Anfavea teme que, após medida de Bolsonaro, montadoras prefiram México

O setor automotivo brasileiro, que defendia a renovação por mais três anos do sistema de cotas no comércio de veículos entre Brasil e México, disse, em nota, que o "temor não é em relação ao intercâmbio de produtos, mas quanto ao risco de que futuros investimentos das matrizes acabem indo para o México, em detrimento do Brasil – sobretudo de veículos de maior valor agregado". Ontem, o governo anunciou que passou a valer o livre comércio de veículos leves, sem a cobrança de tarifas ou limitação quantitativa, entre Brasil e México.

Em nota, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) afirmou que a renovação do sistema de cotas seria uma forma de "resguardar a indústria brasileira, que tem menor competitividade em relação à mexicana".

"Aquele país tem carga tributária menor, infraestrutura mais eficiente e maior escala, já que exporta para os EUA. Seria um prazo também para que os dois governos recém-empossados discutissem melhor as regras de origem das peças utilizadas na fabricação dos carros, que ainda gera muitas dúvidas nas montadoras", destacou a associação.

O fim do regime de cotas para veículos leves neste ano estava previsto em acordo firmado em 2015 pelos dois países. Desde ontem, também deixou de vigorar a lista de exceções, que previa regras de origem específicas para autopeças.

"O retorno ao livre comércio automotivo entre Brasil e México é passo importante para aprofundar o relacionamento comercial entre as duas maiores economias da América Latina", disseram, em nota, os ministérios da Economia e das Relações Exteriores, na terça-feira (19).

A partir de 2020, está previsto o livre comércio também para veículos pesados (caminhões e ônibus) e suas autopeças.

"Adicionalmente, o governo brasileiro tem grande interesse em ampliar o livre comércio com o México para outros setores, tanto industriais quanto agrícolas, com a inclusão de matérias sanitárias e fitossanitárias, facilitação de comércio e barreiras técnicas ao comércio, conforme compromisso assumido anteriormente nas negociações do Acordo de Complementação Econômica nº 53 (ACE-53)", diz a nota. "Dentro de uma dinâmica de abertura e de aproveitamento do pleno potencial das duas maiores economias da América Latina, o governo brasileiro pretende retomar as negociações para um acordo mais abrangente de livre comércio com o México, paralisadas desde 2017", ressalta.

Artigos Relacionados

Estoques de suco de laranja registraram queda de 20,5%

Se confirmada queda em 31 de dezembro será de 42% em relação às 471.138 toneladas reportadas no mesmo período de 2020.

Coronavírus já contaminou 16% da população da capital paulista

Levantamento mostra aumento de 2 pontos percentuais em relação a janeiro.

Arrecadação de impostos em janeiro somou R$ 180,221 bi

Segundo a Receita Federal, resultado foi influenciado por pagamentos atípicos e compensações tributárias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Bens duráveis: encomendas avançaram mais que o esperado em janeiro

Segundo analista, as revisões de dezembro foram altistas.

Coronavírus já contaminou 16% da população da capital paulista

Levantamento mostra aumento de 2 pontos percentuais em relação a janeiro.

Sem consenso, votação da PEC Emergencial é adiada para terça

Pesquisa revela que novo auxílio emergencial de R$ 200 não compensará a renda dos informais diante da atual pandemia no país.

IGP-M acumula inflação de 28,94% em 12 meses

Segundo FGV, taxa ficou em 2,53%, em fevereiro, após registrar 2,58% em janeiro.

Confiança do comércio tem leve alta em fevereiro

Segundo a FGV, é a primeira alta depois de quatro quedas consecutivas.