Ata do Copom confirma deterioração das expectativas

Em dia de feriado na capital paulista, sem pregão na B3, as Bolsas no exterior fecharam mistas com os agentes cautelosos pelos impactos da Covid-19. Na Europa, os atrasos das vacinas atingiram negativamente os mercados, além das perspectivas de novas restrições e protestos contra o lockdown (confinamento) em algumas cidades. Londres e Frankfurt perderam 0,84% e 1,66%, respectivamente. Paris perdeu 1,57%. Milão teve desvalorização de 1,60%. Madri recuou 1,73% e Lisboa caiu 1,55%.

Em Nova Iorque, as Bolsas fecharam mistas. O Dow Jones teve queda de 0,12%. O S&P 500 e a Nasdaq fecharam com alta de 0,36% e 0,69%, respectivamente. As ações de tecnologia foram impulsionadas pelas expectativas em torno dos balanços de Microsoft e Apple, mas ainda há temores em torna das novas variantes da Covid-19 e da possibilidade de o estímulo levar tempo para ser aplicado na economia americana.

Na Ásia, os principais índices fecharam em queda, devido aos receios em torno do pacote de estímulos nos EUA. O ritmo lento da vacinação e o avanço no número de casos da Covid-19 também preocuparam os investidores. O Nikkei teve queda de 0,96%. Em Seul, o Kospi teve recuo de 2,14%. Hong Kong e Taiwan tiveram queda de 2,55% e 1,80%, respectivamente.  Na China continental, Xangai perdeu 1,51% e Shenzhen cedeu 1,98%, com o Banco Central da China advertindo sobre bolha de ativos.

Hoje, os mercados na Europa abriram em alta, se recuperando da queda do feriado em São Paulo e com dados positivos do balanço do banco suíço UBS. Mas os investidores continuam cautelosos com as novas variantes da Covid-19 e com o atraso de vacinas.

Nos EUA, os futuros começam operando em queda, com a permanência dos receios relacionados à Covid-19. No Brasil, a ata do Copom, conforme esperado, indica retirada do foward guidance e receios quanto à retomada da economia por conta do avanço da Covid-19. A autoridade monetária também aponta para os riscos fiscais, dando viés de alta para as expectativas. Quanto à inflação, o banco considera que as projeções estão ao redor da meta.

O IPCA-15 também trará expectativas em relação ao comportamento dos preços. O mercado projeta avanço de 0,81% ao mês contra 1,06% em novembro; e de 4,33% ao ano contra 4,23% em relação ao período imediatamente anterior.

Na Europa, o Reino Unido divulgou números relacionados ao mercado de trabalho e varejo. O rendimento semanal médio de novembro teve alta de 3,6% contra expectativa de 2,9%. A variação no número de desempregados em dezembro foi de 7 mil, contra as expectativas de 35,0 mil. A taxa de desemprego subiu 5,0%.

Nos EUA, será divulgado o Preços de Imóveis S&P/CS Composto-20 de novembro, com expectativa de 8,6%, contra 7,9% em outubro. O Conference Board publicará o índice de confiança do consumidor, para o qual a expectativa é de que ele saia de 88,6 pontos para 89 em janeiro. Por fim a API publicará os estoques de petróleo bruto produzidos pelo setor privado.

Nos EUA, serão divulgados balanços de importantes companhias como Microsoft, Starbucks, American Express e Xerox. 3M superou as expectativas do mercado e a General Electric teve desempenho dentro das expectativas.

.

Nova Futura Investimentos

Leia mais:

Bolsas operam mistas à espera de balanços de grandes empresas

SP: mercado interno opera com grande volatilidade na volta do feriado

Artigo anteriorAjustando o feriado
Próximo artigoSequência de quedas

Artigos Relacionados

Mercados globais continuam receosos com aumento dos preços

Principais índices da Europa caíram devido ao movimento de alta dos yelds; Paris perdeu 0,24%.

Ibovespa futuro sobe no momento, mas com muita cautela

Bolsas globais recuam em meio a preocupações com a inflação nos EUA.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.