Austericídio levará Brasil de volta a 2011

Se não forem alteradas as medidas de Guedes, recuo pode ser ainda pior: antes da crise de 2008.

Fatos e Comentários / 19:32 - 7 de abr de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A atividade econômica continuava no início de 2020 com sua trajetória de baixo crescimento observada nos três últimos anos. Quem afirma é o insuspeito IAE da FGV. No acumulado em 12 meses até fevereiro, o crescimento da economia calculado pelo Instituto foi de 0,9%, menor até do que na era de Temer.

Como disse a coluna mais de uma vez, não dá para culpar o coronavírus. O desempenho econômico brasileiro está abalado desde 2015 por outro tipo de vírus, o neoliberavírus radical, que já teve as cepas levyrus, meirellírus e agora está na guedus, a mais perigosa. Em comum, além dos privilégios ao setor financeiro, as cepas atacam a produção e as contas públicas com a política do austericídio.

O resultado é que, no ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro voltou ao nível do primeiro trimestre de 2013 (na série com indicador ajustado do IBGE, índice de 171 – e não é brincadeira com o artigo do estelionato no Código Penal). Se a economia cair 2,2% em 2020 – projeção feita pelo banco Santander, que hoje pode ser considerada otimista – o PIB recuará ao patamar de 2011. Uma queda mais radical – cenário plausível diante do misto de incapacidade, arrogância e vontade da equipe econômica – poderá levar o Produto a níveis de antes da crise de 2008.

Há alternativa, mas ela passa por uma mudança radical na visão do governo, que até agora só garantiu a preservação das instituições financeiras – para estas, a mão estatal prontamente substituiu a invisível do mercado. O que se avançou para trabalhadores e empresas produtivas foi fruto de pressão de ambas as classes. Só assim poderá se garantir a sobrevivência e uma redução nos danos.

 

Auxílio

O consultor Luiz Affonso Romano, presidente da ABCO e CEO do Laboratório da Consultoria, convidou os profissionais brasileiros aqui e da Flórida (EUA) a prestarem consultoria pro bono (voluntária) para amparar micros e pequenos empresários na busca de soluções para superar a crise pandêmica.

A proposta tem exemplos: a PwC Brasil ofereceu aos médicos, em caráter pro bono, seus serviços de consultoria tributária. A ideia é que eles tenham todo o apoio necessário no preenchimento de suas declarações do Imposto de Renda. O atendimento, direcionado a médicos atuantes nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro que estejam diretamente envolvidos no combate à Covid-19, será feito de forma virtual, entre 13 de abril e 26 de junho. Informações no site da consultoria.

 

Tem pressa

A Ação da Cidadania, movimento criado pelo sonho do inesquecível Herbert de Souza, o Betinho, está entregando 100 toneladas, cerca de 10 mil cestas básicas, por semana para os mais vulneráveis. A entidade atua em 19 estados e no Distrito Federal. É preciso apoiar este trabalho com doações através das contas:

Banco do Brasil – agência 1211-4 – conta 500.537-x (trocar o x por zero se for de outro banco)

Itaú – agência 0417 – conta 65638-6

 

Apoio

A LBV também está à frente de ações de solidariedade diante do coronavírus. A entidade solicita doações de cestas de alimentos não perecíveis e itens de limpeza e de higiene pessoal que serão entregues a famílias atendidas pela instituição e também a famílias que residem em comunidades nas principais cidades do país. As doações poderão ser entregues diretamente nos endereços da LBV.

 

Vida real

Enquanto a equipe econômica aumenta a tensão e não dá uma resposta à altura da crise, demissões vão aumentando. Rede de lojas de material de construção em Juiz de Fora (MG) demitiu 40, na maioria vendedores. Se as lojas continuarem fechadas, leva maior deve ocorrer esta semana.

 

Rápidas

O FGV Ibre realizará evento online pela ferramenta Zoom nesta quarta-feira, às 15h, para debater os efeitos do coronavírus no comportamento dos preços e na confiança de empresários e consumidores. Inscrições aqui *** A Fecap oferece seis cursos online gratuitos em fecap.br *** A Associação Comercial de Santos (ACS Jovem) fará programas ao vivo com empreendedores a partir desta semana. O primeiro entrevistado será o fundador da Microsoft no Brasil e atualmente mentor da Endevor, Mauro Muratorio Not. Nesta quarta-feira, a partir das 18h, e será apresentada pelo vice-coordenador da ACS Jovem Leonardo Barbosa Delfino, no Instagram @acsjovem

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor