As propostas de Ciro

De passagem pelo Rio para lançar o Instituto pelo Desenvolvimento com Justiça, o pré-candidato do PPS à presidência da República, Ciro Gomes, alinhou-se às críticas ao modelo econômico do qual foi um dos executores iniciais. Para Ciro, o déficit externo fez com que o Brasil fique “proibido de crescer”. O ex-governador argumenta, com razão, que a decisão do Banco Central de elevar a Selic para 15,75% revela muito mais a preocupação do governo com as contas externas do que com o cumprimento da meta de inflação acertada com o FMI.
Ciro também vê o país marchando para uma crise de iliquidez até o fim do ano e defende que a saída não está em aprofundar “o bom mocismo”, entendida essa definição como a inserção passiva do Brasil na globalização praticada desde o início dos anos 90. Ele prega o que classifica de dinâmica mista, envolvendo a ampliação da poupança interna e um novo ciclo de substituição das importações.
Neste ponto, no entanto, o candidato do PPS é pouco claro, limitando-se, para demarcar-se do PT, a afirmar não desejar a volta do protecionismo às empresas locais praticado no passado, mas sem definir como o país deveria proteger sua indústria num mundo em que os mais poderosos são justamente os mais protecionistas.
O pré-candidato do PPS também considera que a situação das contas externas, incluído aí o déficit crônico na balança comercial, revela um modelo econômico insustentável. Falta a ele, no entanto, explicitar e aprofundar suas propostas alternativas ao atual modelo imposto ao país. No mínimo, para que o debate programático que Ciro diz estar interessado em incrementar cresça e rompa com o reducionismo moralista a que boa parte da mídia quer reduzir o embate eleitoral de 2002.  

Mercado
A Intelig e Embratel, operadoras de telefonia que fazem ligações nacionais e internacionais, estimam em 40% o número de ligações internacionais “piratas”, ou seja, feitas através de sistemas como “call-back”, em que o usuário liga para o exterior a cobrar, via Internet ou via empresas que só estão autorizadas a realizar alguns serviços corporativos. Intelig e Embratel cobra maior presença da Anatel e da Polícia Federal para coibir a prática. Mais eficaz seria reduzir as tarifas, o que levaria a participação dos “piratas” para 10%, nível que a Intelig afirma ser aceitável e dentro dos padrões de outros países.

Água ameaçada
Aproveitando a Semana Internacional da Água, a população de São Lourenço, importante estância hidromineral do Sul de Minas, se reuniu, no fim de semana passado, para, num abraço ao parque municipal, protestar contra o risco de que as fontes de água mineral da cidade sequem. As fontes são a principal atração turística e atividade econômica local. Sob o slogan “São Lourenço pode secar”, a população manifestou seu medo, que aumentou muito nos últimos meses, quando foram fechadas as duas principais fontes – a carbo-gasosa e a magnesiana – e interrompido o fornecimento gratuito de água.
A empresa que explora as águas de São Lourenço, a francesa Perrier, hoje controlada pelo Grupo Nestlé, alega que a interrupção é temporária, mas não fornece maiores explicações, atemorizando a sociedade.

Contratempos
A economia cubana deve crescer 4% este ano e 5,5% em 2002, contra cerca de 5,6% no ano passado. O país sofre com a alta do preço do petróleo e que do valor do açúcar, mas está superando esses problemas com novos acordos comerciais, segundo a publicação Business Latin America, do The Economist Intelligence Unit.

Razões
Depois de um longo período de vacilação, Ciro Gomes, candidato do PPS à Presidência da República, resolveu apoiar a CPI da Corrupção: “O presidente da República é conivente e complacente com a corrupção.” Ciro defende que a CPI concentre suas investigações no Dossiê Cayman e na denúncia da compra de votos para aprovar a reeleição de FH.

Artigo anteriorRefém
Próximo artigoAventura sem graça
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ANS determina que planos cubram novos remédios, exames e cirurgias

Novos exames e tratamentos passaram a fazer parte da lista obrigatória de assistência, que deverá ser observada a partir de abril.

Ibovespa futuro sobe no momento, mas com muita cautela

No exterior, Bolsas globais recuam em meio a preocupações com a inflação nos EUA.

IPC-S sobe em seis capitais brasileiras em fevereiro

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu em seis das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), na...

Trava política impede recuperação mais forte

Nesta segunda, mercados aqui foram na mesma direção do exterior em recuperação, mas sem mostrar maior tração. 

Sony deixará de vender áudio e vídeo no Brasil

Multinacional japonesa venderá aqui apenas consoles de games importados.