Aumento do material de construção tem limitado a melhora dos negócios

Queda da confiança no mês reflete a piora da percepção dos empresários na avaliação sobre o momento presente e redução das expectativas ante próximos meses.

Apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getulio Vargas, o Índice de Confiança da Construção (ICST) caiu 0,5 ponto em fevereiro para 92,0 pontos, a segunda queda consecutiva. Em médias móveis trimestrais, o índice variou – 0,6 ponto.

“Além das expectativas, a percepção em relação ao ambiente atual dos negócios vem se deteriorando. Vale notar que esse movimento não está relacionado a uma perda de fôlego da demanda, pelo contrário, a sondagem aponta que a preocupação dos empresários com a demanda insuficiente diminuiu nos últimos 12 meses. Por outro lado, o aumento dos preços dos materiais de construção tem limitado a melhora dos negócios, refletindo na confiança do setor”, avaliou Ana Maria Castelo, coordenadora de Projetos da Construção do Ibre.

O Índice de Confiança da Construção que havia superado o patamar pré-pandemia e registrado seu melhor resultado desde 2014 em outubro de 2020, não se sustentou e vem desacelerando desde então. A queda da confiança no mês reflete a piora da percepção dos empresários na avaliação sobre o momento presente e redução das expectativas em relação aos próximos meses. O Índice de Situação Atual (ISA-CST) recuou 0,5 ponto, ao passar de 90,5 pontos para 90,0 pontos.

A queda do ISA-CST foi influenciada exclusivamente pela piora do indicador de situação atual dos negócios, que diminuiu 1,0 ponto, para 91,5 pontos. O Índice de Expectativas (IE-CST) caiu pelo quarto mês consecutivo, passando de 94,6 pontos para 94,1 pontos, um recuo de 0,5 ponto. A queda de 1,9 ponto do indicador de tendência dos negócios foi o que mais contribuiu negativamente para a piora do IE-CST, já que o indicador que mede a demanda prevista subiu 0,9 ponto neste mês.

O Nível de Utilização da Capacidade (Nuci) da Construção caiu 0,7 ponto percentual (p.p.), para 73,3%. O resultado negativo deve-se à diminuição de 0,9 p.p. do Nuci de Mão de Obra, para 74,5%, enquanto que o Nuci de máquinas e equipamentos subiu 0,5 p.p., para 67,0%.

A queda na confiança das empresas em fevereiro não foi disseminada por todos os segmentos. Houve melhora da atividade no mercado imobiliário. Na comparação com 2020, a percepção em relação ao momento atual (ISA) mostra um cenário mais favorável para edificações residenciais. Em preparação de terrenos, um segmento antecedente da atividade, a melhora na percepção corrente foi ainda mais expressiva. “Por outro lado, vale destacar a deterioração das expectativas das construtoras da área habitacional, sinalizando dificuldades para a continuidade da retomada”, observou Ana.

Leia mais:

IPC-S sobe em seis capitais brasileiras em fevereiro

Balança comercial tem o pior fevereiro desde 2014

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Lucros das empresas subiram 55% no primeiro trimestre

Em abril, quase metade das categorias de trabalhadores não conseguiu repor inflação.

Queda na indústria atinge todos os grupos de intensidade tecnológica

Perdas no primeiro trimestre de 2022 vão de 2,3% a 8,7%.

Otimismo dos comerciantes melhora em maio

Segundo a CNC, é o maior nível desde dezembro de 2021.

Últimas Notícias

B 3 lança novos produtos para negociação de estratégias de juros

Operações são estruturadas de contratos futuros de DI, DAP e FRC

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

Brasil corre risco de desabastecimento de diesel

Alerta foi feito inclusive pela direção da Petrobras

Lucros das empresas subiram 55% no primeiro trimestre

Em abril, quase metade das categorias de trabalhadores não conseguiu repor inflação.

PIB dos EUA cai mais que previsto, porém inflação perde ritmo

Recessão não está descartada, segundo analistas.