Após um ano, Elanco finaliza negócio de US$ 6,9 bi com a Bayer

Empresa tem novo executivo na unidade brasileira.

Mercado Financeiro / 23:21 - 3 de ago de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A norte-americana Elanco concluiu nesta segunda-feira a aquisição da divisão de saúde animal da Bayer. Além disso, a empresa anunciou o executivo Sérgio Schuler como diretor-geral da unidade da Elanco Saúde Animal no Brasil. O fechamento do negócio levou um ano e envolveu investimento de US$ 6,89 bilhões.

Fundada em 1954 como subsidiária da farmacêutica norte-americana Eli Lilly & Company, a empresa concluiu, no final de 2018, a abertura do seu capital na Bolsa de Valores de Nova Iorque (Nyse) e desde então vem operando de forma totalmente independente. A companhia tem cerca de 5.800 colaboradores, 125 marcas registradas e está presente em mais de 90 países.

Conforme a Reuters, no Brasil a Elanco ocupará o terceiro posto no mercado após a aquisição, com vendas líquidas pro forma de cerca de US$ 150 milhões por ano.

Anunciada em agosto do ano passado, a aquisição da unidade da Bayer criou a segunda maior companhia do mundo no setor. “Cada quinto frango no mundo é produzido no Brasil”, contou Schuler em entrevista à Reuters. “O Brasil é um mercado-chave.”

A combinação das empresas vai alavancar o posicionamento da Elanco na oferta de produtos veterinários para criações de animais, aliado à liderança da Bayer no mercado de animais de estimação.

Jeff Simmons, presidente e diretor-executivo da Elanco, disse em comunicado que a união entre Elanco e Bayer em uma empresa independente de saúde animal é desafiadora, citando “as mais significativas pandemias de saúde animal e humana do século: a peste suína africana e a Covid-19.”

Mas a doença suína, que é fatal aos porcos, mas inofensiva para humanos, guiou uma forte alta nas vendas de carne do Brasil para a China, depois que o país asiático foi obrigado a abater milhões de animais doentes e aumentar as importações de proteínas. Enquanto isso a produção e exportação de carnes suína e de frango do Brasil devem crescer em 2020, com frigoríficos locais mantendo operações durante a pandemia de Covid-19.

Estamos na cadeia de produção de alimentos, especialmente no Brasil”, disse Kuada em entrevista. “Enquanto as pessoas consumirem ovos, leite, queijo, carne de frango, o nosso negócio vai ficar mais estável.”

De acordo com comunicado da empresa, Schuler, que foi diretor da unidade de saúde animal da Bayer no Brasil por sete anos, substituirá Carlos Kuada, que assume o cargo de vice-presidente comercial sênior da Elanco na América Latina.

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor