Anfavea espera que 2022 seja um ano de recuperação

Restrição na oferta de componentes deve ser menor este ano que no passado.

No balanço sobre o ano de 2021, a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) registrou avanço de 11,6% na produção total de veículos leves e pesados no Brasil sobre 2020, com maior peso aos caminhões (alta de 74,6%) e comerciais leves (21,9%), puxados pelas picapes. No total, foram produzidas 2.248.253 unidades em 2021.

As vendas cresceram apenas 3%, segundo a associação. Os emplacamentos totais somaram 2.119.851 unidades. “Para este ano, a previsão ainda é de restrições na oferta por falta de componentes, mas num grau inferior ao de 2021, o que projeta mais um grau de recuperação”, afirmou Luiz Carlos Moraes (foto acima), presidente da entidade.

A Anfavea projeta vendas de 2,3 milhões de autoveículos em 2022, uma alta de 8,5% sobre 2021. Já na produção, a estimativa é de aumentar 9,4% este ano, para chegar a 2,46 milhões de unidades.

 

Empregos estáveis

As vagas diretas em fábricas de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus ficaram estáveis, com 101,1 mil empregados no ano.

“Temos uma indústria resiliente, que trabalhou de forma intensa para proteger seus funcionários nesses dois anos de crise, mitigar perdas e manter investimentos em produtos, dado que entramos em 2022 com uma nova e rigorosa fase do Proconve para veículos leves, que reduz ainda mais as emissões dos automóveis brasileiros”, ressaltou Moraes.

“Apesar das turbulências econômicas e do ano eleitoral, apostamos numa recuperação de todos os indicadores da indústria, que poderiam ser ainda melhores se houvesse um ambiente de negócios mais favorável e uma reestruturação tributária sobre os produtos industrializados”, concluiu o executivo.

Fábrica da PSA em Porto Real (foto divulgação PSA)
Fábrica da PSA em Porto Real (foto divulgação PSA)

Fusão de sucesso

O Grupo Stellantis, nascido no início de 2021, foi o maior destaque do ano no segmento automotivo na América do Sul. Com 22,9% de participação na região, as marcas de FCA (Fiat, Jeep e RAM) e da PSA (Peugeot e Citroën) somaram 811.600 veículos vendidos. Deste total, mais de 493 mil veículos são da Fiat.

O Brasil representou 635,5 mil veículos, e as marcas juntas responderam por 32% do mercado. A Fiat contribuiu com 431 mil veículos vendidos, o equivalente a 21,7% de participação de mercado. A marca está 125 mil unidades à frente do segundo colocado.

A Jeep somou mais de 148,7 mil unidades vendidas e 7,5% de participação. A Peugeot mais do que dobrou suas vendas em relação ao ano anterior, com 29,4 mil unidades e 1,5% de participação de mercado. A Citroën fechou o ano com 23,3 mil unidades vendidas e 1,2% de market share. E a RAM teve seu recorde de vendas no mercado brasileiro, com 2.759 unidades emplacadas e um crescimento de 87% em relação ao ano anterior.

Novo Jeep Renegade Trailhawk ( foto divulgação Stellantis)

Jeep expõe versão de novo Renegade

Em mais um spoiler antes do lançamento, a Jeep mostra um segundo teaser do novo Renegade, revelando o carro por completo na versão Trailhawk. O modelo, fabricado em Goiana (PE) e segundo mais vendido no Rio de Janeiro em 2021, agora exibe nova grade e faróis com DRL. Todas as versões terão motor turbo 1.3 de 185 cv com opção de tração 4×2 e 4×4. Não haverá mais motor a diesel.

Por dentro, o novo Jeep recebe central multimídia de 8,4” no painel, novos volante e quadro de instrumentos digital. Os bancos com o logotipo da versão Trailhawk possuem costuras em vermelho. A expectativa é que as primeiras unidades cheguem às lojas no início de fevereiro.

Novo Kwid (foto divulgação Renault)
Novo Kwid (foto divulgação Renault)

Renault revela novo Kwid

A Renault confirmou para 20 de janeiro o lançamento da nova geração de seu subcompacto Kwid, produzido no Complexo Ayrton Senna, em São José dos Pinhais (PR). Na linha 2022, o Kwid mantém os contornos da grade dianteira, com novos elementos, e faróis mais afilados, deixando a frente mais delicada. Atrás, basicamente as lanternas ganham novo desenho, e por dentro a Renault fez pequenos retoques.

A melhor novidade virá sob o capô: o Kwid herda o motor 1.0 de 82 cv usado no Sandero (upgrade de 12 cv em relação ao antecessor), enquanto a Renault se antecipa à obrigatoriedade e passa a oferecer no subcompacto o controle de estabilidade, conhecido pela sigla ESC, recurso que ajuda a manter o controle do carro em curvas fechadas ou em desvios bruscos.

Lucia Camargo Nunes
Economista e jornalista especializada no setor automotivo. [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Romênia e Moldávia: duas faces de uma mesma moeda?

Em alguns aspectos as duas produções se assemelham e, em outros, apresentam diferenças que poderiam até se complementar.

Mais um evento no Rio

Expectativa é receber cerca de mil empresas do setor de supermercados.

Ceciliano lidera mais uma frente em defesa do Rio

Governo Federal quer desviar térmicas para o Nordeste.

Últimas Notícias

Games: Brasil é um dos principais players de desenvolvimento

País está nessa posição pelo segundo ano consecutivo; maior mercado de games da AL, expectativa é ter movimentado US$ 2,3 bi em 2021.

JD.com acompanha sua receita líquida crescer 18% no primeiro trimestre

A gigante do comércio eletrônico da China, JD.com, observou sua receita líquida aumentar 18% ano a ano no primeiro trimestre deste ano, informou o China Securities Journal.

Romênia e Moldávia: duas faces de uma mesma moeda?

Em alguns aspectos as duas produções se assemelham e, em outros, apresentam diferenças que poderiam até se complementar.

JA Solar investirá RMB10 bilhões em expansão da capacidade de produção

JA Solar (002459.SZ), fabricante líder de produtos fotovoltaicos na China, planeja investir mais de 10 bilhões de yuans na expansão de sua capacidade de produção integrada, informou o jornal Shanghai Securities News nesta quinta-feira.

STJ decide se plano deve restituir o que não consta no rol da ANS

No início do julgamento sobre o caso, ministro Luis Felipe Salomão já havia se posicionado nesse sentido.