Aécio x Aécio

A defesa apaixonada do governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), de uma descentralização de recursos que beneficie estados e município deveria ser seguida de fortes críticas ao deputado Aécio Neves (PSDB-MG). Como presidente da Câmara durante parte do Governo FH, o tucano foi um dos principais garantidores da criação de contribuições e outros tipos de tributos destinados apenas à União.

Mau gasto público
Mais grave, no entanto, do que a mudança de postura de Aécio ao trocar o Legislativo pelo Executivo é a razão da defesa do aumento da carga tributária perpetrada por ele. Como mostra estudo dos pesquisadores José Roberto Afonso e Érica Amorim Araújo, divulgado em maio de 2004, entre 1995 e 2000 – período do interminável Governo FH – as receitas da União, dos estados e dos municípios cresceram 7,9 pontos percentuais do Produto Interno Bruto (PIB). Desse total, apenas 2,5% retornaram à sociedade na forma de bens e serviços. Em contrapartida, 67,5% foram torrados no pagamento de juros da dívida pública. Loquaz e defensor de “maior eficiência” quando se trata de gastos públicos não-financeiros, o governador mineiro, porém, cala-se quando a elevação da carga tributária serve para cevar rentistas e especuladores.

Maravilhosa
A Nestlé programou uma série de ações no Rio de Janeiro até o final deste ano. Entre eles, no dia 23 de novembro, a companhia promove o Seminário Nestlé Brasil Global e traz para o país o ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan, que fará uma palestra para 400 líderes empresariais sobre “Criação de Valor Compartilhado”, no Copacabana Palace.
Também em novembro, a empresa patrocina nas areias cariocas uma das etapas do campeonato mundial de Street Skate e o espetáculo Momentos Mágicos Disney, uma parada, inédita na América do Sul, em que se espera reunir mais de 500 mil pessoas ao longo da orla de Copacabana. Em dezembro, a Nestlé promove um evento de vela. Assinando a campanha, da agência MPM, o mote “Rio Faz Bem Nestlé”.

Limpo
A Thech Desinfecção, empresa de capital 100% nacional, inaugura nesta quinta fábrica em Cotia (SP). A empresa produzirá sanitizantes específicos para diferentes segmentos, como agrícola, alimentício, farmacêutico, veterinário, entre outros. A empresa se associou à Peróxidos do Brasil, do grupo belga Solvay, maior produtor mundial de produtos peroxidados. “Tendo em mãos o insumo e o processo de envasamento do produto será possível criar fórmulas inovadoras. Com isso, pretendemos ampliar nossa carteira de clientes, que hoje conta com mais de 25 segmentos atendidos”, fala o diretor comercial da Thech, Antonio Camilo Santos.

Incompetência premiada
Um protesto, nesta quarta, às 17h, contra o aumento de 13% na tarifa das barcas que fazem o trajeto Rio-Niterói. É dessa forma que o presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembléia Legislativa do Rio que apura os acidentes ocorridos no sistema aquaviário do estado, deputado Gilberto Palmares (PT), pretende denunciar o abusivo aumento, a partir de 1 de setembro, de R$ 2,47 para R$ 2,80, após meses de maus serviços prestados pela concessionária, com atrasos nas viagens e acidentes.

Incompetência premiada – 2
A diretoria do BNDES aprovou apoio financeiro no valor de R$ R$ 423 milhões à Concessão Metroviária do Rio de Janeiro. Os recursos serão destinados ao aumento da capacidade de transporte de passageiros, à redução do intervalo entre trens e à redução do tempo de viagem.  O objetivo do Metrô Rio é ampliar o número de usuários atendidos, passando dos atuais 550 mil para 1,1 milhão de usuários/dia, em 2024. O morador do Rio pena para utilizar o transporte metroviário, com composições cheias e a tarifa mais alta do Brasil.

Receita recua
Após vários anos de crescimento praticamente ininterrupto, as receitas administradas (soma dos principais impostos e contribuições recolhidos pela Receita Federal) caíram cerca de R$ 26,5 bilhões, em termos reais (descontada a inflação do período), no primeiro semestre de 2009, frente a igual período de 2008. Para avaliar as causas dessa queda, bem como analisar as desonerações feitas pelo governo para enfrentar a crise, o diretor de Estudos Macroeconômicos (Dimac) do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), João Sicsú, participa de entrevista, nesta quarta-feira, às 11h, na sede do Ipea, em Brasília.

Artigo anteriorCapital das duas rodas
Próximo artigoDoença midiática
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.

OMS pede redução de desigualdades no acesso à higiene das mãos

Organização destaca que pandemia mostrou dramaticamente a importância da prática na redução do risco de transmissão.