Ampliação das fontes renováveis na matriz energética

A Comissão de Infraestrutura (CI) aprovou nesta terça-feira um projeto de lei do Senado que insere a ampliação das fontes renováveis na matriz energética nacional entre os objetivos de políticas públicas. Se não houver recurso ao Plenário, a matéria (PSL 712/2015 seguirá para a Câmara dos Deputados.
O texto foi apresentado em 2015 pelo então senador Cristovam Buarque e teve como relator o senador Lasier Martins (Podemos-RS). A matéria modifica a Política Nacional sobre Mudança do Clima (Lei 12,.187, de 2009). O aumento da participação das fontes renováveis na oferta interna de energia deve se dar a partir de ações como: utilização de tecnologias de baixo impacto de carbono, redução das emissões de combustíveis fósseis, introdução competitiva de energias renováveis e maior eficiência energética.
Segundo a Agência Senado, o projeto original previa um incremento mínimo de 60% das fontes renováveis na matriz brasileira até o ano de 2040. O relator, porém, argumentou que essa meta seria excessivamente ousada.
“Elevar esse percentual já a 60%, como proposto no projeto, excede a capacidade técnica e tecnológica do país de alcançar a meta e pode onerar a oferta interna de energia”, afirmou Lasier Martins.
Em vez de fixar uma meta, o relator delegou a atribuição à Empresa de Pesquisa Energética, estatal vinculada ao Ministério de Minas e Energia e responsável pela elaboração do Plano Nacional de Energia (PNE). O PNE mais recente, publicado em 2013, contém análises até o ano de 2050.
Outro dispositivo do substitutivo insere na Política Nacional sobre Mudança do Clima uma definição técnica para o termo “oferta interna de energia”, que passa a ser entendia como a soma do consumo e das perdas no armazenamento, na transformação e na distribuição. O texto original trazia uma definição mais genérica, que foi alterada para seguir o consenso internacional sobre o termo.
O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) apresentou um voto em separado que recuperava o texto original de Cristovam Buarque. Para ele, a meta de 60% “não é apenas factível”. “É mais do que isso. É uma meta necessária”, justificou Contarato. Como o parecer de Lasier Martins foi aprovado pela comissão, o voto em separado não chegou a ser apreciado.

Leia também:

Importação de gasolina cresce 119% em um ano

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.

Taxação de refrigerantes é aprovada em comissão do Senado

Senadores querem aumentar a taxação como forma de combater obesidade infantil e diabetes.

Reduzir alíquota de ICMS não aliviará preço de combustíveis

Política equivocada do governo pode levar a falta de diesel.

Últimas Notícias

Solidus Aitech arrecadou mais de US$ 10,5 mi de fundos com tokens

Serviço de computação de alto desempenho (HPC) quer 'democratizar a IA'.

Pão pita tradicional poderá ser feito em escala industrial

Novo sistema é capaz de produzir até 1.000 quilos/hora de pita.

Policiamento reforçado em terreiros de umbanda e candomblé de Itaboraí

Terreiros foram ameaçados por pastor evangélico em show gospel.

Rodoviária do Rio inicia a 24ª Campanha do Agasalho

Desde a 1ª edição, em 1999, quase 1 milhão de peças já foram doadas.

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.