Após recuo nos preços em abril, gasolina e etanol voltam a subir

Ambos os combustíveis registraram preços acima dos valores por litro em março.

De acordo com o último Índice de Preços Ticket Log (IPTL), os preços médios da gasolina e do etanol voltaram a apresentar aumentos no início de maio. Os postos comercializaram a gasolina pelo preço médio de R$ 5,747, 0,85% acima do registrado no fechamento de abril. Já o etanol avançou 2,55% e foi encontrado a R$ 4,681.

Todas as regiões voltaram a registrar aumentos nos preços no início de maio. O etanol no Sudeste avançou com a taxa mais significativa, de 5,13%. Na Região Norte, mesmo com o menor aumento, de 0,37%, foi comercializado o litro mais caro de todo o território nacional, a R$ 4,820. O etanol mais barato foi encontrado no Centro-Oeste, a R$ 4,397.

Já a maior alta de preços da gasolina foi identificada no Sul, de 1,68%. Ainda assim, a região registrou o combustível mais barato, a R$ 5,523 o litro. O preço médio mais caro foi comercializado no Sudeste, a R$ 5,866. No recorte entre estados, São Paulo apresentou o maior aumento de preços do etanol, na comparação com o fechamento de abril, mas também o combustível mais barato do país, a R$ 3,957, alta de 8,20%. Já o Pará registrou o etanol de maior preço médio, a R$ 5,350.

Também no Norte, o Acre apresentou o maior recuo de preços do etanol, de 4,73%. Já o Amazonas registrou a maior redução no valor médio por litro da gasolina, de 2,88%.

A gasolina mais barata do país no início de maio foi encontrada em Santa Catarina, a R$ 5,301. Já o combustível de maior valor médio foi comercializado pelos postos acreanos, a R$ 6,273. O aumento de preços mais significativo foi registrado no Ceará, de 2,49%.

Na semana passada, a Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulgou nota manifestando preocupação quanto às discussões sobre a evolução compulsória do teor de biodiesel no óleo diesel comercializado no Brasil – atualmente a mistura está em 13%. Subscrevem o documento nove entidades que representam mais de 200 mil transportadoras, empresas produtoras, distribuidoras, importadoras e revendedoras, além de indústrias relacionadas ao consumo de diesel.

De acordo com a nota, a evolução prevista do percentual de mistura implicará maiores custos para o transporte de cargas e de passageiros, o que aumentaria os preços de produtos para toda a sociedade. Segundo o posicionamento, essa elevação também poderá provocar danos a máquinas e motores, diminuição da sua vida útil e baixa performance de equipamentos.

O documento informa ainda que, a partir de 2022, entrarão em vigor, no Brasil, novos limites de emissão de poluentes com a adoção de tecnologias veiculares mais modernas (Fase P8 do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores – Proconve), com as quais os altos percentuais elevados de biodiesel ainda não foram testados.

“Estudos recentes apontam que teores elevados de biodiesel promovem aumento das emissões de óxidos de nitrogênio, hidrocarbonetos e monóxido de carbono, com impactos negativos que afetam a saúde humana e o meio ambiente, além de elevar o consumo de combustível, gerando ainda mais emissões e custos adicionais que são transferidos a toda a população”, explica a nota.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Deputados querem venda direta de etanol aos postos

Em audiência pública da Comissão de Minas e Energia, realizada nesta terça-feira, deputados defenderam a aprovação da Medida Provisória 1063/21, que autoriza produtores e...

Lira e Pacheco querem limitar calote de precatório a ‘só’ R$ 49 bi

Mais da metade dos pagamentos ficaria para negociações não determinadas.

Site público expõe milhões de dados pessoais, CNPJs e placas

Vazamento pode ter partido de empresas de telecomunicações.

Últimas Notícias

Queiroga ficará em quarentena em NY

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, não volta por enquanto ao Brasil. O motivo não foi o gesto obsceno que fez com o dedo,...

Startup de inteligência artificial terá acesso ao hub de dados da B3

A 4KST, fintech de inteligência artificial, com foco em eficiência financeira, e a B3 anunciaram nesta terça-feira um acordo com foco em compartilhamento e...

BNDES: R$ 166 milhões para linhas de transmissão da Energisa Tocantins

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 166 milhões para a Energisa Tocantins Transmissora de Energia (Grupo Energisa),...

UE tenta expandir oportunidades no oeste da China

Nos primeiros oito meses de 2021, o volume comercial entre a China e a União Europeia (UE) aumentou 32,4% ano a ano. O volume...

Deputados querem venda direta de etanol aos postos

Em audiência pública da Comissão de Minas e Energia, realizada nesta terça-feira, deputados defenderam a aprovação da Medida Provisória 1063/21, que autoriza produtores e...