‘America’s vote’

A entrevista que o jornalista John Pilger fez com o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que se encontra refugiado na Embaixada do Equador em Londres, coloca mais lenha na fogueira da eleição norte-americana. Assange garante que os e-mails publicados sobre Hillary Clinton – especialmente os de John Podesta, chefe da campanha da democrata – reforçam as ligações entre a ex-secretária de Estado e a fundação do Estado Islâmico (EI). Uma das mensagens de Hillary a Podesta afirma que o EI foi fundado pelos governos da Arábia Saudita e do Catar – a versão oficial é que o grupo terrorista teve apoio de alguns príncipes sauditas, não do Estado. Enquanto isso, com a hoje candidata à frente do Departamento de Estado, a Fundação Clinton recebia polpudas doações dos dois países. À época, teria sido feita a maior venda de armas dos EUA à Arábia.

Os e-mails publicados pelo WikiLeaks atingem também a administração Obama. Uma das mensagens de Podesta sustenta que metade do gabinete do atual presidente, no primeiro mandato, foi nomeado a partir de uma lista apresentada por um representante do Citibank.

Na Europa, a direita está histérica com a possibilidade de vitória de Donald Trump. Mas é difícil nutrir esperanças de que o republicano enfrentará Wall Street e a indústria bélica. Uma pequena correção de rumo seria tolerável, mas uma mudança mais séria não aparece no horizonte. Não seria o primeiro candidato a ser enquadrado quando tomasse posse. Como diria o Barão de Itararé, de onde menos se espera… daí mesmo é que não sai coisa alguma.

‘Defensivos fitossanitários’

Nesta terça-feira, às 14h, especialistas discutirão na Câmara dos Deputados a flexibilização da Lei de Agrotóxicos, debatida na Comissão Especial do PL 6.299/2002. Segundo instituições como Abrasco, Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida, Idec, a proposta visa extinguir a atual lei, abrindo ainda mais as portas do Brasil – o maior consumidor mundial de pesticidas – para essas substâncias.

Dentre as propostas em debate, estão a retirada do poder de veto da Anvisa e do Ibama no processo regulatório, a centralização de todas as decisões regulatórias no Ministério da Agricultura e a mudança no termo “agrotóxico” por “defensivos fitossanitários”.

Fogo no posto

A Refinaria de Manguinhos divulgou nota em que acusa o Sindicom, sindicato das distribuidoras de combustíveis, de tentar esconder a cartelização de preços no setor. “Como explicar que num país em crise econômica a Petrobras tenha aumentado os lucros dessas distribuidoras enquanto ela perdia mais de R$ 60 bilhões? Ao mesmo tempo em que as distribuidoras, meras intermediárias do processo, aumentaram seus lucros, a Petrobras amarga os maiores prejuízos de sua história.”

Manguinhos bate pesado: “Shell, Ipiranga e Ale, empresas que se escondem por trás do pseudônimo ‘Sindicom’, controlam os preços dos combustíveis. E combinam entre si não competir para garantir seus lucros, da ordem de bilhões de reais por ano.”

E tome denúncia: “Como nova estratégia de impedir a competitividade, as empresas do Sindicom estão alugando quase todo o espaço de armazenagem no Porto de Santos, mesmo para não usar. Apenas para impedir que as empresas que não participam do esquema importem combustíveis e perturbem sua farra.” Manguinhos garante que atrapalha o acerto, ao oferecer combustíveis a preços mais baixos.

A Refinaria não é santa na história. É acusada de usar uma série de artifícios para escapar de impostos e, assim, vender combustíveis mais baratos. A defesa da empresa é que “trava disputas judiciais porque tenta quitar parte de seus débitos através da compensação com créditos a receber, que os Estados foram condenados a pagar a partir de decisões judiciais transitadas em julgado.”

E finaliza: “O Sindicom precisa destruir Manguinhos para preservar seus lucros ilegítimos.”

Trabalho em destaque

Trabalho digno e seguro” é o tema do 34º Encontro Nacional dos Auditores-Fiscais do Trabalho – Enafit, que está ocorrendo no Rio de Janeiro, no Hotel Windsor Atlântica, realizado pelo sindicato nacional da categoria (Sinait). Nesta terça, à tarde, será realizada a VIII Jornada Iberoamericana de Inspeção do Trabalho. A festa de encerramento será em ritmo de samba, na quadra da Vila Isabel. Confira a programação completa em http://www.enafit.com.br/?r=site/programacao

Rápidas

A ABRH-RJ vai reunir nesta quarta, no Senac Botafogo, executivos para debater os principais pontos que envolvem o processo de seleção em uma empresa. Participarão executivos da Coca-Cola, Globosat e Farmoquímica *** “As cópias no futuro: os desafios que surgem com as impressões 3D e o crescimento das parcerias como possível solução para esses e outros tipos de cópias” será o tema abordado por Fabiano Bem da Rocha, sócio do escritório Kasznar Leonardos Advogados, durante o I Seminário Internacional de Direito da Moda. Promovido pela OAB-RJ, o evento acontece nesta terça e quarta, no Rio.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais