Análise empresas: Bahia Sul

Tem por objetivo a fabricação e a comercialização, no país e no exterior, de celulose de fibra curta de eucalipto e papel para imprimir e escrever, além da formação de florestas para uso próprio e venda a terceiros.
Os preços de celulose no mercado internacional no terceiro trimestre de 2000 passaram para o nível de US$ 690 por tonelada CIF, e foi este o preço praticado no quarto trimestre.
A produção nos nove primeiros meses de 2000 alcançou 443,5 mil toneladas (mais 1% em relação ao mesmo período do ano anterior), sendo 284,2 mil toneladas de celulose de mercado e 159,3 mil toneladas de papel.
As vendas no período alcançaram 453,1 mil toneladas (mais 1,3% em relação ao mesmo período de 1999). Desse total, 283,0 mil toneladas foram de celulose (84% exportados) e 170,1 mil toneladas de papel (41% exportados).
A receita líquida de vendas atingiu R$ 573 milhões nos nove primeiros meses de 2000 (mais 36% em relação ao mesmo período do ano anterior), com evolução de 1,3% no volume vendido e 35% de aumento no preço médio unitário em reais.
As despesas financeiras passaram de R$ 89,7 milhões em 1999, para R$ 71,5 milhões em 2000.
O lucro líquido até setembro deste ano alcançou R$ 174,8 milhões (prejuízo de R$ 57,3 milhões em 1999).
A geração de caixa operacional medida pelo Ebitda (lucro antes do resultado financeiro, impostos sobre a renda, depreciação, exaustão e amortização) alcançou R$ 346,6 milhões (mais 67% em relação ao mesmo período anterior).
A relação Ebitda / Vendas líquidas foi de 60,5% (49,5% em 1999).
A relação dívida líquida / Ebitda (anualizado) passou de um multiplicador 3,0 em 31/12/1999, para um multiplicador 1,7 em 30/09/2000.
O endividamento líquido foi reduzido de R$ 950 milhões em 31/12/1999, para R$ 792 milhões em 30/09/2000.
A empresa distribuiu aos acionistas um dividendo intermediário por conta do lucro apurado no primeiro semestre de 2000, no valor total de R$ 20,1 milhões.
A Bahiasul conseguiu reverter o quadro negativo que atravessou durante alguns anos, tendo como fatores decisivos para a mudança no quadro: uma eficiente administração de seus negócios, por parte de seus dirigentes, a recuperação de preços de seus principais produtos no mercado mundial e a nova realidade cambial do país. Ótima opção de investimentos.

Por Carlos Antonio Magalhães
Diretor da Sirotsky & Associados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Depois da tempestade, o alívio

Bolsas europeias tiveram a maior perda em dois meses, em meio à elevação dos temores com a situação da Evergrande e o clima de cautela.

Copom inicia sexta reunião do ano para definir juros básicos

Expectativa é que taxa Selic suba de 5,25% para 6,25% ao ano.

Arrumando a casa

Ontem, investidores buscaram proteção durante todo o dia, e as reações foram mínimas, exceto por pequena melhora no final dos pregões.

Últimas Notícias

Queiroga ficará em quarentena em NY

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, não volta por enquanto ao Brasil. O motivo não foi o gesto obsceno que fez com o dedo,...

Startup de inteligência artificial terá acesso ao hub de dados da B3

A 4KST, fintech de inteligência artificial, com foco em eficiência financeira, e a B3 anunciaram nesta terça-feira um acordo com foco em compartilhamento e...

BNDES: R$ 166 milhões para linhas de transmissão da Energisa Tocantins

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 166 milhões para a Energisa Tocantins Transmissora de Energia (Grupo Energisa),...

UE tenta expandir oportunidades no oeste da China

Nos primeiros oito meses de 2021, o volume comercial entre a China e a União Europeia (UE) aumentou 32,4% ano a ano. O volume...

Deputados querem venda direta de etanol aos postos

Em audiência pública da Comissão de Minas e Energia, realizada nesta terça-feira, deputados defenderam a aprovação da Medida Provisória 1063/21, que autoriza produtores e...