Aprovação do Orçamento de 2021 entrará na reta final?

As duas próximas semanas serão decisivas para a aprovação do Orçamento de 2021. Nestas segunda-feira (5) e terça-feira (16), a Comissão Mista de Orçamento (CMO) deve votar os 16 relatórios setoriais que dão parecer sobre as emendas parlamentares. No domingo seguinte (21), o senador Marcio Bittar (MDB-AC) apresentará o relatório final sobre o projeto de lei (PLN 28/2020).

A votação da matéria na CMO e no Plenário do Congresso Nacional está marcada para os dias 23 e 24 de março. É esperado que não ocorra adiamento. Da aprovação estão relacionadas uma séria de medidas destinadas ao enfrentamento da pandemia, como a antecipação do13° dos posentdos e pensionistas do INSS, a exemplo do que ocorreu no ano passado.

Senadores, deputados, bancadas estaduais e comissões permanentes apresentaram um total de 7.133 emendas ao Orçamento Geral da União. O valor solicitado supera os R$ 47 bilhões, valor que supera os R$ 44 bilhões que serão destinados ao novo auxílio emergencial. A CMO já recebeu 12 dos 16 relatórios setoriais que opinam sobre o mérito dessas emendas.

Contam com parecer os setores de Desenvolvimento Regional; Cidadania e Esporte; Agricultura; Turismo e Cultura; Defesa; Justiça e Segurança Pública; Economia; Ciência & Tecnologia e Comunicações; Meio Ambiente; Presidência e Relações Exteriores; Minas e Energia; e Poderes. Dos R$ 26,8 bilhões solicitados em emendas para essas 12 áreas, os relatores acolheram um total de R$ 7,8 bilhões — o equivalente a 29,2%.

Os parlamentares responsáveis pelos temas de Infraestrutura, Saúde, Educação e Mulheres, Família e Direitos Humanos ainda não divulgaram os relatórios. Juntas, essas quatro áreas respondem por R$ 20,1 bilhões em emendas solicitadas. Em um ano que promete ser ainda marcado pelo enfrentamento à pandemia de coronavírus, a área da saúde foi a que recebeu o maior pedido de emendas: R$ 12,6 bilhões.

Neste ano, os senadores são responsáveis por seis áreas temáticas, todas com relatórios já apresentados à CMO. O senador Confúcio Moura (MDB-RO) relatou o setor de Desenvolvimento Regional. Dos R$ 9,1 bilhões associados ao Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR) em 2021, pouco mais de R$ 2,6 bilhões correspondem a dotações condicionadas, que dependem de aprovação de crédito pelo Congresso.

O valor total representa uma redução de 6,3% em relação ao que foi proposto no projeto orçamentário de 2020. “Todas as unidades orçamentárias do MDR apresentaram decréscimos em suas dotações propostas para 2021. Com destaque para o Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social (-37,5%) e para a Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre (-12,9%)”, destaca Confúcio Moura no relatório.

Agência Senado

Leia mais:

Redução de jornada volta para segurar emprego

Congresso deve deliberar sobre 30 vetos esta semana

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Reservatórios fecham junho com o melhor índice em 10 anos

Período seco está iniciando o seu terceiro mês e afluências devem ficar abaixo da média na primeira semana de julho.

‘Estados nunca respeitaram o princípio da seletividade’

Segundo tributarista, lei do ICMS 'nada mais fez do que acompanhar decisão do STF'.

IPC-S recuou em quatro capitais de maio para junho

Segundo a FGV, a maior queda foi registrada no Rio de Janeiro.

Últimas Notícias

Reservatórios fecham junho com o melhor índice em 10 anos

Período seco está iniciando o seu terceiro mês e afluências devem ficar abaixo da média na primeira semana de julho.

China lançará esquema de conexão de swap de juros Continente-HK

O banco central chinês, o Banco Popular da China (PBOC), anunciou na segunda-feira a aprovação de três instituições de infraestrutura financeira para desenvolver um esquema de acesso mútuo conectando os mercados de swap de taxas de juros do continente chinês e da Região Administrativa Especial de Hong Kong (HKSAR), informou Xinhua Finance nesta segunda-feira.

Presidente do Egito inaugura teste de VLT fabricado na China

O primeiro sistema de transporte Veículo Leve sobre Trilhos Eletrificados (VLT) do Egito, construído em conjunto por empresas chinesas e egípcias, começou seu teste no domingo.

‘Estados nunca respeitaram o princípio da seletividade’

Segundo tributarista, lei do ICMS 'nada mais fez do que acompanhar decisão do STF'.

Semana promete com agenda econômica importante lá fora

No Brasil, os destaques ficam com a percepção de que as rachaduras no Teto de Gastos são irrecuperáveis.