Aumento da demanda por aço puxou resultado positivo da Gerdau

Lucro líquido atingiu a R$ 795 milhões no 3º tri, alta de 95% sobre igual período de 2019.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Gerdau encerrou o terceiro trimestre de 2020 com Ebitda consolidado (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) de R$ 2,1 bilhões, com margem Ebitda de 17,5%. O Ebitda consolidado cresceu 46% no terceiro trimestre de 2020 em comparação ao mesmo período do ano anterior.

O grupo informou que o resultado reflete a retomada vigorosa dos mercados no Brasil e na América Latina, especialmente de construção civil, e a manutenção da demanda por aço em bons patamares na América do Norte. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira pela siderúrgica brasileira.

O lucro líquido da Gerdau alcançou R$ 795 milhões entre julho e setembro de 2020. Por sua vez, a receita líquida da companhia somou R$ 12,2 bilhões no terceiro trimestre, 23% a mais sobre o mesmo período do ano anterior, com as vendas físicas de aço totalizando 3,2 milhões de toneladas, uma alta de 4%.

No terceiro trimestre de 2020, a Gerdau beneficiou-se da agilidade na retomada de suas operações industriais e da proximidade com seus clientes para atender a demanda crescente por aço nos diversos mercados em que está presente”, disse Gustavo Werneck, diretor-presidente (CEO) da siderúrgica.

No Brasil, as vendas de aços longos e planos no mercado interno subiram 7% entre janeiro e setembro em uma comparação anual e ficaram acima dos patamares registrados antes do início da pandemia, reflexo principalmente do forte desempenho da construção civil, enquanto mantivemos em níveis positivos os volumes entregues na América do Norte. Além disso, nos últimos meses, aceleramos nossa estratégia de transformação digital, nos aproximando ainda mais dos nossos clientes, o que podemos ver refletido no aumento de cotações para compra de aço no nosso site de 14 mil, em janeiro, para 50 mil, em setembro.

No terceiro trimestre deste ano, houve uma queda significativa na relação entre a dívida líquida e Ebitda, que saiu de 2,8x no segundo trimestre para 2,1x. Também registramos uma forte geração no fluxo de caixa livre, que atingiu R$ 2,3 bilhões, com nosso ciclo financeiro reduzindo de 95 para 63 dias”, diz o CFO, Harley Scardoelli.

Ao longo do terceiro trimestre de 2020, a Gerdau investiu R$ 360 milhões em ativo imobilizado (Capex). Considerando os nove primeiros meses do ano, foi destinado R$ 1,1 bilhão para as operações da empresa globalmente. A previsão de desembolso de Capex para 2020 representa investimentos da ordem de R$ 1,6 bilhão.

Por sua vez, os Conselhos de Administração da Gerdau S.A. e da Metalúrgica Gerdau S.A. aprovaram a distribuição de dividendos relativos ao ano de 2020, em antecipação ao dividendo mínimo obrigatório. A Gerdau S.A. e a Metalúrgica Gerdau S.A. pagarão dividendos, respectivamente, de R$ 204 milhões (R$ 0,12 por ação) e R$ 76 milhões (R$ 0,07 por ação) nos dias 18 e 19 de novembro.

 

Modelos de negócio

 

A Gerdau aderiu, em setembro, à iniciativa B Movement Builders, lançada pelo B Lab e pelo Sistema B Brasil, que reúne grandes empresas multinacionais de capital aberto que visam transformar a economia global em um modelo de negócios mais sustentável, considerando a geração de valor de longo prazo para todas as partes interessadas.

Trata-se de uma coalização inédita formada pela Gerdau, Bonduelle, Givaudan e Magalu, com a Danone e a Natura & Co atuando como mentores. “Fazer parte desse movimento é mais uma etapa do compromisso da Gerdau com o desenvolvimento sustentável. A sustentabilidade faz parte do alicerce do nosso futuro e reflete o propósito da empresa, incentivando as pessoas e a indústria a deixarem um legado positivo para a sociedade”, comenta Gustavo Werneck.
 

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor