Apoteose da não-política

O PT encolheu de 644 para 256 prefeituras de 2012 para este ano (ainda disputa sete no segundo turno). Mas o PSDB, que cresceu, não herdou este espólio. Passou de 701 para 793, menos de 25% do número perdido pelos petistas. O PMDB ganhou 12. O que se conclui é que, fora os pequenos ganhos do PSOL e de um ou outro prefeito do PSB que ainda pode ser chamado de esquerda, quem ficou com a parte do leão foi uma massa amorfa que, no Congresso, é chamada de Centrão. É um dos visíveis resultados da estigmatização da política e dos políticos.

Mas não só isso. É também um dos efeitos das alianças iniciadas por Fernando Henrique e seguidas por Lula. Em nome da governabilidade, pacto com partidos que mudam de nome e de dono ao sabor da necessidade e dos interesses imediatos. Abrigos de políticos locais, heterogêneos, não necessariamente ruins, embora o seja a maioria.

Ampla e irrestrita

O que é preocupante é que o Enem por escola demonstra o quanto o Brasil reproduz desigualdades, entre as privadas, entre as públicas. As escolas que vão bem, são escolas de elite”, diz o coordenador-geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara.

A pergunta é: são as escolas que vão bem ou a elite que vai bem? Os filhos da classe média-alta e da alta frequentam cursos extras de línguas, professores particulares, têm pais com formação universitária, que cobram o ensino formal. Se a escola pública não souber enfrentar a diversidade de seus alunos, vai apenas lamentar as notas baixas no Enem e a alta evasão. Ensinar a elite, com certeza, é mais cômodo.

Fome com a vontade de comer

Equilibrar as contas públicas, isso é governar com responsabilidade.” Com este slogan, o governo de Michel Temer deve colocar no ar, na próxima semana, uma campanha publicitária com a inglória tarefa de conquistar o apoio da população e do Congresso à proposta que cria um teto para os gastos públicos.

A campanha tem um efeito colateral: irrigar os caixas das grandes empresas de comunicação, a maioria delas com sérios problemas de solvência. Para publicidade, não parece existir teto. A Editora Globo, por exemplo, que edita a Época, viu seu quinhão na publicidade do Governo Federal crescer 586% de 2015 para 2016; se levada em conta a média diária, a alta ultrapassa os 900%, segundo elaboração do site O Cafezinho.

Estas contas abrangem somente a administração direta. A propaganda das estatais é contabilizada à parte. Na primeira semana após o impeachment, a Folha de S.Paulo convidou a diretoria da Caixa e do BB para almoços sucessivos. E o Estadão inventou um prêmio para as empresas mais admiradas. No segmento bancário, deu Caixa e BB na cabeça.

Chefes

Neste final de semana, a Época trouxe matéria de capa com muitas suspeitas e pouco de concreto sobre o pedido de aposentadoria da ex-presidente Dilma. De mais significativo, apenas que ela foi recebida na sala do chefe da agência em Brasília. Além de nada muito diferente do que ocorre no Distrito Federal, em que fila é para quem não tem proximidade com o poder, a deferência evitou tumultos como o que ocorreu neste domingo, quando Dilma votou em Porto Alegre.

Tudo legal

O que diria Sérgio Moro e a força-tarefa da Lava Jato se soubessem que um governo do PT gastou, entre 2010 e 2015, R$ 4,5 milhões na empresa de um correligionário; e que este petista foi escolhido para concorrer à Prefeitura da capital. Sendo um homem de posses, colocou R$ 2,6 milhões do seu bolso na campanha.

Moro e equipe logicamente suspeitariam de lavagem de dinheiro, uso indireto de verba pública para bancar a candidatura petista.

Troque-se o governo do PT por um tucano e o candidato por João Doria e a história – a do primeiro parágrafo – se torna real. Só que aí o pessoal da Lava Jato perderia o interesse.

Doria recebeu mais R$ 5,6 milhões de outros governos do PSDB.

Rápidas

A 5ª edição do Rakuten Expo, que acontece no Golden Hall – WTC, em São Paulo, no próximo dia 6, traz mais de 20 expositores e 30 palestras voltadas a marketing, inovação, gestão de lojas e soluções especiais para ajudar as PMEs do e-commerce a melhorarem as vendas. As inscrições ainda estão abertas em www.rakuten.com.br/expo *** Em 12 e 13 de novembro, o estúdio Alquimia Fotográfica, do fotógrafo Nando C.R.Guimarães, realizará um curso básico de fotografia para adultos e alunos da terceira idade. As aulas acontecerão sábado e domingo no Hotel Golden Park, na Glória, com aulas práticas no Museu da República. Inscrições pelo telefone (21) 99791-5897 *** São Paulo sediará em 24 e 25 de outubro, no Renaissance São Paulo Hotel, a oitava edição do Congresso TMA Brasil, evento relacionado à reestruturação e recuperação empresarial da América Latina. Mais informações em www.tmabrasil.org/congresso-2016 *** A Enel no Brasil vai participar da Feira de Estágios da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que acontece nestas quarta e quinta, no Campus da Praia Vermelha, na Urca, Rio de Janeiro *** O Caxias Shopping (RJ) realiza a Feira de Produtos Rurais, neste domingo, com alimentos cultivados de forma natural.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Reforma do IR trará impacto negativo para o caixa das empresas

O projeto de reforma tributária do Imposto de Renda aprovado na Câmara no início de setembro merece atenção especial do setor produtivo. O alerta...

A paz é o caminho

Por Paulo Alonso.

Setor farmacêutico ganha aliado para agilizar contratações

Farmácias e drogarias passaram a integrar o aplicativo Closeer, responsável por conectar empresas e trabalhadores autônomos. Oportunidades de trabalho no segmento devem crescer até...

Taxa de desemprego entre os mais pobres é de 36%

Queda em renda indica aumento na desigualdade durante a pandemia; jovens já são 42% dos empregos temporários no primeiro semestre.