Aliança

O projeto sobre o novo valor do salário mínimo deve ser votado pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados. A avaliação é do deputado federal Vivaldo Barbosa (PDT-RJ), que apresentou à mesma comissão projeto elevando o mínimo para R$ 271. Realista, porém, Barbosa admite a inviabilidade da aprovação de seu projeto na comissão, diante da maioria governista, e acena como o apoio à proposta do PFL de valor equivalente a US$ 100. “Vamos defender a proposta do PFL, que eleva o piso para R$ 180. Este valor é o único que será capaz de ser aprovado”, afirma Barbosa, para quem um valor maior do que este esbarraria nas resistências de PSDB e PMDB.

Isonomia
O auxílio moradia autoconcedido ao Judiciário começa a ser seguido no resto do País. No Rio, o vereador Ruy Cezar (PTB) apresentou, no início do mês, projeto de lei autorizando o Executivo a conceder esse auxílio aos servidores municipais que não possuem imóveis residenciais. O valor não pode ser inferior a R$ 500. O vereador alega que projeto assegura ao Executivo um instrumento para viabilizar o acesso dos servidores ao direito à moradia, assegurado pelo artigo 138 do Plano Diretor Decenal – lei complementar nº 16/90. “Milhares de servidores moram de aluguel por não terem sido beneficiados ainda pelos programas de financiamento imobiliário implementados pela Prefeitura.”.
Cezar afirma que sua proposta encontra amparo nos artigos 30 e 216 da Lei Orgânica do Município. E acrescenta que membros do Judiciário e do Legislativo já recebem o mesmo benefício.

Decibéis
A iniciativa do Metrô de brindar seus usuários com (boa), música merece aplausos, mas está alguns tons acima do bom senso. Pelo menos na Cinelândia, o volume, excessivamente elevado, atrapalha, não apenas os usuários que precisam usar os orelhões da estação, como impede que seja uma fonte de maior prazer para os demais.  

Cruzada
A resposta deve ser interessante e, diante dos responsáveis pelo ataque, uma pergunta se impõe: afinal, que interesses o prefeito Celso Pitta andou contrariando? Ou, plagiando a Velhinha de Taubaté: será que ele andou fazendo alguma coisa boa ou evitando coisas erradas?

Toc-toc-toc
As luxuosas publicações do Comitê de Candidatura do Brasil para a Copa do Mundo de Futebol de 2006 não conseguem tirar um temor dos torcedores. Tendo como principal figura da campanha o ex-jogador Zico, cresce o risco de mais uma derrota brasileira. Apesar de ter sido um craque em campo, Zico sempre esbarrou no azar quando o assunto era Copa do Mundo. Participou de três como jogador (78, 82 e 86) e um como membro da comissão técnica (98), sem conseguir trazer o caneco.
Para tirar de vez as esperanças dos torcedores brasileiros, só mesmo se aderir ao comitê o deputado federal Ronaldo César Coelho, veterano em campanha de parcos resultados (vide a das Olimpíadas no Rio).
Aliás, uma perguntinha: quem banca a luxuosa campanha do Comitê?

Encontro
Na primeira quinzena de abril, acionistas da CEG terão audiência com o governador do Rio, Anthony Garotinho. Na pauta, investimentos da empresa para os próximos três anos. Somente neste ano, as cifras chegam a R$ 120 milhões. De 2001 a 2003, os investimentos triplicam: R$ 390 milhões. Espera-se que as explosões e escapamentos de gás diminuam.

Mordaça condenada
A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP, na sigla em espanhol) condenou a chamada Lei da Mordaça, por representar ato de censura que, além de afetar a liberdade de imprensa, é contrário à própria Constituição do Brasil. Para a SIP, sob o pretexto de resguardar a intimidade e a privacidade dos acusados até o julgamento, na prática constituiria um ato de censura, inibindo o jornalismo investigativo e limitando a liberdade da imprensa. A Lei da Mordaça é o projeto de lei nº 2961/97, que proíbe funcionários públicos, agentes policiais, procuradores, promotores, juízes e membros dos Tribunais de Contas de prestarem informações à imprensa.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMínimo
Próximo artigoMeio a meio!

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Confiança de serviços recupera parte da queda de setembro

Já índice de confiança do comércio se mantém estável em outubro, ficando em 94,2 pontos, após dois meses de queda.

Mercados operam mistos no exterior

No Brasil haverá resposta ao Copom.

Elevação na Selic deve repercutir no mercado

EUA: divulgação de PIB do terceiro trimestre e balanços de grandes empresas são o foco das atenções no cenário internacional.

TSE forma maioria contra cassação da chapa Bolsonaro-Mourão

PT, PCdoB e PROS pedem cassação da chapa por cometimento de abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação.

IGP-M acumula inflação de 21,73% em 12 meses

Alta da taxa de setembro para outubro foi puxada pelos preços no atacado.