Arte dos números

Matéria publicada esta semana pelo jornal O Globo trazia meias verdades (ou meias mentiras) e uma falsa polêmica sobre o crescimento da dívida interna federal. Como esta coluna não foge de um debate, primeiro vamos aos números publicados e depois à real polêmica.
A reportagem tinha um objetivo: mostrar que a elevação da dívida interna foi provocada principalmente por “esqueletos” tirados do armário e assumidos pelo Governo FH, em nome da boa administração pública, e não pelos juros mais altos do mundo. Os números apresentados eram de que os juros foram responsáveis “somente” por R$ 150 bilhões do aumento da dívida, enquanto os “esqueletos” somaram R$ 253 bilhões.
Olhando mais de perto os números, vemos que, dos R$ 253 bilhões, cerca de R$ 30 bilhões correspondem a passivos de estatais assumidos pelo Tesouro (ou seja, o saneamento que permitiu privatizar empresas sem débitos, que passaram a dar lucros estupendos aos novos donos); uns R$ 23 bilhões seriam dívidas assumidas junto ao Banco do Brasil (especialmente do setor agrícola, que não tem como pagar os juros exorbitantes cobrados), conta petróleo etc. Sobram, portanto, R$ 200 bilhões que a matéria atribui a dívidas dos estados mais … juros.
Reportagem de J. Carlos de Assis publicada em agosto no MM estima em R$ 50 bilhões o crescimento das dívidas estaduais em um ano, somente devido aos juros. Pode-se estimar que, dos R$ 200 bilhões que o governo federal teria assumido em renegociação com os estados, pelo menos uns R$ 150 bilhões seriam relativos a juros – juros estratosféricos fixados pelo mesmo Governo FH.
A soma, portanto, e levando em conta os números apresentados pela reportagem, é de que os juros elevaram a dívida federal em R$ 300 bilhões, a principal causa da brutal elevação do débito – apenas R$ 53 bilhões se deveriam a outros fatores, ainda que alguns deles igualmente influenciados pela taxa de juros.
Elefante
A verdadeira polêmica, porém, é outra. O governo pagou, nos últimos 12 meses, mais de R$ 80 bilhões em juros da dívida – o principal da dívida é “rolado” no mercado, mas os juros são pagos, no caso de alguns títulos até antecipadamente. E é para pagar esses juros exorbitantes que cortam-se gastos sociais e de investimentos, seguindo o acordo com o FMI. Tentar esconder esse fato é como achar que um elefante passaria despercebido se usasse chapéu e luvas.

Apoio pesado
Não se sabe se Malan aprecia o rock, mas tudo indica que o grupo inglês U2 não vai mais frequentar o aparelho de CD do ministro. O cantor Bono Vox, líder da banda, enviou mensagem de apoio aos organizadores do Plebiscito sobre a Dívida Externa. O artista condena o efeito negativo que a dívida impõe sobre o meio ambiente. Ele fez referência ainda ao Tribunal da Dívida Externa, realizado em abril de 1999.
Bono Vox disse que o que o inspira na campanha Jubileu 2000, lançada pela Santa Sé, têm sido “as milhões de ações feitas por pessoas em países credores e devedores em todo o mundo. O desejo deles por um futuro melhor me dá esperança.” Continua o cantor, que fez sucesso em sua passagem pelo Brasil há dois anos: “Sei que o Brasil tem sofrido com uma crise da dívida externa desde a década de 80 – suas florestas famosas têm sido cortadas enquanto o país precisa de moeda estrangeira para pagar as dívidas. É certo que o povo está lutando contra a perda desses recursos valiosos para os países ricos do Norte (…) Tomara que cada brasileiro e brasileira vote e mostre seu apoio por um futuro melhor.”

Bravata
A movimentação do Rio para aumentar a utilização do Galeão perturbou o governador paulista Mário Covas. Preocupado com a perda de vôos em Cumbica, Covas exagerou: “Se oferecerem um desconto lá, dobro o desconto aqui”. E olha que Covas já fez dezenas de declarações criticando a guerra fiscal – pelo menos, quando São Paulo perde.

Ferreiro
A Previdência assinou contrato com a consultoria KPMG, que desenvolverá o Plano de Modernização e Melhoria de Processos de Auditoria Interna do INSS. O valor do contrato é de US$ 449,1 mil, para quatro meses de trabalho. Segundo o contrato, a consultoria deverá identificar os objetivos, os fatores críticos e os sucessos obtidos pela auditoria interna, além de propor soluções para os problemas. Espera-se que não sejam sugeridos os mesmos métodos utilizados no Banco Nacional, que era auditado pela KPMG.

Artigo anteriorEfeito Ciro
Próximo artigoNa Flórida
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ANS determina que planos cubram novos remédios, exames e cirurgias

Novos exames e tratamentos passaram a fazer parte da lista obrigatória de assistência, que deverá ser observada a partir de abril.

Ibovespa futuro sobe no momento, mas com muita cautela

No exterior, Bolsas globais recuam em meio a preocupações com a inflação nos EUA.

IPC-S sobe em seis capitais brasileiras em fevereiro

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu em seis das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), na...

Trava política impede recuperação mais forte

Nesta segunda, mercados aqui foram na mesma direção do exterior em recuperação, mas sem mostrar maior tração. 

Sony deixará de vender áudio e vídeo no Brasil

Multinacional japonesa venderá aqui apenas consoles de games importados.