Armadilha

Começa nesta terça-feira, em Florianópolis, o XVI Congresso Brasileiro de Economistas, cujo tema central é Políticas Públicas e Desenvolvimento: A Armadilha do Endividamento Interno e Externo. A palestra de abertura será proferida pelo economista Carlos Lessa, ex-presidente do BNDES e professor-doutor da UFRJ. A medalha Personalidade Econômica do Ano – outorgada em 2005 ao economista João Paulo de Almeida Magalhães, que integra o Conselho Editorial do MM – e o Prêmio Brasil de Economia serão entregues na abertura do evento.

Curto circuito
Se depender dos executivos do setor elétrico, as tarifas de energia vão subir em 2006. Essa vontade foi expressa por 92% dos 53 executivos do setor, durante a segunda edição do Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico (Enase). Para 37%, o aumento será superior a 10%, contra uma inflação inferior a 4% para o ano que vem, segundo a previsão do Banco Central. Apesar de projetarem aumento superior ao dobro da inflação, a maioria dos entrevistados (60%) admite que o nível das tarifas de energia do Brasil supera o padrão internacional, considerando-se a média de renda local.

Apagão 2009
A inelasticidade da renda local, no entanto, não serve de pista para reduzir tarifas e aumentar a escala. Como boa parte das concessionárias de serviços privatizados, os do setor elétrica pedem a redução de impostos e taxas. Além disso, 75% vêem risco de novo apagão em 2009, mas 22% alertam que o blecaute pode chegar entre 2007 e 2008, contra apenas 3% que dizem não crer em risco de faltar energia.

Mudanças
A Reforma do Sistema Normativo de Câmbio é tema da palestra promovida pelo Ibmec Direito (São Paulo), que acontece na próxima quarta-feira, com Bruno Balduccini, sócio da área empresarial do escritório Pinheiro Neto Advogados, e o analista do Banco Central José Roberto Dias da Silva. Informações: (11) 4504-2400, [email protected] ou www.ibmecsp.edu.br

Portas abertas
A Federação das Indústrias do Rio (Firjan) vai transformar o estado no recreio dos Bandeirantes esta semana. Nesta terça o presidente da federação, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, recebe o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para reunião do Fórum de Gestão Pública Eficiente. Na quarta-feira, como se no Rio não houvesse pessoal especializado na área, a Firjan realiza o debate “Parcerias Socialmente Responsáveis”, com o presidente do Instituto Ethos, o paulista Oded Grajew. O debate, que começa às 8h30, porém, tem patrocínio carioca: da Petrobras.

País cão
O Brasil tem a segunda maior população de animais domésticos do mundo, de acordo com pesquisa do Sebrae, que detectou a existência, em 2004, de 28 milhões de cães e 12 milhões de gatos no país. Boa parte desses animais consomem rações e produtos veterinários em cerca de 22 mil pet shops espalhadas pelo Brasil, segundo estudo da ACNielsen. De olho neste mercado animal, a Super Bac Proteção Ambiental lança, durante o Pet South América 2005, o Odor-out, produto que, segundo a empresa, usa microorganismos naturais que degradam as moléculas responsáveis pela produção dos maus odores e elimina manchas recentes.

Agora
Em palestra a cerca de mil aspirantes a oficiais da Marinha, sexta passada, na Escola Naval, o engenheiro Osvaldo Nobre, autor do livro Brasil: País do Presente, apresentou aos militares alternativas para que o país retome seu destino de grande Nação. Os temas que mais motivaram perguntas da platéia foram a presença dos EUA na América do Sul; a possibilidade de o Brasil integrar o Conselho de Segurança da ONU; e alternativas à política palocciana de crescimento medíocre.

Visão ampla
A Escola Naval está oferecendo uma visão mais ampla e estratégica aos seus formandos. Para isso, realiza, entre outras ações, palestras com especialistas para mostrar aos futuros almirantes e demais oficiais uma perspectiva de país que fuja do conjuntural.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPrevisões tucanas
Próximo artigoPara poucos

Artigos Relacionados

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Governo sabota emprego doméstico

Desconto no Imposto de Renda, que acabou, incentivava a assinatura da carteira.

Últimas Notícias

Medição da produção de petróleo e gás terá novas regras

Baixa vazão deve favorecer ainda mais as petrolíferas

RNI diz que novo plano trouxe melhor resultado em 7 anos

Total de unidades financiada atingiu recorde de R$ 228 milhões

Volume de sedãs cai nos últimos anos

Onix Plus foi o mais vendido em 2021, apesar da crise dos semicondutores.

Sindicatos defendem política pública para tratar dos combustíveis

Melhor alternativa é considerar todas as etapas e beneficiar o consumidor

Redução dos impactos socioeconômicos das mudanças climáticas

Engajamento necessário de todos os atores sociais, especialmente das empresas.