Após reabertura, lojas tiveram queda de mais de 70%

Consumidores estão cautelosos ou sem renda, afirmam lojistas de shoppings.

Conjuntura / 22:43 - 26 de jun de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A retomada das vendas em lojas físicas nos últimos 15 dias ficou abaixo das expectativas, de acordo com pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), entre 24 e 26 de junho com associados que representam 4 mil pontos de venda em todo o Brasil.

Na capital de São Paulo, 32% dos lojistas relataram que o faturamento caiu 90% em relação ao período anterior à pandemia. Para 41% dos lojistas, o faturamento ficou reduzido em até 80%, e 24% dos empresários registraram queda até 70%. No caso da capital, os dados já refletem o prejuízo do Dia dos Namorados onde o comércio teve apenas um dia de vendas nos centros de compra que estão abertos durante quatro horas por dia.

Os números não são muito diferentes fora da cidade de São Paulo: 35% dos associados informaram uma queda de até 80% no faturamento, seguido de 29% que registraram queda de até 70% nas vendas.

Em relação a taxa de conversão de clientes, ou seja, o número de pessoas que realmente concluem a compra, os dados foram ainda mais negativos. Dos lojistas entrevistados, 59% informaram que a taxa de conversão é muito inferior ao mesmo período antes da pandemia, fruto dos consumidores cautelosos ou sem renda.

Os prejuízos estimados estão em R$ 35 bilhões, e só na Grande São Paulo 10% das lojas não vão mais reabrir por falta de condições, o que irá aumentar o desemprego, além da queda da arrecadação”, reclama Nabil Sahyoun, presidente da Alshop.

A modalidade de venda online passa a contribuir com o faturamento mensal dos lojistas, mesmo que 41% dos associados afirmem que esse tipo de venda ainda não seja relevante. Por outro lado, 26,5% contam que as vendas online movimentam até 10% do faturamento, 23,5% mostram que a modalidade representa mais do que 20%, e 9% afirmam que representa até 20% do faturamento.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor