27.4 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 24, 2021

As 3 previsões mais furadas de 2019

Final de ano, início de ano, é tempo de renovar promessas. No caso da economia, lançar projeções que passarão longe da realidade. O levantamento a seguir mostra as previsões feitas por economistas do mercado ou de entidades empresariais em dezembro de 2018 e janeiro de 2019 para o ano que se iniciava:

 

1 – Economia (PIB)

O crescimento do Produto Interno Bruto de 2019 ainda não foi divulgado pelo IBGE. O IBC-Br, calculado pelo Banco Central, mostrou crescimento de modesto 0,89%. Os mais otimistas, hoje, não falam nem em repetir a mediocridade do Governo Temer, com elevação de 1,3%.

A Confederação Nacional da Indústria estimava para 2019 alta de 2,7%, podendo alcançar até 3%.

A FecomercioSP apostava em elevação de 3%.

O Boletim Focus (do mercado financeiro) de 28 de dezembro de 2018 jogou a estimativa para 2,55%.

Mas o Oscar vai para José Márcio Camargo, economista da Genial Investimentos, interlocutor frequente de Paulo Guedes, que acreditava em um avanço de 3,5% na atividade econômica em 2019.

 

2 – Dólar comercial – R$ 4,01

Alessandra Ribeiro, economista e sócia da Tendências Consultoria, projetou dólar no fim de 2019 cotado a R$ 3,75.

Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados, projetou R$ 3,80.

O Boletim Focus estimava em R$ 3,80.

O vencedor do Oscar foi o banco Credit Suisse, que acreditava que, com Bolsonaro eleito, o dólar poderia cair para abaixo de R$ 3,50.

 

3 – Produção industrial – queda de 1,1%

Para a CNI, a indústria, com expansão de 3%, lideraria o crescimento em 2019

O Boletim Focus, mais radical, estimava que a produção industrial cresceria 3,19%

Os dois dividem o Oscar, pela magnitude do erro.

 

Não é motivo para ninguém se inibir. Começa o ano, e novas previsões são lançadas, pelos mesmos atores. Sempre se poderá culpar o coronavírus.

 

Perdidos

Do Twitter do professor Marcio Pochmann: “Ata do Cupom revela que, para o Banco Central, a taxa básica de juros do país (Selic) pode aumentar, diminuir ou se manter estável. Em síntese, a equipe econômica do Governo Bolsonaro não tem certeza nem sobre o curto prazo da economia. Imagina se perguntar sobre o longo prazo.”

 

Evitar perdas

As medidas extrajudiciais que desafogam o Judiciário, agilizando os processos de pessoas físicas e jurídicas, ganham espaço. Com isso, os cartórios estão cada vez mais movimentados. A lei permite a realização de inventários, partilhas, separação e divórcio consensuais sem a necessidade do processo judicial, por escritura pública. Isso é possível se todos os interessados forem maiores e capazes e concordarem com a forma de dividir os bens.

A instituição do inventário fora do Judiciário veio para agilizar e baratear esse procedimento, inclusive, no Rio de Janeiro, já é possível fazer inventário extrajudicial nos casos em que há testamento, o que antes não era permitido”, explica a advogada Luciana Gouvêa, diretora da Gouvêa Advogados Associados.

Ela salienta que o inventário na justiça, além de acarretar desgaste nas relações dos envolvidos, contribui para a dilapidação do valor do patrimônio, pois os bens acabam sofrendo com o passar do tempo, deterioram e muitas vezes nem servem mais para uso.

 

Menor que Temer

O índice calculado pelo BC para tentar adivinhar o PIB marcou alta de 0,89% para a economia em 2019. Em 2018 mostrou 1,15% (o PIB oficial, do IBGE, cresceu 1,3%); em 2017, 1,04% (1,3% IBGE); em 2016, queda de 4,34% (-3,3%). Guedes e cia. estão prestes a marcar mais 1 gol contra.

 

Rápidas

A Universidade Corporativa do Administrador (UCAdm) realiza, 4 de março, o evento “Café da manhã em debate”, no auditório do Conselho Regional de Administração (CRA-RJ), para discutir a importância dos métodos de consultoria de organização. A palestra será realizada por Wagner Siqueira. Inscrições aqui *** Neste sábado, as empresas ligadas à Secretaria dos Transportes Metropolitanos (STM) de São Paulo reforçam o Dia D da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo. Haverá vacinação em estações do Metrô e da CPTM e também em terminal da EMTU/SP *** O “Simpósio Temático 34 – Militares na História do Brasil: Ontem, Hoje e Perspectivas”, que ocorrerá no XIX Encontro de História da ANPUH-Rio, 13 a 17 de julho, está com inscrições abertas.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Incerteza da população ou dos mercados?

EUA e Reino Unido espalham suas expectativas para os demais países.

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.