Aumenta otimismo com recuperação das ações brasileiras

Quase metade dos investidores projeta o Ibovespa acima dos 110 mil pontos no fechamento deste ano.

Acredite se Puder / 18:43 - 14 de jul de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A pesquisa “LatAm Fund Manager”, realizada pelo Bank of America com gestores de recursos, entre os dias 3 e 9 deste mês, mostra que, mesmo se a retomada da economia brasileira para os níveis pré-crise apenas ocorra em 2022, os investidores estão otimistas a recuperação dos ativos de renda variável anterior a esse prazo, no próximo ano. De acordo com o levantamento, 63% dos entrevistados esperam que o PIB brasileiro volte aos níveis de 2019 somente em 2022, com 84% estimando uma contração acima de 5% da atividade em 2020. A estimativa está em linha com o esperado para a região, com cerca de 47% dos gestores à espera de uma recuperação mais lenta das economias na América Latina, em formato de “U”. Por outro lado, quase metade dos investidores projeta o Ibovespa acima dos 110 mil pontos no fechamento deste ano, o que implicaria uma alta potencial de 10% ante o fechamento desta segunda-feira. A segunda maior parcela dos entrevistados, no entaanto, vê o índice entre 95 mil e 110 mil pontos. A avaliação é que as ações são os ativos financeiros que terão a melhor performance no país nos próximos seis meses, de acordo com 66% dos participantes, o que significa leve crescimento em relação aos 60% do último levantamento.

Com relação à Selic, 84% dos investidores esperam que a taxa básica de juros permaneça no patamar atual, de 2,25% ao ano, ou que haja um corte residual para 2,0% até dezembro. A pesquisa também mostrou que os participantes preveem um real mais depreciado ante o dólar, com 43% estimando a moeda brasileira acima de R$ 5,30 até o fim de 2020, na pesquisa anterior, 19% partilhavam essa opinião. Entre os principais riscos no cenário doméstico, a deterioração fiscal foi apontada por 53%, seguida pelo ruído político (22%). América Latina Em um cenário de juros baixos ao redor do mundo, os investidores estão com maior apetite ao risco. Do total de participantes na pesquisa, 28% dizem pretender aumentar a alocação em ações nos próximos 12 meses, acima dos 11% anteriormente. Entre as maiores posições overweight (acima da média do mercado, ou equivalente à compra) estão os setores de consumo discricionário (47%) e utilities (22%). Na ponta underweight (posição abaixo da média do mercado, ou venda), as financeiras lideram, com cerca de 25%. De acordo com o BofA, os investidores também estão tomando menos proteções a quedas bruscas do mercado. Em julho, 34% afirmaram estar adotando proteções, frente aos 42% de junho.

Divulgada mensalmente, a pesquisa com foco na América Latina do Bank of America consultou 32 gestores, que administram recursos de US$ 99 bilhões.

 

Opep prevê aumento na demanda

No relatório mensal da Organização dos Países Exportadores de Petróleo existe a previsão de que a demanda pelo produto deve ter crescimento recorde de 7 milhões de barris por dia em 2021, na medida que houver a recuperação da materialização de possíveis riscos relacionados a tensões comerciais entre Estados Unidos e China, excesso de dívidas ou uma segunda onda de infecções por coronavírus. A presume que a Covid-19 será contida, especialmente nas principais economias, permitindo recuperação do consumo privado e investimento, apoiados por massivas medidas de estímulos adotadas por governos para combater a pandemia”, afirmou a Opep. Os preços do petróleo desabaram neste ano depois que a demanda global caiu em um terço devido a medidas de isolamento adotadas por governos para conter a disseminação do vírus.

 

Analistas do Credit Suisse aplaudem Cyrela

Os analistas do Itaú BBA consideraram a prévia operacional da Cyrela no segundo trimestre deste ano, apenas como neutra, pois a contração dos negócios já era esperada devido às medidas de isolamento social. Pelo lado positivo, viram que as vendas de unidades acabadas bastante resilientes, e a empresa conseguiu manter uma velocidade de vendas saudável dos lançamentos, mesmo entre os projetos fora do segmento de baixa renda. Os do Credit Suisse, no entanto, avaliaram como positivo o desempenho trimestral, pois o patamar de vendas no segundo trimestre ficou próximo de 80% do pré-Covid e acreditamos que esta ótima performance pode ser justificada por uma operação bem diversificada.

Em suas prévias operacionais do segundo trimestre de 2020, a Cyrela registrou uma queda de 57,3% nas vendas líquidas na comparação com o mesmo período de 2019, para R$ 818 milhões. No acumulado do primeiro semestre, as vendas somaram R$ 2,175 bilhões, recuo de 26,6%. Os números mostram uma queda mais acentuada nas vendas de imóveis de alto padrão no trimestre, de 79% na comparação anual. Já na categoria Minha Casa, Minha Vida (MCMV), a queda foi de 11%. Os imóveis de médio padrão tiveram vendas 63% menores no trimestre. De todas as vendas entre abril e junho, 17% foram de estoque de imóveis prontos, 63% de estoque em construção e 21% de lançamentos. A velocidade de vendas de lançamento atingiu 43% no trimestre. Excluindo as permutas e tomando por base somente a participação da Cyrela nas vendas, o volume ficou em R$ 592 milhões no trimestre, queda de 56%. No semestre, o valor ficou em R$ 1,509 bilhão, recuo de 27,8%. Os lançamentos da Cyrela somaram R$ 395 milhões no segundo trimestre, recuo de 81,1% em relação ao mesmo período do ano passado. Foram cinco empreendimentos. Não foram realizados lançamentos de alto padrão no período. Para o MCMV, houve R$ 250 milhões em lançamentos, queda anual de 42,6%. No semestre, o volume de lançamentos atingiu R$ 2,039 bilhões, recuo de 22,5%.

 

Acionistas da Smiles questionam Convidão

O Conselho de Administração da Smiles convocou, a pedido dos acionistas minoritários, convocou Assembleia Geral Extraordinária para 20 de agosto a pedido de minoritários para discutir eventual propositura de ação de responsabilidade civil contra membros da diretoria da companhia que celebraram contratos de compras antecipadas de passagens e querem ressarcimento de R$ 426 milhões do acionista controlador, Gol. O Conselho não acatou pedido dos minoritários para que a AGE discuta invalidade das compras antecipadas de passagens e também não foi aceito pedido para deliberar sobre ressarcimento à empresa de cerca de R$ 15 milhões por despesas com consultores financeiros do processo de reorganização societária, operação típicas de um Convidão.

Em 6 de julho, houve a compra de R$ 1,2 bilhão em passagens aéreas da Gol pela Smiles, o que irritou os acionistas da empresa de programa de fidelidade. Poucos investidores, todavia, não conseguiram entende o posicionamento dos analistas do Bradesco BBI que acreditam que essa compra antecipada de passagens aéreas pode tornar o programa de fidelidade mais competitivo, recomendando a compra das ações da Gol e em manter as da Smiles.

 

Ninguém ultrapassou Buffet

Ninguém passou na frente do Warren Buffet, que continua na posição de nono maior bilionário do mundo.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor