Armadilha

Segundo o economista Dércio Munhoz, da Universidade de Brasília (UnB), está preocupado com os rumores de que o governo trabalharia com a hipótese de vincular a taxa básica de juros (Selic) à remuneração da poupança para impedir a migração dos investimentos para esta última, quando a Selic for reduzida: “É uma armadilha, que fará a população torcer contra a queda da Selic, aliando-se aos especuladores”, alerta Munhoz.

Mal maior
O economista da UnB prefere defender o fim da Selic: “A Selic faz parte de um mal maior, que é atrair e reter no Brasil o dinheiro de especuladores”, frisa Munhoz, que foi presidente do Conselho Federal de Economia (Cofecon), acrescentando que uma eventual queda da remuneração da poupança vai aumentar o lucro dos agentes financeiros repassadores de recursos da caderneta para financiamentos imobiliários.

Aviso
Para o economista Miguel Bruno, do Instituto de Política Econômica Aplicada (Ipea), a promessa que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, fez ao FMI de, se necessário adotar até o controle de capitais para evitas a entrada excessiva de dólares no país pode ser retórica ou não: “Mas o fato é que hoje não se faz nada sem avisar antes”, salientou, acrescentando que Mantega pode estar “testando a reação do mercado”, para o caso de, eventualmente, o Brasil vir a adotar controles sobre os capitais especulativos.

Traído
A informação é do ex-governador do Rio Anthony Garotinho, deputado federal pelo PR. Segundo Garotinho, que diz ser sua fonte “um deputado do PT próximo a Lula”, o ex-presidente estaria se sentindo “traído e magoado” com o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), por não ter sido avisado das ações da Delta, que, apesar de deter contratos bilionários com a União, patrocinaria dois dos principais inimigos de Lula e do PT: o governador de Goiás Marconi Perillo (PSDB) e o ex-líder do DEM no Senado Demóstenes Torres.

Bobo
Ainda segundo a narrativa que diz ter ouvido do deputado petista e reproduziu em seu blog, Garotinho sustenta que Lula e Cabral teriam tido uma conversa ríspida, na qual o governador teria negado conhecer as ligações da Delta com Carlinhos Cachoeira: “Cabral com tudo o que você me pediu para fazer por esse cara (Fernando Cavendish, presidente da Delta), com a intimidade que você tem com a família dele e com ele, querer que eu acredite que você não sabia do envolvimento dele como Demóstenes, é achar que eu sou bobo”, teria dito Lula, deixando Cabral “constrangido e nervoso”.

Vindo para a Caixa
O movimento nas agências da Caixa Econômica Federal deve aumentar ainda mais fortemente nesta terça-feira, quando a Caixa começa a abrir às 9h. Segundo funcionários do banco estatal, desde o anúncio da redução dos juros, cresceu o fluxo de clientes. A maioria, porém, é pessoa física visando a renegociar dívidas a taxas menos salgadas.

Punir a doença
A decisão do primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, de cortar em 10 bilhões de euros o orçamento de Saúde e Educação foi duramente criticada pelo coordenador federal da Izquierda Unida IU), Cayo Lara: “A medida busca punir a doença e romper a igualdade educativa”, decretou Lara, criticando ainda Rajoy, por atribuir o corte à falta de recursos: “Não é verdade, sim há recursos, o que há muito tempo é um governo que não se atreve a enfrentar os problemas de maneira séria.”

Taxar os ricos
O líder de IU defende que o governo enfrente a crise pelo aumento dos investimentos e da luta contra o mercado negro e a fraude. Lara pede ainda o retorno dos impostos que existiam até uma década e meia, a cobrança de impostos corporativos e novas alíquotas do imposto de renda para as faixas salariais mais elevadas, bem como taxar os paraísos fiscais das Sicav (sociedades de investimento coletivo de capita variável), e aplicar integralmente o impostos sobre patrimônio. “É preciso sistema de impostos justo”, resume o líder da IU.

Artigo anteriorHood Robin
Próximo artigoSem ação
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

MPEs veem oportunidades geradas pela crise

Principal mudança foi alocação de recursos para trabalhar e atender remoto, seguida por investimentos em tecnologia para vendas não presenciais.

Mudança de sinais

Terça começou tensa para os mercados de risco no mundo; hoje, a expectativa para o dia é de Bovespa seguindo em recuperação.

Quatro conselheiros da Petrobras decidem deixar o cargo

Eles são representantes da União no Conselho da empresa, petrolífera divulgou nota ontem à noite.

Biden quer estados priorizando vacinação de professores

Presidente americano pediu que educadores recebam pelo menos uma dose de vacina.

PEC fiscal e lockdown ficam no radar em dia de PIB

Em Nova Iorque, as pressões dos treasuries e a queda das companhias de tecnologia tiveram forte impacto nas Bolsas.