Apropriação

Na segunda-feira, os governadores terão reunião com o ministro da Fazenda, Antônio Palocci, para cobrar o repasse de dinheiro para ressarcimento das perdas de arrecadação dos estados – devido à Lei Kandir – que deveriam ter sido liberados neste ano e estão retidos para bancar os juros mais altos do planeta. Além disso, será solicitada inclusão na previsão orçamentária de pelo menos R$ 9 bilhões para compensação no ano que vem. O total devido pela União a estados e municípios, em 2005, era de R$ 9,4 bilhões. Foram liberados apenas R$ 5,4 bilhões.

Roto & esfarrapado
O governo Lula tem gasto, em média, mais R$ 40 bilhões/ano com juros do que o governo FH o fez. O cálculo é de quem conhece a matéria, não apenas de ouvir dizer, mas de fazer: o PSDB. De acordo com estudo da assessoria técnica do tucanato na Câmara, Lula gasta 60% a mais do que FH torrou com pagamento de juros da dívida pública.
Sempre de acordo com cálculos do PSDB, os R$ 40 bilhões/ano que superam a gastança tucana seriam suficientes para construir cerca de 5,1 milhões de casas populares/ano, pondo, praticamente, fim ao déficit habitacional brasileiro, que as pesquisas estimam entre 5 milhões e 6 milhões de unidades. Com a sobra que restaria com o retorno ao padrão tucano pró-banca, também seria possível aumentar para 72 milhões o número de famílias atendidas pelo Bolsa Família.

Rei da banca
Utilizando estimativas do próprio governo Lula, o PSDB calcula que os encargos da dívida custarão ao país, este ano, 6,6% do produto interno bruto (PIB), ou cerca de R$ 127,1 bilhões. Se esse cálculo se confirmar, Lula se tornará o presidente que mais esterilizou dinheiro com juros desde o pós-guerra. O tucanato confessa que, na média dos oito anos do governo FH, a gastança com juros consumiu 3,69% do PIB, tendo recuado para 3,1% no último ano da gestão tucana, em 2002.
Já nos três primeiros anos da administração Lula dedicados a cevar a banca os gastos financeiros saltaram para 5,87% do PIB, em média. Isso significa, nos cálculos tucanos, que enquanto Lula “torra quase R$ 130 bilhões com juros”, os investimentos não chegam a 10% desse valor: apenas R$ 7 bilhões em 2004, quase a metade dos R$ 13 bilhões investidos por 65% das prefeituras brasileiras.

Estupra mas não mata
Além disso, alerta o PSDB, como dos R$ 127 bilhões previstos para gastos com juros este ano, a Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2005 prevê dotação de “apenas” R$ 110 bilhões, isso significa que o ministro Palocci e os seus devem desviar mais R$ 17,1 bilhões, via cortes em investimentos e custeio, para saciar os gastos com especuladores e rentistas. O estudo reafirma que, fora do governo, o tucano sabe detectar os efeitos sobre o país e a vida dos brasileiros provocados pelo aprofundamento da política herdada pelo PT. Ainda que reivindique, como atenuante, que o aprofundamento dela seja ainda mais pernicioso do que sua aplicação original.

Mãozinha
Antes dos seus, o governo deve agradecer à oposição chapa branca a eleição de Aldo Rebelo (PCdoB-AL) para a presidência da Câmara dos Deputados. Ao superestimar suas forças e fazer da deposição de Severino Cavalcanti (PP-PE) um cavalo de batalha, PSDB/PFL forneceram ao governo a chance de recompor minimamente sua base e eleger Aldo. Esse, porém, está longe de ser erro isolado nos cálculos eleitorais da oposição café com leite. Ao poupar a política econômica e restringir seus ataques à área política e moral do governo, tucanos e pefelistas querem impor ao eleitorado uma escolha de Sofia ou entre seis e meia dúzia. E, como demostra a história, entre o estabelecido e sua cópia, geralmente – e à falta de outras alternativas – se opta pelo primeiro, mesmo que a segunda se reivindique mais original.

Presente
O engenheiro Osvaldo Nobre, autor do livro Brasil: País do Presente, faz palestra nesta sexta-feira no Auditório da Escola Naval (próximo ao Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio), a partir de 13h30. Colaborador habitual do MM, Nobre apresentará aos militares alternativas para que o país retome seu destino de grande Nação.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHerança petista
Próximo artigoPrevisões tucanas

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...