Após maior alta em 10 anos, propensão ao consumo das famílias em SP volta a cair

Dados da Fecomércio-SP ainda mostram um cenário pautado pela tendência ao consumo; confiança dos consumidores também cai em março

717
Varejo na Rua 25 de março (Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas)
Varejo na Rua 25 de março (Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas)

Após subir por seis meses seguidos, o Índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), que mensura a propensão ao consumo de médio prazo dos lares na cidade de São Paulo, voltou a cair (-1,7%), atingindo o patamar de outubro do ano passado [tabela 1]. Ainda assim, o indicador aponta uma tendência muito maior de ir às compras no futuro próximo do que o contexto de março de 2023, quando o ICF estava na casa dos 101 pontos (alta de 10,4%).

Segundo a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomércio-SP), já era uma queda esperada, uma vez que, em fevereiro, o ICF atingiu a pontuação mais alta em uma década (114,3 pontos). A curva ainda ascendente é reflexo, na leitura da Entidade, de fatores que têm dado a tônica da economia brasileira, como um mercado de trabalho aquecido, as seguidas reduções na taxa básica de juros (a Selic) e a desaceleração da inflação.

Se todos os sete itens que compõem o indicador caíram em relação a fevereiro, puxando o dado geral para baixo, o inverso aconteceu na comparação anual, em que subiram significativamente. É um sinal de que os lares percebem uma conjuntura mais favorável agora do que há um ano.

Assim, o item momento para duráveis, que mede a intenção das famílias em comprar esse tipo de produto no médio prazo, caiu 2,4% se comparado ao mês anterior, mas cresceu mais de um terço (35,5%) em relação ao desempenho de março de 2023. O mesmo acontece com o item nível de consumo atual, que retraiu 3,2% em relação a fevereiro, mas aumentou 16,5% no comparativo anual.

Espaço Publicitáriocnseg

O mesmo movimento foi observado no Índice de Confiança do Consumidor (ICC), que afere o otimismo dos paulistanos com o cenário econômico. Depois de chegar ao patamar mais alto em meia década, o ICC caiu 4,1% em março, na comparação a fevereiro – embora também permaneça em alta relevante (4%) em relação ao mesmo mês de 2023.

Ao contrário do ICF, os dois itens que integram o indicador caíram na comparação mensal, mas apenas um deles cresceu na análise anual. O Índice das Condições Econômicas Atuais (ICEA), que tem o papel de mensurar a situação atual dos consumidores em São Paulo, reduziu em 4,7% em relação a fevereiro, mas aumentou significativamente (19,8%) quando comparado a março de 2023. Já o Índice de Expectativas do Consumidor (IEC) ressecou nas duas comparações: 3,8%, no mensal, e 3,2%, no anual.

O ICC ainda aponta como as classes sociais observam a conjuntura de forma distinta: enquanto no recorte entre pessoas com renda familiar acima de 10 salários mínimos o indicador cresceu apenas 0,9%, no comparativo anual – ou seja, esse grupo mantém o humor sobre a economia que mantinha em março de 2023 -, a pontuação daquelas com renda abaixo desse montante cresceu 5,6%.

Esses números demonstram que os fatores centrais dos resultados do ICC de março foram impactados pela inflação, pelo emprego e, por consequência, pelo aumento da renda.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui