28.1 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 24, 2021

Ascensão dos bancos públicos e queda do PT

Se uma imagem vale mais que mil palavras, está aí a imagem – e aqui as (bem menos de) mil palavras para ajudar na compreensão. O gráfico mostra a participação dos bancos públicos e privados no estoque total de crédito, a partir de setembro de 2008 (alguém lembrou da crise do subprime?).

A linha mais alta, à esquerda, representa a fatia das instituições privadas, com pouco mais de 66% do mercado naquele ano. Essa participação vai caindo, e consequentemente subido a dos bancos públicos, até que as duas linhas se encontram em meados de 2013 (alguém falou nas Jornadas de Junho?).

A partir dessa data, os bancos do Estado suplantam os particulares e passam a deter mais da metade do estoque de crédito. Chegam ao auge, pouco acima de 55%, no início de 2016 (alguém soprou impeachment, ou golpe, como prefere Temer?), quando então se estabiliza e começa a cair. As duas linhas voltam a se encontrar no primeiro semestre de 2019.

Se precisava desenhar, não precisa mais.

 

Não virá

Comentário feito pelo consultor Eduardo Bassin dá uma ideia da desesperança da elite com o governo e com as cada vez menores perspectivas para o país reagir à crise: “Está claro que a reforma da Previdência não promoverá o crescimento almejado. Reduzir a taxa Selic para 5,5% ao ano, ainda que desejável, não ajudará a aquecer o nível da atividade em função do desemprego elevado e da capacidade ociosa da economia. Isso sem falar no tempo de transmissão do efeito da queda da taxa de juros desde o momento da decisão pelo Banco Central até a mudança no comportamento dos agentes econômicos.”

O que sobra? “Uma ampla reforma tributária, que permita uma simplificação na rotina das empresas e melhoria do ambiente de negócios, conjugadas a diminuição da carga tributária dos atuais 33% do PIB é o mais indicado”, diz Bassin, “mas não há sinais de que algo nesse sentido esteja sendo elaborado pela equipe econômica. A diminuição da carga não virá. Vamos aguardar por uma estrutura tributária menos penosa.”

 

É o achatamento, estúpido

Demorou um final de semana para a imprensa em geral confirmar o que a coluna publicou na sexta-feira passada: o Ministério da Economia deu um passo para não reajustar o salário mínimo pela inflação. Mas a nota já avisava: “Se não conseguir achatar o mínimo, ao menos a equipe econômica pretende desvincular o reajuste das aposentadorias superiores ao piso.”

Nesta quinta-feira, noticia-se que Paulo Guedes e cia. recuaram diante da “repercussão negativa”. Mais alguns dias e verão que a ideia segue, para desindexar os salários e aposentadorias acima do mínimo.

 

Chá da tarde

Entrevistado pela BBC Brasil, Ciro Gomes respondeu a 41 questões. Amazônia? Desemprego? Previdência? Soberania? Não. A pauta se resumiu a “foi pra Paris” e “tá preso, babaca”, 11 meses após a eleição. Bolsonaro agradece à mídia pela oposição presa no “Divã da Esquerda”.

 

Rápidas

O Conselho Regional de Administração (CRA-RJ) vai realizar, dia 26, o Encontro de Administradores (Encad), em Teresópolis. A proposta é discutir tendências e oportunidades na Era Digital. Gratuito, o evento será no auditório da Alterdata *** O Shopping Grande Rio recebe, desta sexta a domingo, festival de vinhos *** A Align Technology, empresa do Vale do Silício que fabrica o sistema Invisalign, participa da Ortonews International em São Paulo. O evento termina neste sábado *** O Financial Times Commodities Americas Summit reúne políticos e executivos para discutir sustentabilidade e outros desafios no mercado de commodities. O evento acontece em 24 de setembro no Copacabana Palace. Mais informações em live.ft.com/Events/2019/FT-Commodities-Americas-Summit-2019-BR

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Incerteza da população ou dos mercados?

EUA e Reino Unido espalham suas expectativas para os demais países.

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.