem competição de doação de sangue e proteção de áreas, discutindo projetos cruciais para o Rio.

45
Thiago Gagliasso (foto Alerj)
Thiago Gagliasso (foto Alerj)

O deputado Thiago Gagliasso (PL) é muito criativo. Ele quer que o Governo do Estado do rio de Janeiro organize uma competição entre torcedores de futebol para ver quem consegue mais doadores de sangue. A premiação, o deputado resolveu deixar para o Governo decidir. Esse é o teor do projeto de lei que o parlamentar apresentou na Alerj e ainda não tem data para ir à votação em plenário.


Proibição para venda de sirenes

O deputado Rosenverg Reis (MDB) é o autor do projeto de lei que proíbe a venda de sirenes e de giroscópios para fins particulares. Segundo a proposta, a venda desse tipo de equipamento só será autorizada para órgãos e agentes públicos. É que muitos espertinhos têm usado o equipamento para abrir passagem em engarrafamentos, inclusive parlamentares.


Tombamento do Jardim de Alah

Dionísio Lins (foto Alerj)
Dionísio Lins (foto Alerj)

O deputado Dionísio Lins (PP) deu entrada em um projeto de lei na Alerj esta semana tombando o Jardim de Alah, tradicional área de lazer da Zona Sul do Rio, localizada entre Ipanema e Leblon e que fica no entorno do canal que abastece com água do mar a Lagoa Rodrigo de Freitas. O parlamentar se disse preocupado com informações de que grande parte do parque seria cedida para a construção de um shopping center.


Reserva de vagas em cargos comissionados

O deputado Professor Josemar (Psol) está solicitando ao Governo do Estado do RJ, através de projeto de lei, a reserva de 20% das vagas de cargos comissionados na Administração Pública Estadual para pessoas negras, indígenas e quilombolas. O projeto tramita nas comissões temáticas da Alerj.

Espaço Publicitáriocnseg

Plano Diretor da Cidade do Rio

A Câmara Municipal do Rio vota na semana que vem, antes do recesso de final de ano, o projeto de lei do Plano Diretor. As comissões internas da Câmara levaram oito dias de intenso trabalho até chegar a um parecer de consenso sobre a matéria que será discutida em plenário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui