América Latina torce nariz para Bolsonaro e gosta de Obrador

Pesquisa feita com jornalistas e blogueiros latinos mostra simpatia com presidente eleito mexicano e rejeição ao brasileiro

Apenas um em cada quatro formadores de opinião da América Latina têm uma imagem favorável do presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro. Muito distante do eleito do México, Andrés Manuel López Obrador, que dispõe da simpatia de 60% dos entrevistados pela Ipsos para uma pesquisa sobre os presidentes latinos. Tanto o brasileiro quanto o mexicano tiveram desempenho melhor entre os entrevistados de seus respectivos países.

Foram ouvidos, em outubro, basicamente jornalistas e blogueiros (os primeiros em franca maioria), que também opinaram sobre Donald Trump. Neste ponto, Bolsonaro está melhor que o presidente dos EUA, que conta com uma imagem favorável de apenas 18% dos formadores de opinião.

Tabaré Vásquez, do Uruguai, lidera a pesquisa, com 76% de imagem positiva, vindo a seguir Sebastian Piñera, do Chile (64%), Lenin Moreno, do Equador (59%) e Martín Vizcarra, do Peru (59%). A imagem menos favorável fica com Daniel Ortega, da Nicarágua, e Nicolás Maduro, da Venezuela, ambos com apenas 4%. Michel Temer, por incrível que pareça, conta com 22% que têm dele uma imagem positiva – índice bem distante da avaliação do povo brasileiro em geral, em que apenas 4% aprovam o presidente do Brasil.

A queda mais expressiva em relação a pesquisa semelhante feita em março deste ano ocorreu com Mauricio Macri, presidente da Argentina. Ele viu sua imagem positiva desabar de 72% para 48%.

Uma visão geral da pesquisa da Ipsos permite deduzir que os entrevistados têm um perfil mais conservador. Presidentes tidos como de centro-esquerda ou de esquerda tiveram uma avaliação mais rígida, enquanto aqueles de direita ou centro receberam um certo afago. Diante deste quadro, a liderança de Tabaré Vásquez é ainda mais expressiva, assim como a desconfiança em relação a Bolsonaro.

 

Ouro branco

A Província (Estado) de Jujuy, no Norte da Argentina, fronteira com Chile e Bolívia, fica em uma região desértica e bem pobre. Mas a promessa do “ouro branco” – o lítio, essencial para as baterias, usadas em tudo, de celulares a carros – mobiliza o local.

O governo argentino planeja instalar na região fazendas de energia solar. Uniria a extração do metal alcalino com a produção de energia limpa.

 

Sem topete

Sobre a nota “Mais quatro anos de topete”, publicada na edição de ontem da coluna, Claudio Próspero lembra que a General Motors anunciou que vai cortar a produção de modelos com vendas fracas e demitir pessoal na América do Norte, diante de um mercado estagnado para sedãs movidos a gasolina, em uma reestruturação que vai levar mais investimento para veículos elétricos e autônomos.

Energia limpa não é exatamente prioridade do Governo Trump, que buscará em 2020 a reeleição.

 

Black armas

As vendas da brasileira Taurus cresceram 25% na Black Friday norte-americana, comparado ao mesmo período de 2017. O destaque foi a pistola modelo G2c. Desde o seu lançamento, já foram comercializadas mais de 1,4 milhão de unidades.

 

Placar

Quando as investigações sobre desvios e favorecimentos chegarão à Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro? Será interessante descobrir se era apenas coincidência que toda votação que envolvia interesses do setor de ônibus terminava em 45 x 6.

 

Rápidas

A Embrapa Solos vai celebrar o Dia Mundial do Solo, nesta quarta-feira, a partir das 9h, com atividades no Museu do Meio Ambiente do Jardim Botânico e em sua sede (são vizinhos), no Rio de Janeiro *** A 3ª Seção Regional do Ibracon realizará palestra sobre “Fraudes e Ética pós-Operação Lava Jato”, nesta terça-feira, das 9h às 11h. Informações: www.ibracon.com.br *** O coro Arte Canora se apresenta no Caxias Shopping nesta quinta-feira, a partir das 19h *** A M2Trade, especializada em comércio exterior, lança a EasyExpo, consultoria integrada para auxiliar as PMEs em todas as fases do processo de exportação *** O Instituto Cravo Albin (ICCA) e a Insight Comunicação lançam, dia 4, mais uma edição do Almanaque Carioquice, com dicas sobre comida, arte e passeios. A edição, inclusive em audiolivro, poderá ser acessada gratuitamente em www.almanaquecarioquice.com.br a partir de 5 de dezembro *** O Núcleo de Documentação e Pesquisa da Fundação Energia e Saneamento, que conta com o patrocínio da CTG Brasil (China Three Gorges Corporation), inaugura neste sábado sua nova sede em Jundiaí (SP). O local vai abrigar o maior arquivo histórico sobre energia do país e será aberto ao público.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLocaute estatal
Próximo artigoChile é exemplo para o quê?

Artigos Relacionados

Lei determina que estatais respeitem interesse público

Acionistas da Petrobras sabem que ela tem obrigações e bônus por ser de economia mista.

Plano B dos bilionários dos EUA

Fuga dos impostos, de Trump e dos bloqueios levam a dupla cidadania.

É a inflação, estúpido

Preços não dão trégua a Bolsonaro em ano de eleição.

Últimas Notícias

Previdência privada é pouco usada; 92% dependem de recursos do INSS

Mais da metade dos brasileiros gostaria de parar de trabalhar com 60 anos, mas só 28% acham que vão conseguir.

Brilhante comércio de cerejas entre a China e o Chile

Um total de 356.000 toneladas de cerejas foram exportadas do Chile durante a temporada 2021-2022, com 88% do total indo para a China, de acordo com a iQonsulting, uma empresa de consultoria, com sede em Santiago, capital do Chile.

Empresa chinesa construirá parque de ciências agrícolas em Paracatu

A Prefeitura de Paracatu, no estado brasileiro de Minas Gerais, assinou um acordo com uma empresa chinesa para abrigar um parque de ciências agrícolas, visando construir o maior centro sul-americano de pesquisa e desenvolvimento de sementes de soja e milho e da cadeia de suprimentos.

Criação de mais um monopólio privado regional

Recurso de petroleiros contra decisão do Cade sobre venda da Reman

Restrição do Fed pode impulsionar a saída de capital dos países da AL

Sinalizou uma política monetária mais restritiva em meio às expectativas de inflações mais altas