25.1 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

Assassinato midiático

Quase tão aterrador quanto o assassinato perpetrado contra as 12 crianças da escola de Realengo é a cobertura midiática tupiniquim do caso, cujo tom reuniu o sensacionalismo mercantilista, sem respeitar sequer a dor dos pequenos sobreviventes e de suas famílias, e o reforço de preconceitos e estereótipos.

Potencial
O economista Carlos Lessa define assim o que o pré-sal pode representar para o Brasil: “A partir da economia do petróleo, de tudo o que se produz para extraí-lo e da fabricação de produtos dele derivados, é possível robustecer enormemente a industrialização brasileira e criar uma frente interna de expansão para a economia. Isso vem faltando há muito tempo.”

Risco
Darc Costa, que foi vice-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) na gestão de Carlos Lessa, adverte que o potencial oferecido pelo pré-sal para a industrialização e para o desenvolvimento científico do Brasil pode ser ameaçado pela política cambial: “A política de deixar o câmbio livre, sem controle, dada a quantidade de dólares que os Estados Unidos puseram em circulação por causa da crise global, tem provocado a valorização excessiva do real, o que complica muito a possibilidade de se estruturar uma indústria no país”, critica.

Com a barriga
No Egito, os manifestantes que derrubaram o regime de Hosni Mubarak já voltaram às ruas, em protesto contra a lentidão das reformas prometidas pelo junta militar que constitui o governo interino.

Clube atômico
A invasão da Líbia deu munição aos que defendem o desenvolvimento de armas nucleares como forma de garantir poder de dissuasão a países periféricos: “Se Kadafi não tivesse abandonado o seu programa nuclear, no início da década passada, como pré-condição para a reaproximação com o Ocidente (que até há poucos meses o considerava “membro do clube”), dificilmente a parte da Líbia sob seu controle estaria agora sendo alvo de outra “intervenção” da Otan”, comenta o boletim eletrônico Resenha Estratégica.

Duas situações
Já o professor de Relação Internacionais Willians Gonçalves, da Uerj e da UFF, destaca que a situação na Líbia é fundamentalmente diferente da insurreição ocorrida no Egito. Neste país, observa Gonçalves, multidões saíram às ruas pedindo o fim da ditadura de Hosni Mubarak: “Já na Líbia, as manifestações de rua foram extremamente raquíticas. O que há é um movimento separatista armado que se levantou contra o governo. E governos em todas as partes sempre reagem quando são atacados por movimentos armados”, compara o especialista.

Fechando o verão
Túnel extravasor (que deságua no mar) ou “piscinões”? Há 40 anos, optou-se pela primeira alternativa na cidade do Rio de Janeiro, com a construção de um túnel que joga a água das chuvas logo após o mar do Leblon. Hoje, o governo parece tender para a segunda opção. O tema estará em debate nesta terça-feira, das 14h às 18h, no Clube de Engenharia, no Centro do Rio. Estão escalados para a discussão o presidente do Instituto Estadual do Meio Ambiente (Inea), Marilene dos Santos, e especialistas da Coppe e da PUC.

Alternativa
As Faculdades Integradas de Jacarepaguá estão com inscrições abertas para cursos de capacitação em terapias alternativas, como yoga, psicoterapia holística e terapias manuais integradas. Informações em www.unizencursos.com.

Novidade
A economista Beatriz David, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), discorda dos que vêem grandes diferenças entre os governos Lula e Dilma. Crítica de ambas administrações, por não apresentarem uma estratégia de desenvolvimento nacional e manterem um modelo econômico dependente, ela aponta uma única diferença neste início de administração Dilma Rousseff: “As revoltas dos operários da construção civil são a única novidade nesses 100 primeiros dias do governo Dilma”, alfineta.

Artigo anteriorDistorção
Próximo artigoEfeitos colaterais
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.