Amanhã é Dia do Biscoito. Setor exportou US$ 48,9 milhões até junho

Só no 1º semestre 30,5 mil toneladas de biscoitos brasileiros atingiram o mundo.

Nesta terça-feira é o Dia do Biscoito. Este alimento, presente em 100% dos lares brasileiros, ganhou popularidade devido aos atributos de praticidade, saudabilidade e conveniência. E não é só no Brasil que o biscoito é bem consumido, a categoria alcançou o número de US$ 48,9 milhões em exportações no 1º semestre de 2021. No total, houve 11,4% de crescimento em valor frente a 2020, representando um aumento em volume de 15,2% no mesmo período, somando pouco mais de 30 mil toneladas de produtos vendidos ao exterior, na comparação com o comercializado em igual período do ano passado (janeiro a junho).

O resultado é consequência do trabalho desenvolvido pelos empresários do setor em conjunto ao projeto setorial de fomento às exportações Brazilian Biscuits, Pasta and Industrialized Breads & Cakes, mantido pela Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), que há 20 anos busca oportunidades que aproximem as empresas do segmento de seus clientes e potenciais parceiros no exterior.

No Brasil estão os principais players do mundo na categoria de biscoitos. O país está entre os 20 maiores fornecedores globais de mais de 30 tipos de biscoitos, em sua maioria doces sem coberturas, classificados no mesmo NCM (código do Mercosul) 19053100. Destacam-se os biscoitos recheados nos seus mais diversos sabores, formatos e marcas, a categoria mais fabricada pelo Brasil.

Considerando apenas o segmento de wafers, o Brasil é ainda melhor no mercado externo, entre os 15 maiores exportadores do mundo. Os biscoitos wafers têm fortalecido a presença de marcas brasileiras no exterior porque é, ainda, uma categoria em desenvolvimento e oportunidades de expansão em diversos mercados, diferente do Brasil em que já está consolidada. Exploram-se diferentes formatos em sabores tradicionais como chocolate, morango e baunilha, além de sabores tropicais como limão, coco, abacaxi e maracujá e, ainda, amendoim e nozes.

De acordo com Claudio Zanão, presidente-executivo da Abimapi, apesar do cenário de instabilidade, com a pandemia e a atual situação econômica do país, além dos fortes impactos da crise no transporte marítimo global e a alta do preço da farinha, a desvalorização do real refletiu favoravelmente nas exportações da categoria de biscoitos.

“Nossa indústria é bastante competitiva no mercado internacional, favorecida pelo forte mercado doméstico posicionado como o 3º maior do mundo. Temos volume que garante abastecimento constante aos compradores em mais de 100 destinos anualmente – a categoria mais globalizada de nosso setor. Os estrangeiros sabem que os biscoitos brasileiros têm marcas com variedade de oferta, o que propicia o alcance de nossas empresas nos mais diferentes mercados, desde os países do Mercosul, nossos principais parceiros na categoria, até países do Oriente Médio como Iêmen, Omã, Líbia e Arábia Saudita”, ressalta Claudio Zanão.

Até o final deste ano, a Abimapi espera um crescimento médio de 15% a 10%, respectivamente em valor e volume. A expectativa é atingir a cifra de USD 100 milhões em faturamento e 60 mil toneladas a depender da estabilidade tanto cambial, quanto da logística com regularização de embarques e redução dos custos de frete internacional especialmente no transporte marítimo. “A Abimapi continuará as atividades virtuais, com Rodadas de Negócios e Webinars, com a expectativa de retomar uma forte agenda de eventos presenciais no exterior com a participação prevista em feiras de negócios dedicadas a marcas próprias em novembro em Chicago (EUA) e em dezembro em Amsterdã (Países Baixos), sempre em parceria com a Apex-Brasil e a Embaixada do Brasil em Haia, bem como o Consulado do Brasil em Chicago”, completa Zanão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

SP registra queda de 13% em mortes de trânsito ante setembro de 2020

Número de óbitos caiu de 455 em setembro do ano passado para 396 no mesmo período de 2021.

Dez anos após morte de Kadafi, Líbia sofre a pior crise humanitária

Em 2016, Obama chegou a reconhecer que seu pior erro foi não ter acompanhado de maneira efetiva o conflito após a queda do líder líbio.

Procedimentos contraceptivos têm queda na saúde suplementar

Pandemia impactou a realização de laqueaduras tubárias e o implante de dispositivos intrauterinos.

Últimas Notícias

Lei de Melhoria do Ambiente de Negócios no Brasil

Por Letícia Luzia de Sousa Ramos e Renata Homem de Melo.

Para 48%, recém-formados são os mais afetados no mercado de trabalho

Pesquisa feita com mais de 9 mil pessoas descobriu que 25% fazem parte da Geração Nem Nem, que não trabalha nem estuda.

SP registra queda de 13% em mortes de trânsito ante setembro de 2020

Número de óbitos caiu de 455 em setembro do ano passado para 396 no mesmo período de 2021.