34.6 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

“Apagão”

Maldade de um leitor dessa coluna: “Sabe qual é a diferença entre o Brasil comandado por FHC e o Titanic? É que este afundou com as luzes acesas.”

Equívoco
A auto-suficiência de petróleo é um equívoco político extraordinário para um país que tem reservas de tão curto prazo. A afirmação é do deputado federal Luciano Zica (PT-SP), em entrevista ao jornal do Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro. O deputado acredita que a política de privatização da Petrobras levaria o Brasil a uma situação parecida com a da Argentina, onde as reservas, ao invés de serem estendidas, estão sendo encurtadas porque são exploradas de forma predatória. Ex-diretor do Sindicato dos Petroleiros de Campinas e Paulínia, Zica lembra que a Agência Nacional do Petróleo (ANP) avançou além de suas já amplas atribuições e acabou legislando mais que o Congresso, tendo sido capturada pelos interesses privados. O deputado petista atribui à ANP a responsabilidade pela proliferação de um mercado clandestino de combustíveis. E lembra que, à época da criação da agência, em 97, ele brincava dizendo que era necessário colocar uma proibição constitucional para impedir que o presidente da República renunciasse para assumir a gerência da ANP. “Acho que por isso ele chegou a colocar o genro como diretor-geral da agência…”, ironiza Zica.

Festa
Apesar da crise internacional e da situação cambial, o presidente do Club Med para a América do Sul, Janyck Daudet, faz um balanço positivo dos resultados da empresa no primeiro semestre. Confiante no turismo brasileiro, a multinacional de origem francesa inaugura em novembro o village de Trancoso, na Bahia. Na próxima sexta-feira, ao lado da diretora de Marketing da rede, Sylvia Leimann, Daudet exibirá as imagens da maquete virtual do novo empreendimento, no estande da empresa – que tem como tema a música Vai rolar a festa, sucesso do pentacampeonato – na 30ª Exposição e Congresso da Associação Brasileira de Agências de Viagem (Abav), em Recife.

Só obrigações
Para economizar, a Embratel está oferecendo a seus clientes bônus de até R$ 20 para quem optar receber a conta pela Internet, ao invés da tradicional pelos Correios. O usuário do 21, porém, se surpreende com os termos que a Embratel coloca. Se aceitar, o cliente praticamente exime a empresa de qualquer responsabilidade, inclusive em falhas de segurança – que a operadora de telefonia admite que podem acontecer. Por outro lado, o usuário é obrigado a reconhecer que qualquer comunicação ou informação digital vale como prova. Detalhe: para obter os R$ 20, o cliente que não quiser a conta tradicional tem que optar também pelo débito automático; caso contrário, leva apenas R$ 10.

Meia contribuição
A Associação Nacional de Jornais (ANJ) entrega hoje, às 11h, ao secretário adjunto da  Secretaria de Estado de Comunicação do Governo, Luiz Aurélio Alzamora Gonçalves, documento sobre a política em relação aos anúncios classificados como de “Utilidade Pública” pelo governo federal. A ANJ recomendou aos associados oferecer desconto de 50% sobre o preço de tabela vigente à época da veiculação para este tipo de propaganda, entendendo, assim, que contribuirá socialmente, na mesma proporção que o governo federal. Parece, mas não é muita generosidade. Sem correr riscos, pode-se generalizar e dizer que todos os meios de comunicação brasileiros praticam descontos sobre suas tabelas. Para um grande cliente, como o governo federal, e para dar sua contribuição social, 50% é pouco.

Orientar
Para definir as suas ações publicitárias, o governo federal classificou quatro tipos de publicidade: legal, mercadológica, institucional e de utilidade pública. Esta última é a que “tem como objetivo informar, orientar, avisar, prevenir ou alertar a população ou segmento da população para adotar comportamentos que lhe tragam benefícios sociais reais, visando melhorar a sua qualidade de vida”.

Artigo anteriorPerna curta
Próximo artigoBola fora
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.