As caras do governo…

Omitir a verdade é a cara do governo?

A propósito da realização do desidratado Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), com a realização da primeira prova no sábado, 20 de novembro, as provas continuam no domingo, 28 de novembro. O Enem 2021 foi antecedido do escândalo da autoexoneração de 37 funcionários do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira (Inep), motivados pela imposição de pressão psicológica e vigilância velada na formulação do Enem 2021, para deixarem de fora enunciados de provas e questões contrários aos interesses do governo. O presidente disse que “o Enem começa a ter a cara do governo”.

Cara do governo: qual delas?

 

Enem desidratado tem a ‘cara do governo?’

Inscreveram-se para o Enem 2021, em todo o Brasil, 3.109.762 candidatos, o menor número de inscritos observado desde 2005. Os cinco estados com os maiores números de inscritos foram São Paulo (com 450.219 inscritos; 22% dos quais ausentes no primeiro dia de provas); Minas Gerais (com 294.853450.219 inscritos; 25% dos quais ausentes no primeiro dia de provas); Bahia (com 237,052 inscritos; 26% dos quais ausentes no primeiro dia de provas); Rio de Janeiro (com 213.214 inscritos; 25% dos quais ausentes no primeiro dia de provas) e Ceará (com 206.185 inscritos; 29% dos quais ausentes no primeiro dia de provas).

Em comparação com o ano anterior, observa-se um branqueamento do certame, com redução na participação de pretos, pardos e indígenas. As taxas de ausência registram que a maior ausência proporcional ocorreu no Estado do Amazonas, tendo alcançado 41% de 77.578 inscritos.

Interferir indevidamente é a cara do governo?

 

Amazônia em chamas tem ‘a cara do governo?’

“Malandro demais se atrapalha”, diz o vulgo na República Independente de Del Castillo, subúrbio do Rio de Janeiro (RJ). Crente de que a imprensa internacional iria engolir qualquer informação, o governo segurou os dados do desmatamento assustador na Amazônia, o maior nos últimos 15 anos.

De agosto de 2020 a 27 de julho de 2021, foram desmatados 13.235 km², segundo números divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). A alta corresponde a 22% e os dados já eram conhecidos em 27 de outubro, antes da COP 26, portanto. Só foram divulgados com a conferência encerrada, porém.

Relaxar as condições de operação dos órgãos de controle ambiental e deixar a floresta queimar é a cara do governo?

 

Esconder informações tem ‘a cara do governo?’

O governo brasileiro comprometeu-se a acabar com o desmatamento ilegal na Amazônia. Falta a ele credibilidade, porém. Isto se evidencia na imprensa internacional. Da Al Jazeera, rede de TV: “O maior desmatamento na Amazônia em 15 anos foi divulgado depois que o governo brasileiro se comprometeu, na COP26, a acabar com o desmatamento ilegal, até 2028. A alta de 22% no desmatamento mina as garantias do presidente Jair Bolsonaro de que o país está reduzindo a extração ilegal de madeira e também destaca que a área de floresta derrubada é quase 17 vezes o tamanho da cidade de Nova York” ao jornal The Washington Post (“O recorde em 15 anos voa na cara das recentes tentativas do governo Bolsonaro de reforçar a sua credibilidade ambiental”), passando pelo Le Monde, pelo The Guardian, pela BBC e mais veículos da maior credibilidade da imprensa internacional.

Omitir a verdade é a cara do governo?

Paulo Márcio de Mello
Servidor público professor aposentado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Indústria naval apresenta propostas para eleições 2022

Setor quer deixar para trás maré ruim dos últimos 7 anos

A Rota dos Vinhos do Tejo

Degustação apresenta a riqueza e diversidade da histórica e ainda desconhecida produção.

Fiat lança furgão Scudo com motor turbodiesel ou elétrico

Veículo para a última fase de entrega de produtos.

Últimas Notícias

Ford Brasil: Centro global de exportação de serviços de engenharia

Projetos de ponta voltados ao futuro da mobilidade, como veículos elétricos, autônomos e conectados. 

Senado vai analisar vetos na Lei Aldir Blanc

Existe uma fila de 36 vetos aguardando votação dos senadores e deputados

Caixa: desconto de até 44% para regularizar penhor em atraso

As unidades com serviço de penhor disponível podem ser consultadas no site da Caixa

Índice de Preços ao Produtor (IPP) sobe 1,83% em maio

Das 24 atividades analisadas, 21 tiveram alta de preços

Acqio inclui transações via Pix em suas soluções de pagamento

Em abril os pagamentos feitos via Pix atingiram a marca histórica de 11,5%, no comércio eletrônico