Ativistas enviam apelo a Biden: ‘não confie em Bolsonaro’

Jovens do Fridays For Future Brasil enviam carta ao presidente dos EUA no Dia da Cúpula do Clima para alertá-lo sobre políticas ambientais no país.

Nos dias 22 e 23 de abril, o Brasil vai participar de uma reunião virtual com outros 39 líderes mundiais para discutir sobre o aquecimento global. A Cúpula do Clima, ou Summit Action, é uma iniciativa puxada pelo presidente dos EUA, Joe Biden, que recentemente aderiu novamente ao Acordo de Paris.

“Existe muita expectativa em cima de Biden com a volta dos EUA ao Acordo de Paris, esse encontro servirá de termômetro para vermos se os líderes mundiais terão real compromisso em solucionar a crise climática”, diz Renata Padilha, ativista do movimento Fridays For Future Brasil.

Os ativistas Beatriz Barberato, Dalcio Rocha, Emerson Pataxó, Marcelo Rocha, Mikaelle Faria e Renata Padilha tomaram essa iniciativa com o objetivo de demonstrar seus posicionamentos contrários aos desmontes ambientais do governo Bolsonaro e alertar Biden para caso haja futuros acordos ambientais com o Brasil. “Bolsonaro não tem compromisso com a vida e nem tão pouco com o meio ambiente, caso algum acordo seja assinado, também estará assinando a sentença de morte para a humanidade inteira”, afirma Emerson Pataxó.

Em carta, os jovens ambientalistas afirmam que “O governo Bolsonaro é inimigo do meio ambiente” e relatam uma série de desmontes ambientais que vêm sendo realizados desde que o atual presidente assumiu o cargo de presidente da República, destacando alguns acontecimentos como o sucateamento do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio), interrupção no Fundo Amazônia para a preservação da floresta, os constantes ataques aos povos indígenas e os posicionamentos contrários ao Acordo de Paris, os quais podem causar retrocessos nas políticas ambientais propostas pelo acordo internacional firmado em 2015.

Os ativistas destacam que as consequências de uma decisão, de uma assinatura em um novo acordo sem um compromisso real, transparente e comprometido, pode custar a vida de toda a humanidade.

Segundo cientistas, se continuarmos com os negócios de sempre e não tomarmos medidas urgentes contra o aquecimento global e a crise climática, em poucos anos a temperatura média global da Terra poderá subir de 1,5°C até 2°C, ocasionando uma série de mudanças drásticas impactando na disponibilidade de água e alimentos, maior ocorrência de eventos extremos como chuvas fortes, secas e furacões, colocará em risco ecossistemas inteiros, entre outras consequências que os gases de efeito estufa na atmosfera poderão ocasionar ao longo dos anos.

“Estamos em um atual cenário de emergência climática e social, precisamos de medidas urgentes ao combate às alterações climáticas, não há mais tempo para promessas vazias”, diz Mikaelle Faria.

Pedindo também por empatia do presidente dos EUA, os seis jovens ressaltam que o governo brasileiro não os representa, e pedem para que Joe Biden não confie no governo Bolsonaro:

“Queremos que fiquem do nosso lado, da juventude, do futuro, e o mais importante, do lado da humanidade”, diz Dalcio Costa, ativista do Fridays For Future Brasil.

A cúpula reunirá 40 países convidados e, além do Brasil, a lista inclui países como Canadá, China, Rússia, México, países da Europa e Ásia, além de Israel, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Nigéria e África do Sul. O encontro é parte do esforço de Joe Biden para tornar a mudança climática real e criar estratégias para o seu enfrentamento.

Leia também:

Mundo terá graves danos humanos se não acelerar adaptação climática

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.

Taxação de refrigerantes é aprovada em comissão do Senado

Senadores querem aumentar a taxação como forma de combater obesidade infantil e diabetes.

Faetec: aluno não quer militarização. Quer valorização do modelo atual

Alerj estuda levar debate às escolas.

Últimas Notícias

Solidus Aitech arrecadou mais de US$ 10,5 mi de fundos com tokens

Serviço de computação de alto desempenho (HPC) quer 'democratizar a IA'.

Pão pita tradicional poderá ser feito em escala industrial

Novo sistema é capaz de produzir até 1.000 quilos/hora de pita.

Policiamento reforçado em terreiros de umbanda e candomblé de Itaboraí

Terreiros foram ameaçados por pastor evangélico em show gospel.

Rodoviária do Rio inicia a 24ª Campanha do Agasalho

Desde a 1ª edição, em 1999, quase 1 milhão de peças já foram doadas.

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.