Ataques de ransomware tiveram alta de 14% ano a ano no mundo

Interesse por ferramentas de proteção de senha aumentou no Brasil.

Estudo da Check Point Software Technologies Ltd. apurou como o ransomware evoluiu nos últimos anos, desde os autores do WannaCry exigindo apenas algumas centenas de dólares de suas vítimas até o Conti pedindo dezenas de milhões. A Check Point Software também revela um aumento de 14% ano a ano nos ataques de ransomware globalmente, que uma em cada 60 organizações no mundo são impactadas por ataques de ransomware semanalmente e o custo do ransomware é sete vezes maior que o do resgate pago, por isso, a empresa ressalta que as organizações devem priorizar a prevenção se quiserem combater essa ameaça crescente.

Em 2017, o WannaCry foi o primeiro desse tipo: um ataque global multivetorial, patrocinado pelo Estado. Apesar disso, a demanda inicial de extorsão foi de apenas US$ 300. Embora o WannaCry não tenha sido pioneiro em termos de lucratividade, foi pioneiro em inaugurar o uso político de ransomware. Nos últimos cinco anos, as operações de ransomware passaram de e-mails aleatórios para negócios multimilionários, como NotPetya, REvil, Conti e DarkSide, realizando ataques direcionados e sofisticados que afetam empresas de todos os setores. O pedido de resgate que a Kaseya enfrentou em 2021 foi de US$ 70 milhões.

As modalidades de trabalho remoto e híbrido com a adoção acelerada da nuvem abriram novas oportunidades para os atacantes explorarem. Sua sofisticação está aumentando, com novas tendências como Ransomware-as-a-Service ou dupla e até tripla extorsão. Os cibercriminosos ameaçam publicar informações privadas para dupla extorsão e exigir resgate não apenas da própria organização infectada, mas também de seus clientes, parceiros e fornecedores, no formato de tripla extorsão.

Alguns dias atrás, houve duas incidências desse tipo de ataque na Costa Rica e no Peru, ambos supostamente realizados pelo grupo de ransomware Conti. Ambas as ameaças levaram o governo da Costa Rica a declarar estado de emergência no dia 6 de maio passado e estimar perdas de US$ 200 milhões com a paralisação de alfândegas e agências governamentais e, até mesmo, causar a perda de eletricidade em uma de suas cidades devido ao impacto de um grande fornecedor de energia. Nos últimos anos, um outro ataque mais notório a infraestruturas críticas foi o que afetou a US Colonial Pipeline. Enquanto governos e grandes corporações costumam ganhar as manchetes, os grupos de ransomware são indiscriminados, visando empresas de todos os portes e setores. Para se proteger, as equipes de TI devem priorizar a prevenção. Eles precisam estar atentos a quaisquer sinais de cavalos de Troia em suas redes, atualizar regularmente seu software antivírus, corrigir proativamente vulnerabilidades relevantes de Remote Desktop Protocol (RDP) e usar autenticação de dois fatores.

No Brasil, o interesse pela segurança da própria senha nunca foi tão alto como em 2021, de acordo com levantamento realizado pelo Google Trends para o Dia Mundial da Senha, celebrado no último dia 5 de maio. No ano passado, as buscas pelos termos “gerenciador de senha” e “autenticação em dois fatores” foram as mais numerosas, desde o início da série histórica, em 2004. Além disso, na comparação direta com 2020, a preocupação das pessoas no país com o gerenciador dobrou, enquanto com a dupla autenticação subiu 33%. As pesquisas pelo “gerenciador de senha” saltaram 523% no Brasil nos últimos cinco anos, em paralelo ao ano anterior. Isso significa que a relevância da ferramenta ficou seis vezes maior. A alta foi substancialmente mais significativa do que a registrada em todo o mundo (+110%) também no mesmo período. E mesmo assim, o Brasil ainda é o 31º país no ranking das nações que mais pesquisam por “gerenciador de senha” dos cinco anos avaliados.

O interesse por “autenticação em dois fatores” também cresceu muito no país, nesse período. O aumento foi de +475%, também seis vezes a mais do que no mesmo espaço de tempo imediatamente anterior. Já “vazamento de senha” passou a despertar quatro vezes mais interesse das pessoas. O crescimento foi de +299%. Ante 2020, o crescimento foi de +147%.

Já as procuras por “senha forte” triplicaram nos últimos cinco anos (+239%). Somado a isso, o assunto também bateu recorde em 2021, quando registrou um aumento de +66%. Boa parte das palavras que são pesquisadas ao lado de “como proteger…” são ferramentas digitais, como celular e redes sociais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Em caso de novo ataque hacker, 80% das empresas pagariam resgate

Senhas: sequências numéricas simples ainda são motivo de ataques cibernéticos.

Economia dos Estados Unidos caminha para pouso forçado

Analista acredita que no final do ano Fed pode dar guinada para sustentar Bolsas.

Déficit comercial da UE é sinal de alerta para inflação global

Analista lembra que a Europa é muito dependente do gás importado da Rússia.

Últimas Notícias

Ford anuncia venda da fábrica de Taubaté

No ano passado, montadora anunciou o fim de suas atividades no país.

Títulos chineses detidos por instituições estrangeiras diminuem

Instituições estrangeiras diminuíram suas participações em títulos interbancários chineses, segundo um relatório divulgado pela sede do Banco Popular da China em Shanghai.

Operações financeiras de Shanghai estão estáveis apesar da epidemia

O centro financeiro da China, Shanghai, conseguiu manter suas operações financeiras estáveis apesar do recente ressurgimento da COVID-19.

Carga de energia aumentou 2,2% em abril ante 2021

ONS: Subsistema Sudeste/Centro-Oeste registra variação positiva de 4,8%.

Quatro em 10 brasileiros pretendem pedir crédito nos próximos 90 dias

Intenção atingiu maior patamar desde junho de 2021; dívidas são o principal motivo.