Alimentos são direito, não mercadoria, diz ONU

Três bilhões de pessoas não podem pagar uma dieta saudável.

Os alimentos devem ser vistos como um direito humano, não como uma mercadoria, disse o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, nesta quinta-feira. A declaração foi feita na Cúpula de Sistemas Alimentares da ONU, que reuniu agricultores e pescadores, jovens, povos indígenas, chefes de estado e de governo e outros, em um esforço para transformar o setor e colocar o mundo de volta no caminho para alcançar todos os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030.

“Todos os dias, centenas de milhões de pessoas vão para a cama com fome. Crianças morrem de fome. Três bilhões de pessoas não podem pagar uma dieta saudável. Dois bilhões estão acima do peso ou são obesas. Quatrocentos e sessenta e dois milhões estão abaixo do peso. E quase um terço dos todos os alimentos produzidos são perdidos ou desperdiçados”, continuou ele.

“Ao longo de todo o processo, precisamos fortalecer a resiliência dos sistemas alimentares locais a choques externos, como conflitos, mudanças climáticas e pandemias”, disse Guterres.

O secretário-geral disse que embora os sistemas alimentares gerem um terço de todas as emissões de gases de efeito estufa e sejam responsáveis por até 80% da perda de biodiversidade, “eles podem e devem desempenhar um papel de liderança” na abordagem de todos os desafios que o mundo enfrenta para realizar a ODS até 2030.

“Precisamos de sistemas alimentares que apoiem a saúde e o bem-estar de todas as pessoas”, disse ele, acrescentando que a desnutrição, a fome e a fome não são forças da natureza, mas “o resultado das ações – ou omissões – de todos nós.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Geração de energia solar traz R$ 35,6 bi de investimentos ao país

Potência nos telhados e terrenos com sistemas fotovoltaicos equivale a metade da capacidade de Itaipu.

Brasil registra 12.211 órfãos de Covid até 6 anos de idade

Cartórios do Rio registram quase 800 órfãos de Covid até seis anos de idade.

Dívida de países pobres vai a US$ 860 bi e bate recorde em 2020

Estudo do Banco Mundial revela que alguns países chegaram a notar um aumento de 20% na dívida externa; em Angola e Moçambique, dívida aumentou...

Últimas Notícias

Crédito consignado: aumenta número de reclamações de cobrança indevida

O crédito consignado não solicitado por clientes está no topo das reclamações de consumidores. Em relação aos registros, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon),...

Geração de energia solar traz R$ 35,6 bi de investimentos ao país

Potência nos telhados e terrenos com sistemas fotovoltaicos equivale a metade da capacidade de Itaipu.

Direito de controle sobre funcionários que trabalham de casa

Por Leonardo Jubilut.

Rio Indústria apoia lei que desburocratiza e facilita novos negócios

Em audiência pública realizada nesta quinta-feira (14), na Câmara Municipal do Rio, sobre o Projeto de Lei Complementar nº 43/2021 que regulamenta a Declaração...