AMAZONIZA-TE

Campanha tem como proposta lançar um ‘olhar’ para a Amazônia.

Após 20 anos de realização do primeiro Fórum Social Mundial em Porto Alegre, neste ano o FSM ocorre virtualmente entre 23 e 31 de janeiro de 2021. O evento se dá em paralelo ao Fórum Econômico Mundial de Davos, no qual os líderes de diversos países discutem de forma virtual, entre as diversas pautas, uma economia sustentável para a Amazônia com maior participação do setor público e privado, inclusive com a reativação de projetos por meio do Fundo Amazônia criado em conjunto com governos estrangeiros.

O FSM tem por finalidade reunir a sociedade civil em espaços temáticos e atividades para propor ações para outro Mundo Possível. Enfatiza a importância da organização e da diversidade na política e para a democracia visando a sustentabilidade da vida no planeta. Pessoas jovens, afrodescendentes, mulheres, diferentes vozes e atores de vários países expõem a necessidade de diálogos e participação da sociedade civil.

AMAZONIZA-TE é uma campanha promovida no FSM de 2021 com a proposta de lançar um “olhar” para a Amazônia, aprender com seus povos e denunciar as violações da vida humana e a exploração dos territórios. Visa sensibilizar a opinião pública nacional e internacional por meio de entidades civis e religiosas para dar visibilidade à violência crescente, promover a defesa do território e a preservação dos recursos naturais. A campanha (amazonizate.org) importa ainda em reconhecer a luta dos povos da Amazônia. A atividade pode ser vista na seguinte plataforma: youtube.com/watch?v=XMn0DHlI5Do

AMAZONIZA-TE relata a continuidade do processo de violência institucional na região amazônica, a exemplo do massacre de Pau D’Arco em 2017, no qual 10 camponeses foram mortos em ação policial e que culminou com o recente assassinato de um dos sobreviventes e testemunha do fato, o trabalhador rural Fernando dos Santos Araújo, morto tragicamente em 26 de janeiro. Até o momento também não houve a apuração de outro massacre no Rio Abacaxis que resultou, em agosto de 2020, com a morte de indígenas e ribeirinhos e também envolvendo policiais militares.

Foi destacado que continuam as táticas de criminalização manipuladas por grandes grupos econômicos que se instalam para exploração da terra. Essas “táticas” tentam e não raras vezes conseguem deslegitimar as lutas travadas pelas comunidades e suas lideranças, pois distorcem os fatos criando narrativas próprias muitas vezes endossadas pela mídia e pelo próprio Estado-Juiz.

Apresentaram-se estatísticas dos conflitos crescentes e cada vez mais violentos na região, especialmente em função da corrida de grandes empresas para implantação de hidrelétricas, exploração de minérios e instalação de garimpos, que impactam a terra, os rios e a biodiversidade. Em geral a consecução de grandes projetos econômicos na Amazônia não precede de um diálogo ou repartição de benefícios com as comunidades envolvidas. Além disso, desestrutura a organização dos povos tradicionais e usos ancestrais da terra e o aproveitamento sustentável de suas riquezas naturais.

Também não pode ser ignorado o descaso suportado pelos povos indígenas e comunidades tradicionais na pandemia de Covid-19. Os problemas causados pela pandemia aumentam e revelam uma crise muito mais ampla do que temos conhecimento nas cidades. Muito embora vedado liminarmente pelo STF continuam, mesmo durante a pandemia, os despejos forçados de famílias instaladas na região. O comprometimento da saúde dos povos da Amazônia pela Covid 19 continua se propagando, especialmente por falta de barreiras sanitárias e de infraestrutura de qualidade na saúde pública.

Há 20 anos, no FSM realizado em Porto Alegre a sociedade civil, comunidades e povos tradicionais se comprometeram que um Novo Mundo é Possível. Agora, virtualmente, os mesmos atores buscam soluções sustentáveis para a Amazônia e para o mundo. Todavia, as vias do crescimento econômico da região amazônica não podem ser encontradas sem o necessário diálogo com as comunidades e povos tradicionais. Espera-se que essas vozes sejam ouvidas pelos líderes mundiais presentes no Fórum Econômico Mundial. O consenso sobre a necessidade de uma pauta conjunta e urgente para possibilitar o desenvolvimento sustentável na Amazônia não pode ser adiado. AMAZONIZA-TE, não é uma simples palavra, é uma forma de novos consensos, ações e entendimentos.

Leia mais:

Meio ambiente e solidariedade intergeracional

Cresce o número de barragens sem estabilidade no governo Bolsonaro

Ana Rita Albuquerque
Doutora em direito civil pela UERJ.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Plano B dos bilionários dos EUA

Fuga dos impostos, de Trump e dos bloqueios levam a dupla cidadania.

Setor automotivo em ritmo de recuperação

Resultados seriam ainda melhores se não houvesse restrição de semicondutores.

Resolução do Conama sobre qualidade do ar deve ser revista

Órgão deverá editar, em 24 meses, uma nova regulamentação.

Últimas Notícias

Gastos com delivery subiram 24% em 2021 ante 2020

Cada brasileiro gastou, em média, R$ 16,21 por refeição fora do lar.

Exportação de sucata ferrosa cresceu 43% em abril

Preços se acomodaram; após pressão forte no mercado em função da guerra e da China, tendência é de normalização no Brasil.

Correspondentes bancários são punidos por irregularidade em consignado

Sidney: 'assédio comercial leva ao superendividamento do consumidor; isso não interessa a ninguém, nem ao consumidor nem aos bancos'.

Inadimplência cresce e atinge 61,94 milhões de brasileiros

Número de inadimplentes no país teve crescimento de 5,59% em comparação a abril de 2021; média das dívidas é de R$ 3.518,84.

Inflação permaneceu elevada em todas as faixas de renda em abril

Variação foi entre 1% para famílias de renda mais alta e 1,06% para mais baixas; dinheiro é maior preocupação de três em quatro brasileiros.