André Ceciliano se defende das acusações

Recursos pagaram parte da dívida que a Alerj tinha com o Estado por funcionários cedidos, prioritariamente Educação e Segurança.

Decisões Econômicas / 15:01 - 3 de set de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Acusado de fazer parte de um esquema para desviar parte do dinheiro economizado pela Alerj, o presidente da Casa, deputado André Ceciliano (PT), ocupou a tribuna do plenário esta semana para se defender. “Tenho a cabeça erguida. Vou continuar ajudando e defendendo o meu estado, dentro da legalidade. Para isso que fui eleito”, destacou Ceciliano. “Fiz questão de me pronunciar publicamente sobre os fatos ocorridos na sexta-feira passada. Falei aos deputados abertamente sobre as acusações levianas do ex-secretário de Saúde do estado, um delator, réu confesso, que diz que teríamos nos favorecido, inclusive financeiramente, de doações que o Parlamento fez ao governo no ano passado.”

André Ceciliano

Não escolhi ser deputado para dar mau exemplo’

Em sua defesa, diante dos demais deputados, no plenário da Alerj, André Ceciliano disse que nunca se reuni com o governador ou secretário de Fazenda para tratar da devolução dos duodécimos. “Como todos sabem, devolvemos, em 2019, R$ 422 milhões ao Tesouro Estadual. Desse total, R$ 106 milhões, citados pelo delator como recursos para a saúde, foram para pagar parte da dívida que a Alerj tinha com o Estado pelo ressarcimento de funcionários cedidos, prioritariamente da área da Educação, e para permitir a convocação de concursados da Segurança. Temos documentos que comprovam esses repasses em apoio ao Estado”, disse André Ceciliano.

 

Vereadores querem visibilidade

Os vereadores cariocas que fazem oposição ao prefeito Marcelo Crivella estão agradecendo aos deuses as denúncias contra ele de uso da máquina administrativa para constranger repórteres e entrevistados na porta dos hospitais. Ninguém esperava a essa altura uma oportunidade de aparecer com lições de moral nos telejornais de maior audiência do país e, com isso, conquistar votos. A ordem é colocar mais lenha na fogueira e esticar a crise na Prefeitura por mais tempo possível. Impeachment e CPI para apurar o caso estão na ordem do dia na Câmara Municipal do Rio.

 

Alerj discute implantação do 5G

A Escola do Legislativo (Elerj) deve realizar um workshop com representantes dos municípios fluminenses para que eles adequem as normas necessárias para a implantação do serviço de 5G para celulares. Essa foi uma das conclusões do encontro virtual do Fórum da Alerj de Desenvolvimento Estratégico do Estado do Rio, realizado no início da semana. O presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia da Alerj, deputado Renan Ferreirinha (PSB), acredita que para implementar essa tecnologia no estado será preciso diminuir a burocracia, melhorar a infraestrutura das torres de transmissão, diminuir os valores de outorga e melhorar os mobiliários urbanos.

Martha Rocha

Deputada define prioridades para vacinação

As vacinas contra o novo coronavírus ainda estão em desenvolvimento, mas a Alerj deve definir em breve uma escala de prioridade para a aplicação das doses no estado. Projeto de lei assinado pela deputada Martha Rocha (PDT), em tramitação na Casa, determina que os primeiros a serem vacinados serão as pessoas que estão nos grupos de risco: profissionais de saúde e segurança pública, idosos e pessoas com doenças preexistentes, nessa ordem. Em seguida virão professores, pessoas que atendem ao público e jornalistas. No fim da fila estão as pessoas saudáveis com menos de 60 anos.

 

Comissão do impeachment retoma trabalho

A comissão do impeachment do governador Wilson Witzel vai retomar o trabalho no ponto onde ele foi interrompido, com Witzel tendo três sessões para apresentar a defesa. Com isso, o governador tem até a semana que vem para se defender das acusações. O trabalho da comissão foi interrompido por uma liminar concedida ao governador, que foi revogada por decisão do ministro do STF Alexandre de Moraes. De acordo com o ministro, não houve irregularidade na formação da comissão da Alerj, como alegaram os advogados de Witzel.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor