Após listagem em NY, sede da JBS continuará em São Paulo

Empresa precisa esclarecer qual o beneficio para os acionistas brasileiros.

Acredite se Puder / 17:13 - 9 de dez de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A JBS enviou comunicado à Comissão de Valores Mobiliários informando que a listagem nos Estados Unidos não tem por objetivo tirar a sede da empresa do Brasil ou realizar alguma manobra no exterior para a “obtenção de benefícios tributários”. A companhia garante que a sede continuará em São Paulo. Além disso, mais uma vez a empresa informou que realiza estudos para listagem nos EUA dos seus ativos internacionais para obter uma estrutura de capital que lhe permita concorrer em condições de igualdade com seus competidores internacionais. Pelo visto, a JBS precisa esclarecer como são realizados esses estudos. Será criada uma nova companhia só com os ativos internacionais? Qual será a composição acionária desse empreendimento? Qual o beneficio para os acionistas brasileiros?

 

BNDESPar pula fora da Marfrig

A Marfrig informou que na OPA que será realizada, na oferta secundária será leiloada a participação de 33,74% que pertence ao BNDESPar na OPA. Na oferta primaria de ações a companhia pretende arrecadar R$ 3,3 bilhões. Recursos que serão destinados para quitar as dívidas da empresa.

 

Oi quer mais prazo

A operadora de telefonia Oi pediu à 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro que a supervisão judicial sobre as empresas só grupo não termine no dia 4 de fevereiro de 2020, quando a recuperação judicial do grupo completa dois anos. Em comunicado à CVM, adiantou que a medida não trará nenhuma mudança ao plano de recuperação judicial em curso. “O não encerramento da recuperação judicial permitirá que as empresas continuem a executar com transparência e estabilidade o seu plano de recuperação judicial e manterá as empresas Oi focadas na melhoria da qualidade voltada aos seus clientes.

 

Gol vai absorver a Smiles

Depois da guerra das maquininhas, não haverá a das empresas de fidelização. A Gol Linhas Aéreas comunicou a reorganização societária com a migração da base acionária da Smiles, e cada acionista poderá trocar ações ordinárias da Smiles por 0,6319 ações preferenciais da Gol e R$ 16,54; ou uma ordinária por 0,4213 preferenciais e R$ 24,80. Esse assunto será discutido na assembleia da Smiles marcada para 2 de março de 2020. Por causa disso, os analistas do Bradesco BBI esperam que as ações da Smiles tenham um rali de R$ 39 para R$ 40.

 

C&A dará alegrias?

Os analistas das maiores casas brasileiras de análise mostram otimismo em relação as ações da C&A. Em relatórios, os técnicos do Bradesco BBI, da XP Investimentos e do Morgan Stanley recomendam a compra da ação da varejista, a terceira maior de vestuário do Brasil, que após uma reestruturação interna e com a abertura de capital, terá mais investimentos e expansão das lojas, ficando atrás da Lojas Renner, mas com uma fatia de mercado quase igual à da Riachuelo. Os especialistas do Bradesco BBI acham que a C&A oferece uma combinação atrativa de crescimento acelerado, um escopo significativo para a melhora do lucro e, devido a isso, estabeleceram preço-alvo de R$ 24, o que representa um potencial de valorização de 35%. Os da XP projetam R$ 23, e os do Morgan, R$ 20.

 

Americanas abrirá mais 7 centros de distribuição

As Lojas Americanas e a B2W avançam na integração entre as lojas físicas e as vendas digitais e desenvolvem bem uma cultura de tecnologia comum, que poderá auxiliar na obtenção das metas das empresas, segundo os técnicos do Bradesco BBI, pois a Americanas pretende abrir mais sete centros de distribuição, elevando o total para 22 até o final de 2020.

 

Espanhol paga 20 vezes menos pelo especial

Levantamento do Banco Central mostrou que, mesmo com o tabelamento dos juros do cheque especial em 8%, o brasileiro pagará 20 vezes mais que um espanhol e 10 vezes mais que um português por esse tipo de empréstimo.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor