Aluguel avança 0,43% em dezembro e fecha ano com alta de 2,48%

O Índice FipeZap de Locação Residencial, que acompanha o comportamento do preço médio do aluguel de apartamentos prontos, encerrou dezembro com alta mensal de 0,43%, após permanecer praticamente estável no mês anterior (+0,03%). Comparativamente, a variação foi inferior à inflação registrada pelo IPCA/IBGE (+1,35%) e pelo IGP-M/FGV (+0,96%), resultando em uma queda real do preço médio. Individualmente, o comportamento do preço médio do aluguel em dezembro refletiu o avanço do preço médio na maior parte das capitais monitoradas, incluindo as altas registradas em: Salvador (+1,67%), Goiânia (+1,49%), Recife (+1,17%), Rio de Janeiro (+0,86%) e Florianópolis (+0,71%). Em contraste, as capitais que registraram recuos ou altas mais modestas no último mês de 2020 incluíram: Brasília (-0,60%), São Paulo (-0,09%), Porto Alegre (+0,03%), Belo Horizonte (+0,36%) e Fortaleza (+0,60%).

O Índice FipeZap de Locação Residencial encerrou 2020 com alta acumulada de 2,48% – resultado que manteve a variação do preço médio do aluguel abaixo da inflação medida pelo IPCA/IBGE (+4,52%) e pelo IGP-M/FGV (+23,14%). À exceção de Curitiba, onde o Índice FipeZap de Locação Residencial registrou queda 0,37% no preço médio, as demais capitais monitoradas apresentaram elevação de preço médio do aluguel no acumulado no ano, ordenadas da maior à menor variação da seguinte forma: Goiânia (+8,87%), Belo Horizonte (+6,24%), Recife (+5,0%), Salvador (+4,96%), Brasília (+4,91%) Porto Alegre (+1,27%), São Paulo (+1,14%), Florianópolis (+0,82%), Rio de Janeiro (+0,70%) e Fortaleza (+0,26%).

Com base em dados de todas as 25 cidades monitoradas pelo Índice FipeZap de Locação Residencial, o preço médio do aluguel encerrou o mês de dezembro em R$ 30,46/m². Entre as 11 capitais monitoradas, São Paulo se manteve como a capital com o preço médio mais elevado (R$ 40,06/m²), seguida pelos valores médios registrados em Brasília (R$ 32,16/m²), Recife (R$ 31,50/m²) e Rio de Janeiro (R$ 30,74/m²). Já entre as capitais com menor valor de locação residencial, destacaram-se: Fortaleza (R$ 17,37/m²), Goiânia (R$ 18,46/m²), Curitiba (R$ 20,77/m²) e Belo Horizonte (R$ 23,54/m²).

Especificamente no Rio de Janeiro, de acordo com o relatório mensal produzido pelo Imovelweb, para alugar um imóvel padrão (65m², dois dormitórios e uma vaga de garagem) no Rio de Janeiro em dezembro de 2020 era preciso, em média, R$ 1.780/mês, 0,3% a mais do que o mês anterior. No ano passado, os preços dos aluguéis tiveram um aumento de 2,8%, valor abaixo da inflação (IPCA-15), que fechou o ano em 4,2%. O relatório mostra que, em 2020, os bairros que mais tiveram valorização no preço do aluguel foram Barra da Tijuca (R$ 2.423/mês, +16,4%), Humaitá (R$ 2.462/mês, +18,5%) e Glória (R$ 2.402/mês, +19,4%). Já os locais que mais tiveram queda no valor do aluguel foram Piedade (R$ 1.151/mês, -14,8%), Urca (R$ 2.508/mês, -13,3%) e Cachambi (R$ 1.191/mês, -13,2%).

Entre novembro e dezembro não houve alteração no preço do m² no Rio de Janeiro, de forma que o valor se manteve em R$ 7.765. Assim, um apartamento padrão na capital fluminense custa R$ 505.050. Ao longo de 2020, o preço do m² na cidade registrou uma pequena alta de 0,7%.

Os bairros onde o m² mais aumentou no Rio de Janeiro ao longo de 2020 foram Bangu (R$ 3.549, +13,0%), Parada de Lucas (R$ 4.606, +13,1%) e Vasco da Gama (R$ 5.024, +15,1%). As maiores desvalorizações ocorreram em Pedra de Guaratiba (R$ 2.332, -17,1%), Paciência (R$ 2.960, -16,6%) e Cavalcanti (R$ 2.602, -14,5%). Já o índice de rentabilidade imobiliária mostra que os melhores bairros do Rio para investidores que buscam renda são Ramos (6,7%), Cosmos (6,6%) e Senador Vasconcelos (6,3%). Por outro lado, os menos rentáveis são Urca (3,2%), Gávea (3,1%) e Lagoa (2,9%).

Leia mais:

Checar se o imóvel está coberto por seguro em caso de aluguel

A lógica do IGPM: indexação do aluguel não reflete a realidade

 

Artigos Relacionados

Petrobras fecha 2020 com lucro de R$ 7,1 bilhões

Lucro líquido no quarto trimestre de 2020 foi de R$ 59,9 bilhões.

Economia dos países asiáticos estará no radar da FGV

O Núcleo de Prospecção e Inteligência Internacional da Fundação Getulio Vargas (FGV NPII) promoverá este ano uma série de debates sobre os países asiáticos...

PL da privatização dos Correios chega ao Congresso Nacional

O Governo Federal entregou nesta quarta-feira ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, o Projeto de Lei que define o Marco Regulatório para...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preços dos carros mais vendidos subiram 9,4% em média em um ano

Com 18,23% de variação, Renault Kwid foi o que mais subiu de preço entre os 13 mais vendidos.

PEC Emergencial pode sair da pauta do Senado desta quinta

Parlamentares resistem a cortes na saúde e educação e propõem votar apenas questão do auxílio emergencial.

Desdobramentos da intervenção na Petrobras

Percepção é de que o 'superministro' de Bolsonaro pode estar ficando cada vez mais isolado.

IPCA-15 de fevereiro ficou abaixo da expectativa

Índice mostra variação mais fraca que o esperado em alimentação, educação; já saúde e transportes vieram mais fortes que a expectativa.

Tentativa de superação

Ontem foi dia de recuperação da Bovespa, liderada pelas ações da Petrobras, Eletrobrás e setor bancário.