26.1 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 25, 2021

Anúncio de estímulos nos EUA traz alívio ao mercado

Os principais índices europeus fecharam sem direção única ontem. O avanço da Covid-19 continuou a gerar aversão pelo risco, deixando os investidores cautelosos. Como fator positivo, a produção industrial surpreendeu as expectativas, com elevação de 2,5%. Londres e Lisboa fecharam com queda de -0,13% e -0,69% respectivamente. Frankfurt ganhou 0,11%, Paris subiu 0,21%. Milão, apesar dos problemas políticos, teve alta de 0,43% e Madri avançou 0,18%.

O petróleo não suportou os temores referentes aos avanços da Covid-19 com elevação na China, Japão e nos países do ocidente, pressionando as expectativas referentes à demanda pela commodity energética. O WTI teve queda de 0,56%, a R$ 52,91. O Brent perdeu 0,92%%, em US$ 56,06.

Em Nova Iorque, os mercados fecharam de forma díspare, com os agentes olhando para os estímulos propostos pelos democratas e os riscos inerentes à Covid-19 em meio à votação do impeachment do presidente Donald Trump. O Dow Jones teve queda de -0,03%. O S&P 500 teve perda de -0,23% e a Nasdaq teve retração de -0,43%.

No Brasil, o principal índice da B3 sofreu com as expectativas negativas em relação ao avanço da Covid-19 no mundo, fazendo com que os agentes saíssem de ativos de risco. Além disso, existem todos os riscos inerentes ao país envolvendo as questões políticas e fiscais. O Ibovespa revê alta de 0,60%, a 123.998,00 pontos, e o dólar caiu -3,29%, a R$ 5,32.

Na Ásia, os mercados responderam de forma mista, com os agentes animados em relação à possibilidade de estímulos que serão feitos nos EUA, chegando a US$ 2 trilhões. Todavia, o avanço da Covid-19 continua no radar dos investidores. O Nikkei teve alta de 0,85%. Hong Kong teve elevação de 0,82% e Seul ganhou 0,05%.

O aumento dos focos de contaminação em províncias da China fez com que os indicadores do país tivessem perda. Xangai e Shenzhen perderam 0,91% e 1,39%, respectivamente.

Hoje, os mercados abrem operando positivamente, com a possibilidade do anúncio referente ao estímulo de US$ 2 trilhões para a economia dos EUA, trazendo a perspectiva de crescimento para economia global e amenizando os impactos gerados pelo avanço da Covid-19. O mercado também ficará atento aos pedidos iniciais por seguro-desemprego nos EUA.

No Brasil, o mercado tende a seguir o bom humor global, além da atenção em relação ao avanço da Covid-19 no país.

O Tesouro oferta LTNs com vencimentos para 2021, 2023 e 2024; NTN-Fs para 2027 e 2029; e LFTs para 2022 e 2027. A partir das 11h30, o Banco Central ofertará até 16 mil contratos de swap.

Na Europa, a agência Destats publicou a prévia do PIB em 2020 em relação ao ano anterior. O indicador é importante, pois será levado em consideração para a Zona do Euro. O último trimestre do ano de 2020 tende a não ter a mesma força em relação aos anteriores, principalmente por conta das medidas de distanciamento social devido ao aumento no número de casos da Covid-19.  Segundo a agência, a economia alemã deve perder 5,0% em relação ao ano de 2020.

Para a Zona do Euro, foi divulgada a declaração de política monetária. Em linha com o anúncio de Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu (BCE), sobre a permanência da política de estímulos e da continuação do programa do QE ao longo do ano, caso necessário (observando os riscos ocasionados pela pandemia e, consequentemente, dos confinamentos), o documento mostrou a preocupação dos agentes, apesar de parte dos riscos como a criação de vacinas e as eleições nos EUA terem se dissipado.

Nos EUA, o Bureau of Economic Statistics publicará o indicador de preços de bens importados e exportados. A expectativa é de que os preços dos bens exportados fiquem relativamente estáveis, saindo de 0,6% em novembro e indo para 0,5% em dezembro. Para os bens importados, o mercado projeta avanço de 0,6% no último mês do ano, contra 0,1% no ano.

Os pedidos por seguro-desemprego devem levar em conta a permanência da sensibilidade da atividade econômica americana, ainda fragilizada pelas medidas utilizadas para conter a Covid-19. Assim, o mercado espera que o indicador continue próximo dos 800 mil pedidos pelo benefício, chegando a 780 mil pedidos.

.

Nova Futura Investimentos

Leia mais:

Mercados ainda sem tração

Noticiário ruim acelera realizações na Bovespa

Artigos Relacionados

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.