“Amor com amor se paga

e medida por medida”
(W. Shakespeare, 1564-1616, em Medida por Medida, Ato V)

É possível medir o tamanho da responsabilidade social de uma empresa-cidadã? O trabalho realizado por uma empresa comprometida com a responsabilidade social pode ser expresso por números e por exemplos. No Brasil, o balanço social é uma ferramenta valiosa para medir a importância que uma empresa atribui aos seus projetos ambientais e comunitários. Números, no entanto, podem ser usados para revelar a verdade ou para escondê-la.

O balanço social passou a ser mais conhecido a partir de 1997, apesar de já ser balzaquiano, uma idéia presente no Brasil há mais de 30 anos. Em 97, o sociólogo Betinho lançou as bases deste modelo e conseguiu a parceria de instituições como a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Firjan, o Banco do Brasil e outros.

O modelo brasileiro de balanço social, que hoje se encontra em processo de aperfeiçoamento, através de uma ampla parceria entre o IBASE, o Instituto Ethos e usuários do método, é constituído de indicadores sociais internos, externos e ambientais, dos quais são apurados índices calculados sobre uma base, composta de receita líquida, folha de pagamentos e resultado operacional. Além disso, integram o balanço social informações sobre o corpo funcional, como admissões, empregados negros, mulheres, portadores de necessidades especiais, informações sobre impostos e encargos sociais.

Quem já viu um balanço social de empresa ? Esta é uma das dificuldades que a visibilidade das empresas-cidadãs enfrenta. Nem todas apuram o balanço social e muitas das que apuram não publicam. Outras ameaças assombram este ideal. Para muitos, a obrigatoriedade de apurar ou publicar o balanço social poderia torná-lo mais uma formalidade a ser observada pelas empresas, com prazos, fiscalizações e outros ônus, além dos já existentes.

Alguns, que defendem a obrigatoriedade, argumentam que se o cinto de segurança não fosse obrigatório, as pessoas não o utilizariam. Ponto para os fabricantes de cinto. Mas de que adianta usar o cinto obrigado, sem estar sensibilizado para a segurança no trânsito, se o motorista excede os limites de velocidade ? Ponto para os ortopedistas.

Outras ameaças existem, como a de prevalecer nossa vocação cartorial e alguma profissão se achar a dona do balanço social. Aí, inevitavelmente, as empresas conheceriam um novo ônus, o de ter que contratar profissionais que estejam preocupados com uma reservazinha de mercado e não preocupados com a ética ou com a cidadania empresarial.

Se os números podem ser usados para revelar tanto quanto para esconder, os exemplos são mais resistentes às dissimulações. Parte do balanço social é representada pelos projetos internos, de benefícios aos empregados, e pelos projetos comunitários, sociais ou ambientais, empreendidos pelas empresas-cidadãs. Estes podem ser muito complexos ou muito simples. Originais ou tradicionais. Caros ou baratos. O mais importante é o impacto que proporcionam à sociedade, fazendo os seus benefícios transbordarem os limites da própria empresa.

Importante a empresa-cidadã se cercar de profissionais que facilitem uma visão ampla do alcance dos seus projetos sociais. Se o seu foco de desempenho social é a educação, por exemplo, é muito importante ouvir profissionais ligados à educação que opinem sobre a qualidade dos projetos educacionais realizados, para obter a máxima produtividade do seu investimento neste setor. Importante também fazer o planejamento estratégico do seu desempenho social e da correlação deste com os negócios da empresa.

QUALIDADE DE EMPRESA-CIDADÃ
O Banco Itaú criou, em 1993, o Programa de Apoio Comunitário, hoje Programa Itaú Social, apoiando projetos de interesse comunitário, prioritariamente, os de ensino fundamental e saúde. O Projeto Raízes e Asas, parte deste programa, já atendeu mais de 40 mil escolas em diversas regiões do país, através de doações de material didático e de formação de parcerias com entidades públicas e privadas para apoio.

ATÉ A PRÓXIMA
Você faz idéia do que é um seqüestro de projeto social? Quarta-feira que vem conversaremos sobre isso. Até lá.

Paulo Márcio de Mello
Professor e diretor de Planejamento da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Correio eletrônico: paulomm@alternex.com.br

Paulo Márcio de Mello
Servidor público professor aposentado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

Artigos Relacionados

Aqui se faz. Aqui se pega

Maior rigor de municípios no distanciamento social não resultou em desempenho econômico inferior.

Ngozi Okonjo-Iweala

Primeira mulher a assumir a diretoria-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Vacina, sim!

Cristaleira supera antigos desafios e encara ritmo de crescimento ‘chinês’.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.