Amigos, amigos…

Por mais que tentou, o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, não conseguiu disfarçar um certo ar de decepção com o PAC, que deixou de fora obras fundamentais para o estado, como a Linha 3 do Metrô e a usina nuclear de Angra 3. Apesar do alinhamento com o Governo Lula, sobraram apenas investimentos já previstos, a maioria bancados pela Petrobras e definidos ainda no governo anterior.

Acelerar o PAC
Embora envolva áreas variadas, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), anunciado pelo governo, pode ser resumido a uma tentativa de conciliar medidas de reativação da economia – como redução de impostos sobre a produção e, principalmente, a flexibilização do garrote fiscal – com a manutenção e o aprofundamento do modelo que mantém o país estagnado já há década e meia, como a tentativa de institucionalizar a contenção de gastos públicos. Traduzido em sigla, tão ao gosto de marqueteiros, poderia ser rebatizado de PAFC (Programa que Acelera e Freia o Crescimento).
A medida mais positiva, sem dúvida, é a redução do superávit primário em micro 0,5 ponto percentual. Ainda que tímida e insuficiente para garantir desenvolvimento à altura da capacidade e das necessidades do país, corresponderá à liberação de cerca de R$ 10 bilhões, que, de outra forma, seriam esterilizados no pagamento de juros. Mais significativo do que canalizar para a produção o equivalente à queda de 2,5 ponto percentuais da taxa básica de juros (Selic) é remover, mesmo em dose homeopática, um dos principais dogmas do modelo de paralisia econômica.
No entanto, ao manter intocável a distribuição de renda, o PAC caminha para a mesma armadilha que, no passado e com planos bem mais ousados e expansionistas, fez o crescimento entrar em processo de esgotamento. Ou seja, sem mercado interno forte, um país continental, como o Brasil, não tem como manter o Produto Interno Bruto (PIB) crescendo de forma consistente e transformar crescimento em desenvolvimento.
Com todas limitações, porém, o PAC significa que, com quatro anos e um mês de atraso, o Governo Lula parou de dar marcha à ré para engatar a primeira. Falta, agora, garantir combustível ao PAC. E as melhores fontes de abastecimento ao alcance são a queda para valer dos juros e a redução sistemática do superávit primário, que, com o lançamento desta segunda-feira, perdeu a condição de dogma virginal.

Sumiço
É muito comentada nos corredores da Universidade de São Paulo (US) a história de um concurso de teses sobre energias renováveis, para o qual o Instituto de Energia daquela universidade foi convidado a apresentar dois trabalhos. Apresentaram-se dois concorrentes, um professor e um doutorando. Na hora de enviar os trabalhos à fundação promotora do concurso, porém, o trabalho do doutorando sumiu.

Aedes
Cerca de 60 agentes de endemias da Secretaria de Saúde de Duque de Caxias (RJ), estarão, entre os dias 24 e 25, auxiliando os agentes da cidade no combate à dengue. Em Caxias, o trabalho continuará sendo realizado todos os dias, inclusive nos fins de semana, por cerca de 650 agentes. A mesma ação já foi realizada em Magé este mês. Os municípios foram escolhidos para evitar que haja um surto da doença na Baixada Fluminense, afirmou o presidente do Consórcio Intermunicipal de Saúde da região (Cisbaf), Oscar Berro. Magé e Queimados são os municípios com os maiores índices de infestação do mosquito aedes aegypti, transmissor da doença.

Memória
O acervo particular do coronel Alzir Nunes Gay, colaborador do general Figueireido, poderá ser vista esta semana, no Rio. A família do falecido coronel abre as portas de sua mansão no Recreio dos Bandeirantes – pela última vez, pois a casa dará lugar, no final deste mês, às obras de um prédio de luxo – e expõe peças de arte, livros e documentos. Tudo estará em leilão, a partir desta quarta-feira – inclusive itens da casa, como portas e louças. Informações pelo telefone (21) 2539-2637.

Turismo
A Prefeitura de Caxambu, Sul de Minas, inicia no próximo dia 30 programa de capacitação turística. Segundo o prefeito Isaac Rozental, serão treinados charreteiros, motoristas de taxi, empregados do Parque das Águas e professoras do ensino fundamental. A empresa Planet Work e o professor Bayard Boiteux ministram o curso, que terá três módulos, até junho de 2007.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Construção da P-80 ‘exporta’ 395 mil empregos

Candidatos defendem volta do conteúdo local e fazer reparos de embarcações no Rio.

Europa admite 2 pesos na crise na Ucrânia e em Gaza

Cinismo típico da mentalidade colonial

Petróleo sob disfarce de direitos humanos

China descobre grande reserva na Região de Uigur, alvo das ‘preocupações’ dos EUA.

Últimas Notícias

Bares e restaurantes tiveram o maior faturamento do ano em julho

Segundo associação do setor, 32% dos estabelecimentos operaram com lucro no período, enquanto 41% tiveram equilíbrio.

China aprofunda cooperação agrícola pela segurança alimentar global

Quando os ventos sopram a exuberante fazenda de trigo que se estende por cerca de 300 hectares no noroeste do Zimbábue em agosto, é difícil acreditar que essa terra fértil era estéril há uma década.

Câmara do Rio cassa mandato de Gabriel Monteiro

Vereador foi julgado por quebra de decoro parlamentar.

ODI não financeiro da China sobe 4,4% de janeiro a julho

O investimento direto não financeiro (ODI, sigla em inglês) aplicado pela China no exterior atingiu 424,28 bilhões de yuans nos primeiros sete meses do ano, um aumento anual de 4,4%, mostram os dados oficiais nesta quinta-feira.

Número de inadimplentes subiu 4,8% no acumulado do primeiro semestre

Cartão de crédito é responsável por mais de 80% dos brasileiros endividados.