As razões da China

As crescentes críticas dos Estados Unidos e da União Européia (UE) contra a cotação artificialmente baixa do iuan foram rebatidas pelo vice-presidente do Instituto de Estudos Internacionais da China (CIIS, na sigla em inglês), Liu Youfa, no início da semana, ao participar, no Rio, de seminário sobre o Bric (Brasil, Rússia, Índia e China). De acordo com Youfa, nos últimos cinco anos, o iuan valorizou 20%, cálculo abraçado pelo economista-chefe do Goldman Sachs, Jim O”Neill e criador da sigla Bric. “A China vai ajustar o seu câmbio, mas gradualmente e olhando para o crescimento econômico, o desenvolvimento social e os compromissos chineses”, afirmou Youfa.

Opção pelo dólar
Ainda segundo Youfa, 90% da corrente de comércio (exportações mais importações) da China são calculadas em dólar e apenas 10%, em iuan. Ele acrescenta que 54% das compras externas de seu país são realizadas com parcerias, fornecedores e cooperações de outros países e não seguem a taxa de câmbio chinesa. O chinês observa que a China não tem interesse que os estadunidenses reduzam seu poder de compra via câmbio, salientando que 40% das exportações chinesas são destinadas aos Estados Unidos: “Quando os EUA desvalorizam sua moeda, a China também precisa desvalorizar (o iuan)”, disse.

Mais fugindo do “mico”
O pesquisador argumenta ainda que  70% das reservas internacionais chinesas são em dólar e que não interessa aos chineses, desse ponto de vista, que a moeda dos Estados Unidos continue a derreter, o que reduz o valor das reservas do país asiático.
Neste caso, no entanto, é importante destacar que, no velho estilo oriental de fazer pouco alarde sobre decisões estratégicas, a China tem fugido do “mico”, reduzindo sua exposição ao dólar em três frentes básicas: diminuindo a compra de títulos do Tesouro estadunidense; investindo parte das reservas para financiar projetos em terceiros países, particularmente, na África e na América Latina; e ampliando o peso do mercado interno na sua economia, para torná-la menos dependente das exportações, principalmente, em função da decadência dos mercados mais desenvolvidos.

Menos é mais
As microfinanças se portaram melhor na crise econômica mundial que os “bancões”. De acordo com a CGAP, um grupo de microfinanciamento com base no Banco Mundial, apesar de quatro países – Nicarágua, Bósnia e Herzegovina, Marrocos e Paquistão – terem enfrentado problemas, a causa não foi a crise: nestas nações havia concentração excessiva de empréstimos, sobrecarga na capacidade nessas instituições e a perda da disciplina de crédito enquanto as instituições buscavam um crescimento rápido. “A experiência mostra que as microfinanças podem manter a qualidade do patrimônio e gerar retornos impressionantes, tanto em termos de lucros para os investidores como em melhorias na vida das pessoas”, diz o co-autor Xavier Reille, da CGAP.

Fora de mão
O turista que pretende viajar para países que exigem vacinação contra febre amarela é obrigado a enfrentar uma incompreensível burocracia no Rio de Janeiro. Depois de se vacinar em um posto de saúde da Prefeitura – não vale clínica particular – tem que validar a vacinação no escritório da Anvisa que fica no Aeroporto Tom Jobim. Porém, como a maioria dos vôos internacionais parte de São Paulo, normalmente o viajante carioca embarca no Santos Dumont – a quilômetros de distância do Tom Jobim.

Sem alarme
Tal qual nos trópicos, o alarido em torno da gripe A foi sumindo em proporção inversa ao número de pessoas contaminadas. Nos Estados Unidos, na volta às aulas, as escolas ofereceram vacinação, mas poucas crianças foram vacinadas. Apesar do inverno – sempre lembrado pela Organização Mundial de Saúde para fomentar o alarmismo – nem se ouve falar mais na tal gripe. Nada de manchetes de jornais, nada de escolas fechadas, poucos casos de contaminação, menos ainda de mortes. Já no Brasil o Ministério da Saúde ampliou o público-alvo da polêmica vacinação

Controversa
A Eletrobrás estuda uma injeção de capital de R$ 650 milhões na Celpa, companhia elétrica do Pará.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorConfusão à vista
Próximo artigoCorrida de recuperação

Artigos Relacionados

Plano B dos bilionários dos EUA

Fuga dos impostos, de Trump e dos bloqueios levam a dupla cidadania.

É a inflação, estúpido

Preços não dão trégua a Bolsonaro em ano de eleição.

Brasil: 3% da população, 6% dos desempregados do mundo

Pode colocar na conta de Bolsonaro–Guedes.

Últimas Notícias

Mães: tentativas de fraudes caíram 4% de 2021 para 2022

Apesar da queda no volume, valor de fraudes evitadas foi 9,3% superior no período; já sexta-feira, 13 teve aumento de 120% no último ano.

Indústria deve qualificar 9,6 milhões de pessoas até 2025

Segundo a CNI, '79% da necessidade de formação nos próximos quatro anos serão em aperfeiçoamento.'

Gastos com delivery subiram 24% em 2021 ante 2020

Cada brasileiro gastou, em média, R$ 16,21 por refeição fora do lar.

Exportação de sucata ferrosa cresceu 43% em abril

Preços se acomodaram; após pressão forte no mercado em função da guerra e da China, tendência é de normalização no Brasil.

Correspondentes bancários são punidos por irregularidade em consignado

Sidney: 'assédio comercial leva ao superendividamento do consumidor; isso não interessa a ninguém, nem ao consumidor nem aos bancos'.