Apertem os cintos

Em artigo num jornal do Rio, o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE, Mauricio Tolmasquim, tranquliza a população: “O fato de as térmicas gerarem energia não é sinal de crise, de falta de investimento ou de falta de planejamento, mas uma indicação de que o sistema elétrico está funcionando de acordo com o previsto.” E continua: “Preocupante seria o contrário. Se as termelétricas, chamadas a operar, não o fizessem, por falta de combustível.” Não foi exatamente o que ocorreu?

Ondulações
O governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), ganhou mais munição na sua batalha para reduzir o valor das tarifas dos pedágios do seu estudo. Segundo estudo apresentado semana passada pelo Dieese, a arrecadação das seis concessionárias de pedágio do Paraná aumentou 354%, entre 1998 e outubro de 2007. Isto representa R$ 5,3 bilhões, em valores atualizados, resultantes das 27 praças de pedágio.
O total arrecadado pelas seis concessionárias saltou de R$ 165 milhões, em 1999, para R$ 750 milhões, em 2006, e devem alcançar R$ 828 milhões, em 2007, segundo dados da própria seção paranaense da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR).

O céu é o limite
Ainda segundo o estudo do Dieese, desde o início da cobrança nas estradas do Paraná, em 1998, a tarifa subiu, em média, 136%, até o fim de 2006. A tarifa que sofreu o maior aumento no período foi a da Ecovia (Curitiba-Paranaguá): 187%. Em 1998, a tarifa era de R$ 3,80, saltando para R$ 10,90, atualmente. O Dieese revelou também que, desde o início da cobrança do pedágio, as tarifas já eram bem maiores que os valores propostos pelas empresas que venceram o recente leilão de privatização das estradas da União. A média das tarifas das seis concessionárias paranaenses era de R$ 3, em 1998, contra R$ 1,10 das tarifas médias do leilão do governo Lula.

Renegociar é preciso
Diante dos dados, o secretário estadual especial de Relação com a Comunidade, Milton Buabssi, afirmou que o governo paranaense não pretende romper os contratos, mas rediscuti-los: “Esses contratos devem se colocar em condições melhores para a população, com a fiscalização do governo. Está havendo uma mobilização em todo o estado. Só assim a sociedade civil vai conquistar os seus direitos. A sua mobilização deve se estender aos bairros de Curitiba, com o engajamento de toda a população”, defendeu, numa referência, ao Dia Nacional de Luta contra o Pedágio, marcado para o próximo dia 5.

Carteira aberta
O senador Marcelo Crivella (PR-RJ) admite que a promotoria paulista abriu investigação por suposta remessa ilegal de dinheiro para o exterior. Diz, porém, que é falsa a acusação. Segund ele, parecer elaborado pela subprocuradora-geral da República, Claudia Sampaio Marques, e aprovado pelo procurador-geral, declara inexistir qualquer indício do envolvimento do senador no fato em investigação. “Tendo vivido mais de dez anos na África como missionário entre os pobres e doado mais de R$ 10 milhões em direitos autorais para o Projeto Nordeste, a única coisa da qual podem me acusar é de empobrecimento ilícito”, ironiza Crivella.

Marcos de Oliveira e Sérgio Souto

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRodada furada
Próximo artigoPara gringos

Artigos Relacionados

Qual a parcela de culpa da Ericsson no terrorismo?

Multi sueca é processada por pagar propina no Iraque que teria chegado ao Estado Islâmico.

BC eleva juros, mas inflação segue disseminada

Remédio errado a partir de diagnóstico equivocado.

Ainda é a economia

Redução dos preços coloca algum combustível na campanha de Bolsonaro.

Últimas Notícias

Burocracia bancária faz sete em cada 10 brasileiros perderem dinheiro

Já Pix alcança o segundo lugar no ranking de meios de pagamento aceitos pelo comércio eletrônico.

‘Americano’?

Por Eduardo Marinho.

Jô Soares, eterno em nossos corações e mentes

Por Paulo Alonso.

Microcrédito para taxistas será votado na terça

Projeto de André Ceciliano abre linha de até R$ 80 mil para renovar frota.

Safra de grãos deve ser de 271,4 milhões de t em 2021/22

Levantamento é da Conab; já queda nas safras leva à retração da Região Sul no primeiro trimestre.