Atividade econômica teve alta de 0,60% em julho

Segundo BC, no acumulado em 12 meses, indicador ficou positivo em 3,26%.

A atividade econômica brasileira registrou alta em julho deste ano, de acordo com dados divulgados hoje pelo Banco Central. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) apresentou aumento de 0,60% em julho de 2021 em relação ao mês anterior, de acordo com os dados dessazonalizados.

Até fevereiro, o IBC-Br vinha apresentando crescimento, após os choques sofridos em março e abril do ano passado, em razão das medidas de isolamento social necessárias para o enfrentamento da pandemia de Covid-19. Nos últimos meses, entretanto, os resultados oscilaram, com recuos em março e maio. O trimestre encerrado em julho fechou com oscilação negativa de 0,02%.

Em julho, o IBC-Br atingiu 140,52 pontos. Na comparação com julho de 2020, houve crescimento de 5,53% (sem ajuste para o período, já que a comparação é entre meses iguais). No acumulado em 12 meses, o indicador também ficou positivo, em 3,26%.

O índice é uma forma de avaliar a evolução da atividade econômica brasileira e ajuda o BC a tomar decisões sobre a taxa básica de juros, a Selic, definida atualmente em 5,25% ao ano. O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia, a indústria, o comércio e os serviços e agropecuária, além do volume de impostos.

O indicador foi criado pelo Banco Central para tentar antecipar a evolução da atividade econômica. Entretanto, o indicador oficial é o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em 2020, o PIB do Brasil caiu 4,1%, totalizando R$ 7,4 trilhões. Foi a maior queda anual da série do IBGE, iniciada em 1996 e que interrompeu o crescimento de três anos seguidos, de 2017 a 2019, quando o PIB acumulou alta de 4,6%.

Para o Mitsubishi UFJ Financial Group, Inc (MUFG), a expectativa para o IBC-Br em agosto é positiva.

“Alguns indicadores, como índice de confiança e Google Mobility apresentaram resultados favoráveis que corroboram nossa expectativa de recuperação gradual da economia, dado o retorno das atividades econômicas devido ao avanço da vacinação em todo o país. No entanto, existem alguns riscos que podem alterar essa recuperação. O efeito da crise hídrica sobre a inflação deve ser o mais preocupante, tendo em vista que os preços aumentarão consideravelmente em setembro na esteira do aumento das tarifas de energia, afetando assim o poder de compra da população. Há também o problema atual de falta de matéria-prima e peças industriais no mercado global, que também afeta o Brasil. Além disso, devemos observar o comportamento da variante Delta e o possível surgimento de novas variantes.”

 

Com informações da Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Com nova alta, preço da gasolina já está 30% mais caro

Combustível é vendido a R$ 6,237 nos primeiros dias do mês; já consumo de biocombustíveis aumentará até 8% nesse ano.

Cautela pré-Fomc pesa sobre Bolsas no globo

Em dia de vencimento de opções, NY fechou em baixa, com o retorno das incertezas sobre o ritmo de retomada econômica.

Formbook afetou mais de 5% das organizações

Capaz de capturar credenciais e registrar digitação de teclado, malware figurou em segundo lugar no ranking mensal do país.

Últimas Notícias

Com nova alta, preço da gasolina já está 30% mais caro

Combustível é vendido a R$ 6,237 nos primeiros dias do mês; já consumo de biocombustíveis aumentará até 8% nesse ano.

Cautela pré-Fomc pesa sobre Bolsas no globo

Em dia de vencimento de opções, NY fechou em baixa, com o retorno das incertezas sobre o ritmo de retomada econômica.

A desigualdade entre os ‘iguais’

Por Rafael Luciano de Mello.

SP: alimentação puxa alta no preço da cesta básica

Segunda prévia do IGP-M variou negativamente em relação à segunda prévia do período anterior, mas avança ante a última divulgação.