Arrego

Durante a coletiva na abertura do V Fórum Social Mundial (FSM), os representantes dos governos de Porto Alegre e Rio Grande do Sul, ambos vitoriosos sobre petistas e adversários históricos do FSM, quase imploravam pela permanência do evento na capital gaúcha. Antagonismos políticos e ideológicos à parte, a cidade fatura R$ 300 milhões com o fórum.

Tucanos em revoada
Paralelo ao Fórum Social Mundial de Porto Alegre, ocorre o Acampamento Intercontinental da Juventude. Partidários do tucanato, com bandeiras do PSDB e tudo, que quiseram se instalar no local foram enxotados pelo restante dos jovens acampados – que usaram paus e pedras, tudo bem natural.

Divisão
Os “companheiros” sindicalistas estão se estranhando no V FSM. Uma parte está rachando com a CUT; com isso, esperam-se mais sangrias no PT. Além disso, o grupo que criou o P-SOL também está dividido – alguns querem continuar na central, outros não.

UNE do B
O Brasil é um dos poucos países a ter unicidade de representação de estudantes universitários – sua única entidade nacional é a UNE. Pois não vai levar muito tempo para isso acabar. O PSTU organiza, em Porto Alegre, a criação da Conlute (Coordenação Nacional de Luta dos Estudantes). Para os trotiskistas, a UNE é “governista e pelega”.

Autoritário?
O secretário-geral da Presidência, ministro Luiz Dulci, representante do governo Lula na abertura do V FSM, disse que governos democráticos “podem e devem incluir nas suas agendas as propostas e iniciativas do fórum”. Como nove entre dez economistas presentes ao evento criticam a política econômica petista, estaria o governo às vésperas de uma virada de 180 graus?

Time
Se não escapar das vaias, hoje, no Fórum Social Mundial, o presidente Lula passará pela situação constrangedora – ou significativa para os críticos do seu governo – de ser apupado em Porto Alegre e aplaudido em Davos. É uma tradição menos dúbia de um dos mantras favoritos do presidente do PT, José Genoino, sobre “mudar sem mudar de lado”.

Pontos comuns
Lula não recorreu a sutilezas: disse com todas as letras que é necessário buscar pontos comuns entre o Fórum Econômico Mundial, de Davos, e o Fórum Social Mundial, de Porto Alegre, em favor da construção de “um mundo mais justo para todos”. Um dos instrumentos para tentar desviar o foco das críticas feitas em Porto Alegre à globalização, Lula ainda não percebeu que seu desejo seria semelhante a ver as torcidas de Palmeiras e Corinthians trocarem beijinhos durante uma partida entre os dois times.

Verdades e medos
A história da amizade entre um homem e uma formiguinha é o ponto de partida para uma reflexão sobre o ser humano moderno em A Formiga e Eu (Editora Caravansarai, 64pp, R$ 22), do escritor e publicitário Théo Drummond. Escrito de forma simples e objetiva, o livro agrada a leitores de todas as idades.

Artigo anteriorDireita fiscal
Próximo artigoPrioridades
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preço do diesel avança pelo quarto mês consecutivo

Combustível ultrapassou R$ 4 em fevereiro e os dois tipos, comum e S-10, registraram valores acima de todos os meses de 2020.

Antítese da véspera

Ontem o dia foi completamente diferente da terça-feira, em que começamos o dia raivosos, suavizando mais tarde.

Rio fecha bares à noite e adota toque de recolher

Bares e restaurantes agora só podem funcionar das 6 às 17h; em SP, diretor do Butantan defende que estado seja colocado em fase mais restritiva.

PEC emergencial e pedidos por seguro-desemprego

Mercados europeus fecharam mistos na quarta-feira; indicadores da Zona do Euro tiveram desempenho acima do esperado.

Setor de eventos terá parcelamento e isenção de impostos

Projeto foi aprovado pela Câmara e segue para o Senado.